Godofredo Tinoco e as condições de produção de suas ideias em Campos dos Goytacazes: O espectro de capitalidade na conformação de uma metrópole cultural do Norte fluminense no século XX

por Márcia Carneiro

Por Taiany Felipe*

A partir do campo da história intelectual, a intelectualidade nessa discussão é compreendida no percurso historiográfico pelo tema e contexto da atuação de Godofredo Tinoco. Esta perpassa produções literárias e atuações políticas significativas, da cidade de Campos dos Goytacazes ao cenário político nacional que movimentou a chamada “Revolução de 30”, num trajeto entre trocas de correspondências das quais foi mensageiro. Nesse sentido, a história intelectual, enquanto suporte para análise das relações de forças sociais, assim servindo dialeticamente ao tempo e ao contexto em que as ideias são produzidas, contribui para a compreensão, além das relações de força, das redes de sociabilidade enquanto ação recíproca. Dessa maneira, a intelectualidade pode transpor direta ou indiretamente os campos da cultura e da política já que, desde as revoluções do século XVIII, ela articula-se como aparato para o arranjo desses eixos sociais. Contudo, é no século XX que esta função sobre as ideias parece tomar proporções de mediação mais esclarecidas ao compor indispensavelmente os meios de opinião pública, informação e conhecimento, adentrando nos amplos dispositivos de cultura e organização social então emergentes.

O momento histórico do Brasil neste século, recém republicano e, portanto, ainda sob a égide das elites centrais, nos leva a olhar a conjuntura nacional apenas do eixo dominante que disputava as frentes oligárquicas, ignorando articulações diretas com territórios regionalizados de segunda grandeza e sua produção ideológica também em prol da política nacional. Não obstante, por meio dos elos declarados nos documentos do acervo do Godofredo, podemos considerar  que a linguagem política vigente não somente chegava ao território de Campos dos Goytacazes e o influenciava, mas também se construía-se dentro e a partir dele por meio de personagens representantes da elite local nas relações interestaduais.

A cidade de Campos dos Goytacazes enquadrava-se em uma geografia privilegiada em relação às demais da época, pois dotada de um extenso território foi espaço de produção intensiva da cana de açúcar desde o século XVIII, tornando-se um importante centro econômico e distribuidor de mercadorias no Norte Fluminense. A potencialidade produtiva foi condição principal para a transformação urbanística da cidade a partir das políticas de ocupação e promoção do território que deram espaço a uma maior circulação de mercado, e consequentemente da cultura. Essa valorização por parte da Coroa corroborou para a mudança gradativa do imaginário que caracterizava uma identidade de selvagem e rebelde ao campista, transformando-se em um reconhecimento que beirou o ufanismo ao valorizar politicamente os bens materiais, naturais, e simbólicos da cidade e de sua população.  Este trabalho, contudo, não tem como objetivo debruçar-se na complexa formação econômica/social do processo colonial e imperial da então Villa de São Salvador, já sendo ela tema de trabalhos que elevam suas questões. Cabe aqui elucidar somente as propriedades pontuais sobre sua adequação pela elite política aos moldes cosmopolitas no que tange,  posteriormente, a formação de uma classe intelectual ativa politicamente nos traves republicanos e, especificamente, nos trâmites que inauguram a Segunda República. 

Portanto, esse exame documental e contextual busca expandir o escopo analítico do começo do século XX a partir de algumas das características de um centro político e cultural de relevância no interior do Rio de Janeiro. Dessa forma, a pesquisa sobre a intelectualidade exercida por Godofredo objetiva não somente apontar as práticas discursivas que colocaram Campos dos Goytacazes nos moldes de uma metrópole cultural, mas historicizá-las, a fim de localizar as classes que as representaram em prol de seus próprios projetos. Nesse intuito, considera-se o movimento que reverberou na cidade entre o século XIX e meados do XX e que nessa pesquisa é conceituado enquanto um espectro de capitalidade, indicando a elaboração contínua de uma identidade local que foi base da disputa pela capital do Estado. Mas o impacto dessa manifestação constante nos discursos da elite política local deve ser entendido no contexto específico do século XX, sobretudo pela contribuição deste na circularidade das ideias em decorrência dos novos dispositivos de difusão e do movimento político que essa classe integrou. Isso significou enxergar a participação efetiva de Campos nas demandas nacionais do começo do século, no qual a elite da cidade absorve quase o mesmo processo da ordem oligárquica e suas dissidências do país, porém com especificidades históricas que lhe conferem maior necessidade de análise pelo potencial organizativo e as redes de força do território regionalizado.

Sendo parte dos resultados de pesquisa de caráter arquivístico e histórico, é correto afirmar que esse trabalho se baseia principalmente sobre as fontes documentais tratadas no acervo Godofredo Tinoco da Casa de Cultura Villa Maria – UENF. É, portanto, a partir da análise documental desse acervo pessoal institucionalizado, que são examinadas as condições de produção materiais e simbólicas que sustentaram a atividade intelectual articulada por Godofredo no decorrer de sua trajetória na cena cultural campista dos novecentos.

Para além do averiguar historiográfico, compreender essa dupla propriedade dos documentos do Godofredo Tinoco, como constituinte de um arquivo pessoal e que é institucionalizado postumamente, mostra-se essencial para a realização de sua análise que considere o campo simbólico em que o acervo está inserido e para que assim se desvie de seus ardis. É na imersão nesse campo simbólico materializado nos documentos em pesquisa, que podemos encontrar e/ou perpetuar, ou não, a memória que também  institucionaliza-se. Não trata-se, contudo, de tirar a imparcialidade dos documentos em si, mas dos atributos que neles são passíveis “de outros interesses que não os ditados por sua estrita e imediata funcionalidade”[i].

Mesmo que a produção de lembranças e esquecimentos não seja o objetivo principal de determinada ação das instituições na sua relação entre passado e presente, as operações por elas realizadas acabam por influenciar nesse sentido. A permanência de determinado costume, de determinado hábito, de tradições de pensamentos e de práticas, mesmo que não considerado declaradamente como um elemento de determinação de memória ou de esquecimento, resulta em sê-lo[ii].

               No que diz respeito ao acervo de Tinoco, seu caráter simbólico consiste no próprio valor que sua produção e rede intelectual corroboraram à cidade de Campos. Ainda que nascido em Macaé, é em Campos dos Goytacazes que Godofredo Nascentes Tinoco (1897 – 1983) se constrói como douto articulador da cultura e, consequentemente, da política campista. Esta posição certifica-se com base na parte de seu acervo pessoal composto por uma expressiva quantidade de documentos de cunho pessoal – como correspondências, postais, fotografias e recortes – e também os de caráter público – como seus livros, artigos, contos, peças – grande parte em diferentes versões e também os não publicados. A frente de instituições como a Associação da Imprensa Campista (AIC), Academia Campista de Letras (ACL) e das primeiras faculdades a se instalarem na cidade – Faculdade de Direito de Campos (FDC) e Faculdade de Filosofia de Campos (FAFIC) – além de membro ativo de sociedades de atuações específicas como a Sociedade Brasileira de Autores Teatrais (SBAT), Godofredo escreveu por elas e sobre elas de forma a declarar um projeto ético-político, de sua classe.

            O momento histórico no qual Tinoco é contemporâneo representa uma guinada nos    aparatos de disseminação de informação e cultura, assim como em toda cadeia produtiva desempenhada pela ampla industrialização do capitalismo vigente. Esse movimento de modernização já permeava a cidade de Campos desde as últimas décadas do XIX por meio das indústrias e companhias de transporte ferroviário e dos novos serviços públicos, assim conformando uma nova elite na organização desse espaço cada vez mais urbano. Nesse cenário em construção, o intelectual já fazia-se dirigente na produção do saber e na enunciação da verdade[iii].

Os intelectuais indubitavelmente eram o grupo mais marcante nesta paisagem urbana em mutação, renovada pelas intervenções inéditas que conduziam a novos modos de funcionamento do espaço social, fazendo emergir novos valores e de comportamento que levaram, finalmente, à constituição de novas práticas e relações sociais[iv].

            Nesse momento, Campos dos Goytacazes já destacava-se como uma metrópole cultural do interior, mas é no século XX que as práticas culturais, derivadas dos moldes modernizadores importados para o Brasil, tomam maior força na cidade. Além das diversas casas de teatro e jornais que nela constituíram-se ao longo do século XIX, o novecento ainda atribui à  planície campista a relação direta com a radiodifusão, aparatos que conjuntamente favoreceram maior interação entre diferentes públicos, artistas e intelectuais de múltiplos lugares. A cidade teve, contudo, seus próprios personagens de relevância na organização e gerência desses aparatos culturais, sendo em sua maioria pertencentes às classes médias e altas oriundas das oligarquias locais. Essa prevalência das elites políticas da cidade implica uma correlação entre cultura e classe, principalmente por tratar-se de uma cidade entre o campo e o mundo citadino, guiada por um espectro de capitalidade pronunciado por essas mesmas elites.

            O espectro em questão refere-se à  produção e circulação de uma identidade regional que é evocada ao longo de dois séculos nos projetos que buscaram tornar a então Vila de São Salvador uma província e, quando cidade, capital do Estado. De acordo com Chrisóstomo (2011), esse manejo pela capitalidade  desenvolve-se em três movimentos distintos. A começar com a localização estratégica da cidade, que a favorecia como um importante eixo de conexão comercial com o que é hoje o Norte Fluminense, a Vila de São Salvador começa a ser reconhecida politicamente, principalmente por sua estabilidade econômica com a cultura da cana de açúcar. Ainda no século XVIII, os diversos incentivos e investimentos da Coroa na Vila resultaram num plano de ocupação que sustentou uma rede de instituições judiciárias e religiosas. A partir desse olhar econômico para a região, sua imagem começa a se deslocar da alcunha de ‘selvagens e rebeldes’ à uma valorização  de suas características ambientais e à docilidade de seus habitantes[v].

            Com essa nova identidade regional que se forja e reproduz no XIX a partir de seus  recursos naturais e da riqueza econômica e cultural, as elites políticas locais estabeleceram[vi] o potencial da Vila  para competir com Niterói e Itaboraí a nova província do Império. Embora tenha perdido para Niterói nesse primeiro projeto de capitalidade, Campos recebe em 1835 o status de cidade, juntamente com um movimento de propaganda mais comedido em defesa do papel da cidade para o desenvolvimento do norte fluminense.

Ressaltar a importância da região, ora representando-a como uma área de grande potencialidade, ora como local degradado por falta de investimento e patriotismo dos cidadãos foram estratégias utilizadas pelas lideranças políticas para tanto incentivarem o que era considerado “a defesa do bem público” como para obterem recursos adicionais do governo central e provincial. De certa forma, as propostas das elites locais em transformar Campos num centro econômico foram lapidadas a partir da sistemática projeção da cidade como modelo de progresso e desenvolvimento regional[vii].

Mesmo com a crise provocada pela baixa da cana de açúcar e escassez da mão de obra, um segundo movimento pela capitalidade teve início em 1850. Nesse momento, a disputa pelo status de capital penetrava as várias cidades da província na expectativa de solucionar seus problemas econômicos e políticos. Contudo, Campos permaneceu no controle de ambos problemas, sendo o município mais abundante de toda província. Em 1855, um projeto foi submetido com as características que legitimavam a antiga Vila a tornar-se a Província de Goytacazes: “uma rede urbana, um espaço integrado, por meio do qual a capital exerce o seu papel de atrair e difundir os fluxos administrativos, comerciais, políticos e culturais”[viii]. No entanto, a fatalidade da epidemia de cólera rompeu a execução de mais esse movimento.

Contudo, a crise política no final do regime monárquico brasileiro reviveu o debate em torno da mudança da capital ainda no fim do século XIX, quando Campos demandou mais uma vez o título durante a década de 70 e, novamente, em 1893. Nesses dois momentos, mesmo com as constantes derrotas no desejo pela a capital, o apoio da Associação Comercial foi de suma importância em decorrência de sua estrita relação com essa recente conjunção de atividades citadinas. Todavia, esse espectro que circundou a planície parece não findar no século XIX, como pode-se observar no opúsculo “Campos capital” de Lamego Filho em novembro de 1930:

E pois em nome do passado, do presente e do futuro fluminense, que os grandes municípios do norte, sustentáculos do Estado do Rio de Janeiro, veem sob a chefia de Campos, Itaperuna e Padua – colossos expoliados da economia nacional – requerer a transferência de sua capital para a cidade de S.Salvador dos Campos dos Goytacás, afim de que, conflitantes nas suas fecundas administrações, possam estender as mesmas realizações pragmáticas, por todo o territorio estadual[ix]. 

            Tendo em vista o rastro discursivo em torno da capitalidade, a apropriação de Campos dos Goytacazes enquanto núcleo do circuito econômico e cultural, direciona o debate na compreensão da produção dos discursos por suas frações de classe que corroboraram com as narrativas desse espectro ainda no século XX. De acordo com Albuquerque (2008), um recorte histórico e espacial sobre uma região explica-se pelas práticas e discursos, sendo ela, portanto, “fruto dos saberes, dos discursos que a constituíram e que a sustentam”[x]. Guiado por esta identidade regional remanescente que demarcava a cidade, Lamego (1930) indaga a legitimidade de Niterói, então capital administrativa do Estado, por sua condição intensamente metropolitana não representar todo o espírito fluminense. Ele ainda enfatiza que é a região do norte fluminense a responsável por grande parte das receitas federais e estaduais, onde “em Campos se concentra a enorme produção dos municípios do norte e grande parte da dos limítrofes que os avizinham”[xi]. Em uma linha argumentativa bem semelhante, Godofredo Tinoco convoca, 37 anos depois, a mesma identidade que forjou a cidade sobre atributos beneméritos de capitalidade e representação estadual e nacional.

Se essa afirmativa constitui regra, o município de Campos, no Estado do Rio de Janeiro, constitui brilhante exceção. E constitui porque – revelam-nos recentes recenseamentos – é o município mais populoso do Brasil, porque tem nos seus 4.681 quilômetros quadrados, 350.000 habitantes: é, de acordo com as estatísticas, o município onde o brasileiro mais produz per capita. No entanto, é o município, talvez, mais brasileiro do Brasil, por isso que o elemento estrangeiro no seu meio – embora sempre bem recebido – é quase nulo. E, se procurassemos êsse número em 1918, o teríamos nulo, efetivamente, porque, àquela época, estavam ainda tôdas as usinas em mãos de campistas natos[xii].

            Como já mencionado, a constante formulação de epítetos de valor à cidade de Campos, está diretamente ligada ao projeto de enobrecimento e adequação da cidade a partir do padrão de modernização em voga. Mais esculpido do que nunca no século XX, esse projeto terá Tinoco como importante organizador e dirigente de suas demandas na cidade. 

É necessário sublinhar o impacto dos intelectuais – produtos e agentes da nova configuração social e política – no movimento de abolição da escravidão, na instituição da República, na expansão da produção industrial e agrícola e nas reformas urbanas. Eles eram os agentes responsáveis pela instituição de novas formas e espaços de sociabilidade. Sobretudo, através de seus escritos, eles participavam ativamente na concepção e na divulgação da cidade moderna que se buscava criar[xiii].

            Godofredo respondeu tanto ao projeto modernizador e identitário quanto aos anseios de uma reconfiguração republicana, ambas características que reverberaram na elite nilista de Campos. Da contribuição na criação da Campos moderna, com aparatos que se materializaram numa paisagem cosmopolita em meados do século XX, à participação nos movimentos políticos que abriram espaço à Segunda República brasileira, o intelectual denunciou esses atributos de sua intelectualidade de maneira um tanto quanto explícita em seus diversificados escritos públicos.          

            A sua filiação ao movimento que apoiava o conterrâneo Nilo Peçanha nos entraves republicanos, pode ser melhor apanhada em seu livro Nilo, o redivivo sob pseudônimo de Um Goitacá[xiv]. Nesse trabalho Godofredo demonstra o valor dado ao vulto nilista como um ato “deliberadamente partidário de um regime contrário à opressão e favorável à justiça”[xv]. É uma afirmativa que, aliás, está baseada na preocupação do próprio Godofredo com uma escrita da “História sob um aspecto puramente objetivo”, vista por ele como impossível de ser realizada e que, por isso, ele aparenta querer deixar claro de qual prisma filosófico parte a produção dessa biografia. Nesse sentido, afirma:

Não vamos mostrar, para exaltar, a vida de um poderoso, detentor de cornucópia das graças, das chaves do Tesouro – mas de um homem que nasceu pobre e que pobre perlustrou todos os cargos eletivos dêste país – desde a deputação federal até à Presidência da República, passando, de permeio, duas vezes pela Presidência do seu Estado natal e uma pelo Ministério do Exterior, numa época em que o orçamento dêsse ministério era limitado – e que legou ao jazigo do Cemitério de São João Batista um corpo consumido ao serviço da Pátria e à esposa a casa que recebera como presente de seus amigos.[xvi]

            O legado de Nilo Peçanha foi motor e atalho para a participação de parte da elite campista e fluminense na coisa pública em nível nacional, na qual Godofredo foi expoente. Esse legado associa-se sobretudo, ao espaço dado à região nas oportunidades políticas enquanto estadista, que poderia “mais uma vez, restaurar a economia, as finanças, a moralidade e a paz novamente desaparecidas das terras fluminenses”[xvii]. Sobre essa influência, Alves denomina:

[…] uma linhagem de lideranças políticas que permaneceram atuantes nos anos 1890-1930 e também no pós 30. Um grupo minoritário, uma elite política caracterizada pela homogeneidade fornecida pela socialização, ocupação e carreira política (CARVALHO, 1981), composto por comerciantes e fazendeiros, empresários locais, médicos, engenheiros, advogados e jornalistas. […]  Nomes como Luiz Chrysóstomo de Oliveira, Manuel Gesteira Passos, Benedito Gonçalves Pereira Nunes, João Guimarães, Cesar Tinoco, Godofredo Tinoco, Luiz Sobral, Ramiro Braga, Bruno de Azevedo, Alberto Lamego, Izimbardo Peixoto, João Barreto, Obertal Chaves, Cardoso de Melo, sendo vereadores, deputados estaduais, deputados federais, senadores, prefeitos. Tais indivíduos são a expressão da elite campista, constroem a carreira política em torno do nilismo[xviii].

No caso de Godofredo, a influência nilista ainda mais direta estava representada por seu irmão César Tinoco (1884 – 1960), importante aliado de Nilo desde quando era redator no Gazeta do Povo, jornal do Partido Republicano Fluminense.[xix] Levando isso em consideração, cabe ainda salientar que a participação de Godofredo na coisa pública está ligada, sobretudo, a uma  ampla herança da família Tinoco em Campos, esta que se acomodou em dois importantes veículos de representação elitista da cidade: a cana de açúcar[xx] e a imprensa[xxi]. Este último foi de grande valia para a rede intelectual de Godofredo e sua organicidade, principalmente se considerado que “toda a vida intelectual era dominada pela grande imprensa, que constituía a principal instância de produção cultural da época e que fornecia a maioria das gratificações e posições intelectuais”[xxii].

As especialidades que são atribuídas em seu trabalho intelectual serão, certamente, fator de maior circularidade das suas ideias. Embora formado em Direito pela Faculdade Livre de Direito do Rio de Janeiro, Godofredo integrou as áreas da literatura, história, jornalismo, economia, política e teatro em sua produção. Suas ações práticas serão mencionadas sempre que oportuno nestes trabalhos, principalmente no que refere-se ao movimento tenentista e seu seguimento em 1930, em que teve participação efetiva como articulador entre estados. Dessa forma, Godofredo evidenciou uma movimentação intelectual que se organizava não somente na prática discursiva, mas também na ação política coletiva.

Há de se notar que, o movimento de 30 contou com ampla participação de Campos em razão dos nilistas (partidários de Nilo Peçanha) terem simpatia ao tenentismo e apoiarem a Aliança Liberal. Figuras como Juarez Távora e o brigadeiro Eduardo Gomes tiveram o apoio dos adesistas do movimento, como César Tinoco, Dr. Cardoso de Melo, Godofredo Tinoco, Gilberto Siqueira, além do usineiro Francisco Ribeiro da Motta Vasconcellos – o Cel. Chico Motta. A participação do Godofredo Tinoco foi expressiva por suas ações. Tinoco juntou-se à “Coluna Gwyer”41 em Palmas (MG). A coluna invadiu o Norte Fluminense, dominando as cidades de Miracema, Pádua, Cambuci e S. Fidélis. Em Campos, os conflitos entre os defensores da revolução e os adeptos do governo foram intensos, uma vez que o prefeito em exercício, Luiz Sobral, apoiava Washington Luís. Jornais que se colocaram a favor do governo foram empastelados. O jornal O Dia de propriedade de Godofredo Tinoco é fechado e, ele mesmo foi detido, juntamente com o médico Cardoso de Mello, ambos foram remetidos ao Rio de Janeiro. A Associação Comercial logo aderiu ao movimento e os discursos inflamados expressavam o seu apoio[xxiii].

Em um de seus livros de título O Teatro em Campos 1735 – 1963, uma intervenção de característica particular atravessa o histórico do movimento teatral campista no ano de 1932. Godofredo explana em terceira pessoa sua participação contra a Revolução Constitucionalista, declarada pelos paulistas com fins a derrubar o governo provisório instaurado por Getúlio Vargas em 1930.

1932 só teve teatro no seu primeiro semestre, pois, a Revolução de São Paulo tumultuou de certo modo a vida social da cidade: – Godofredo Tinoco, depois de contacto pelo telefone com Eduardo Gomes, Cordeiro de Faria e Juarez Távora – seus companheiros de revolução de 1922 a 1930, depois de fazer um ‘meeting’ convocando os moços a defenderem e consolidarem a situação criada pelos revolucionários daquele período, embarcou no dia seguinte com um contingente de 384 voluntários campistas que se bateram bravamente desde o alto da Mantiqueira, até Espírito Santo do Pinhal, onde foram surpreendidos com a terminação da luta[xxiv].

Além de declarações informais em escritos de cunho outro que não político, Godofredo dedicou uma importante obra a esse conhecimento interno que teve na experiência entre os movimentos da década de 20 e 30. Seu reconhecido trabalho de 1931 Tempo bom… no setor leste, voltado à Revolução de 30 e seus pródromos, tem conteúdo dedicado à descrição e exame dos tratos internos em que fez parte. Em outro exame, mais curto e informal, com intuito de esclarecer algumas prerrogativas que atrelaram esse acontecimento político somente a morte de João Pessoa, o intelectual pontuou intimamente seu roteiro na coluna Gwyer dentre as condições pilares para o que culminou em 1930:

I – Tem sido repetido com alguma frequência que sem a morte de João Pessoa, não teria existido a Revolução de 30.

Não é exato, pois,  antes da morte de João Pessoa:

[…]

d) – fui feito agente de ligação entre o Nordeste e o Sul, levando instruções de Eduardo, Cordeiro e Tasso para o Rio Grande e para São Paulo, de todos êsses lugares trazendo palavras de ordem para Minas e Paraíba;

e) – da Paraíba, trouce instruções de Juarez para que oficiais prêsos no Rio de Janeiro – um dêles Asdrúbal de Azevedo – prêso no Regimento de Cavalaria, à Avenida Ivo – fugissem para determinados pontos.

A morte de João Pessoa teria sido, simplesmente, a gota d’água que fez transbordar o copo com antecedência de horas ou dias […][xxv].

Como movimento que decorre e se firma nas aspirações que procuram forjar uma nova identidade e consciência nacional ao país a partir de uma “republicanização da República”, encontrar os laços entre Godofredo e o direcionamento político do tenentismo mostra-se devido. Estes laços, em grande medida, dizem respeito a defesa da modernização e das reformas sociais, demandas proeminentes nas camadas médias urbanas, onde nelas também se encontra a situação institucional dos tenentes como membros do aparelho do Estado e que se pronunciavam em nome da coletividade nacional, numa alternativa democrática. Nesse quadro, a vinculação de Godofredo à Reação Republicana diz respeito, não somente à influência da candidatura de Nilo Peçanha em 1921, mas da contribuição geral das tensões regionais por suas oligarquias não vinculadas ao café. Assim, as dissidências oligárquicas “utilizam em sua luta pelo poder uma insatisfação militar de caráter corporativo, aguçada por uma grande coesão grupal”[xxvi]. A ênfase dos revolucionários nas reformas jurídico-políticas, como a ‘verdade de representação política’, ‘liberdade de imprensa e pensamento’ e ‘obrigatoriedade do ensino médio’ (etc.), confere a participação das demandas das camadas urbanas na base social do tenentismo, bem como está a par com as prerrogativas defendidas por Tinoco.

Os tenentes não se vêem como representantes de determinada categoria social, tentando impor à sociedade seus interesses específicos, mas falam em nome de interesses nacionais, supondo representar uma consciência nacional. Agora não falam mais, como em 1922, apenas em nome de uma corporação ofendida, mas se pronunciam em nome da coletividade nacional, propondo para ela uma sociedade verdadeiramente democrática[xxvii].

É nesse momento de estreitamentos dos personagens campistas com os dos demais estados em reação, que suscitou “um amplo debate sobre a importância de Campos no cenário fluminense, propiciando a retomada da idéia “Campos-capital”[xxviii], como já mencionado no documento de Lamego. As condições políticas que determinaram a desarticulação dos estados fora do eixo oligárquico dominante com o fim do domínio nilista,  determinou uma profunda “fragmentação política das elites políticas do estado do Rio de tal maneira que mesmo as facções identificadas com a revolução não tiveram condição de impor um elemento fluminense para a direção estadual ao longo dos anos 30.[xxix] A caráter da interferência do golpe na cidade, Lamego manifestou:

Mau grado as perspectivas da nova política, ensaiada pela Revolução, o povo fluminense nunca será livre emquanto lhe cair sobre a capital a sombra do palácio carioca. Qualquer arruaça, qualquer distúrbio, qualquer levante, na capital da República, reflecte-os immediatamente a nossa, em symetria fidelissima de espelho[xxx].

A condição geral do país no final da década de 20, a crise política, mais a crise econômica de 29, sufocou a agroindústria açucareira de Campos e região na década de 30. Diante dos prejuízos e reclamações dos produtores, o governo provisório de Vargas  ainda criou em 1933 o Instituto do Açúcar e do Álcool (IAA) “com o objetivo de desenvolver uma política nacional de planejamento, controle e fomento da produção de açúcar e álcool”[xxxi].  Essas reivindicações, em decorrência do tumulto gerado pela as novas condições políticas, marcaram o pós 30 produzindo um eco do anseio pela capitalidade e da busca pela ‘idade de ouro’, por meio de “um consenso político que lhe possibilitasse resgatar, no novo regime republicano, seu antigo status econômico e político”[xxxii].

Os anos 1930 representam assim um novo momento político- econômico para as elites de Campos no desdobramento do processo de remodelação urbana como projeto político. Dotar Campos de condições de sediar a capital do estado e, assim se constituir num importante centro da política fluminense era condição sine quo na nova conjugação de forças que se instituía no país com o governo de Getúlio Vargas e notadamente com a interventoria de Amaral Peixoto no governo do Estado do Rio de Janeiro, de 1937-45[xxxiii].

Embora não se possa afirmar Godofredo como agregado a esse manifesto pela capitalidade, é efetivo em suas ideias o compromisso que estabeleceu com as afirmativas e projetos que buscaram elevar a imagem moderna e ‘civilizada’ da cidade. Em uma de suas crônicas, enobrecerá alguns resultados desse projeto pela relação que a cidade ora cravava com a cultura em circulação na capital:

O simples fato de grandes pintores da França Nova, depois das mostras feitas nas maiores capitais dos nossos maiores Estados – Rio de Janeiro inclusive – lembrarem-se de Campos, já representa um inequívoco privilégio da nossa cultura. Vamos travar conhecimento com a cultura clássica através dos pincéis modernos, até o impressionismo tão discutido[xxxiv].

Quando Salo Brand, então prefeito de Campos (1942 – 1945) e parte da base corporativista estadual de Amaral Peixoto, decreta a posse do prédio pela Academia Campista de Letras, instituição na qual Godofredo estava presidente, o intelectual promove uma carta aberta de honra a tal ato. Nesse intuito, Tinoco fundamentou em linha humanística sua diligência na promoção da cultura na cidade, pontuando sua convicção na educação como agente primordial para a consciência da sociedade civil nas questões nacionais.

O mundo, desde a sua mais remota história, mostra não haver medicina de efeitos mais heróicos que a cultura, porque a inteligência e a educação sempre foram o mais alto de todos os valores, a fonte mais rica de todas as riquezas.

O ser humano já traz em si, indelével, indeclinável, a capacidade superior sentir, a faculdade –  que é privilégio seu – de admirar e gozar o belo. Urge, pois, cultivá-la, aperfeiçoá-la, aumentá-la, porque as leis do belo ajuntam a todos os gráus de fortuna. Essa aristocracia do espírito que o gosto pressupõe, assinalava Rui, não depende absolutamente da riqueza, mas da elevação das impressões, da nobilitação do sentimento, na inteligência que dignifica as necessidades mais habituais da nossa passagem pela Terra![xxxv]

Mais tarde, em 1957, foi nomeado dentro do movimento que deu cabo ao déficit da cidade em relação aos cursos superiores. Num levantamento concedido em entrevista e publicado no Monitor Campista de 18 de abril do mesmo ano, Godofredo exibiu os estatísticos que comprovavam que Campos “sofria uma sangria de 80 mil cruzeiros por dia – ou seja de 2 milhões e 400 mil cruzeiros por mês – com os estudantes que estudam no Rio de Janeiro, pelo fato de não haver em  Campos nenhum Curso Superior”[xxxvi]. Nessa causa, fundou e dirigiu os dois cursos inaugurados em 1958.

Já com os cursos superiores montados e prestes ao funcionamento, com as suas inscrições a serem abertas em 1º de janeiro funcionando os cursos de Direito e Filosofia, graças ao dinamismo inexcedível de Godofredo Tinoco, vimos chegar assim ao fim uma campanha árdua, dura, mas graças a Deus vitoriosa[xxxvii].

               A partir da segunda metade do século XX, a cidade já contava com uma ampla estrutura cultural e política. A política de cooptação promovida por Brand entre 1942 e 1945 beneficiou o norte fluminense com o fomento de atividades econômicas e vultosas obras de infraestrutura. Nesse contexto, esculpia-se a política urbanizadora do Estado Novo – formulado dentro do ‘Plano Agache’ proposto por Salo Brand – que estabeleceu o gosto, a atitude cosmopolita na paisagem e assim significou e organizou novos espaços de fortalecimento de redes políticas.

Com efeito, a cidade de Campos atinge a década de 1940 sendo portadora de uma imagem cosmopolita, usufruindo de equipamentos urbanos modernos, possuía 8 praças públicas, 134 ruas, 7.812 prédios entre residenciais e comerciais, 05 jornais diários (Folha do Comércio, A Gazeta, A Cidade, A Notícia, o Monitor Campista, sendo o terceiro mais antigo do país), a Associação de Imprensa, fundada em 17-06-1928, o Conservatório de Música, inaugurado em 1936, usufruía dos serviços de correio aéreo, desde 1937. Em 1939 é inaugurada a Livraria Acadêmica e nesse mesmo ano é fundada a Academia Campista de Letras por um grupo de intelectuais, como Nelson Pereira Rebel, Barbosa Guerra, Godofredo Tinoco, Gastão Machado, Mario Barroso, Silvio Fontoura, Izimbardo Peixoto, Alcides Maciel. […] A cidade afirma-se como capital intelectual- cultural do norte fluminense notadamente pelo intenso movimento teatral não só pela produção/encenação de peças de teatro e de revista, destacando-se Múcio da Paixão. […] O dinamismo cultural é marcante, é inaugurada a Rádio Cultura de Campos (11-11-1934) graças ao entusiasmo de um grupo formado por Amador Pinheiro da Silva, Alcides Carlos Maciel, engenheiro- eletricista Avelino Silva, Antonio Pereira Amares, organizadores da Sociedade Rádio Cultura de Campos[…][xxxviii]

Percebe-se, portanto, que Godofredo buscou nos movimentos ditos revolucionários do século XX aliar e defender seu projeto de modernização da cidade encaminhando projetos de construção de  aparatos de difusão de informação, conhecimento e cultura. Sua participação direta na criação e administração desses aparelhos assegura a afirmativa. O intelectual entendia o compromisso de sua função, e atrelava a ela o valor moral e ético da classe que representava e que acreditava dispor em suas ações políticas. Em uma carta de 1961 à Mário Ferraz Sampaio, – atuante nos primórdios da radiodifusão brasileira bem como na instalação da Rádio Cultura de Campos – PRF 7 – Godofredo alude esse princípio circunscrito em sua função:

Os homens da nossa geração têm que mostrar aos da geração que nos vai suceder que aquêles que se fazem profissionais da divulgação das idéias – pela tribuna escrita ou falada – devem ser verdadeiros sacerdotes de uma causa imediatamente representada pela sadia liberdade do pensamento – único clima compatível com a dignidade humana[xxxix].

Esse paradigma ideológico guiou a intelectualidade de Tinoco tanto na defesa do golpe de 30 quanto no de 64, nos quais fez questão de sempre sustentar a alcunha de ‘revolução’[xl], como declarado nas fontes apresentadas.  Trata-se da defesa do que melhor sustentava a classe intelectual nacional, mas principalmente a que ele pertencia em Campos. Dessa forma, o fator progressista em seu discurso atento ao republicanismo, contemplava tanto o polo de valor universalista – da assimilação desses novos princípios liberais em circulação – quanto, e sobretudo, o de valor nacionalista – que no Brasil correspondia, como detectava Gramsci, a uma conservação “dos interesses e da influência clerical e militarista”[xli], mas sobretudo guiada por um ‘civismo’, uma pedagogia de Estado que forjasse a identidade nacional. Em um discurso de Tinoco na Associação da Imprensa Campista (AIC) em 1943, pode-se observar uma melhor aglutinação desses valores com que ‘o cidadão cumpre devotamente os seus direitos de membros de uma sociedade política”[xlii]:

Auxiliar, pois, Meus Senhores, a feitura da “Casa do Jornalista”, é pugnar pela alma indômita da Vossa própria nacionalidade, amparando com o Vosso apoio, aquêles que nunca Vos faltaram, e que se deram em holocausto sem Vós, aos Vossos e Vossa Terra, defendendendo com denodo e com tanecidade, a Moral, o Direito, a Propriedade, a Cultura – em uma palavra: – a Civilização![xliii]

Sua atuação correspondeu a um padrão, de pelo menos primeiros 60 anos de República, em que as elites intelectuais brasileiras estabeleceram intervenção cívica e política particularmente efetiva,  no ímpeto de diagnosticar as mazelas nacionais e locais e no esforço de tornar concreto a demanda modernizadora, estabelecida a partir da adesão do republicanismo. No caso fluminense, o consenso que seus intelectuais buscaram organizar no começo do século XX, era sobretudo com fins na ruptura da política empregada pelo eixo dominante Minas – São Paulo. Entretanto, esse projeto em torno da hegemonia federal em disputa acomodou-se no mesmo plano de busca por uma constante qualificação e fortalecimento da cidade de Campos frente a região norte fluminense. Contrastava um embate intra-oligárquico que colocava em voga a interiorização da política fluminense ou a sua nacionalização como formas de melhor participação política da região. Contudo, como discutido por Ferreira, o conflito das frações da elite campista mostrou que, embora as tentativas pela capitalidade não tenham sido sucedidas, as iniciativas do grupo nilista em estabelecer uma rede de alianças no escopo do Distrito Federal e entre estados que viria a emergir na Reação, deu seus frutos na elevação da figura de Nilo e dos nomes que com ele se organizaram. Contudo, passado a derrota do movimento, pode-se dizer que o sucesso obtido diz respeito às trajetórias políticas individuais que ao longo do século continuaram articulando a imagem campista nas esferas em que tiveram espaço.

O passado de opulência da cidade de Campos, que permanecia em voga em ambos projetos de interiorização e nacionalização da política local, tratou da construção de um passado moldado em atributos de grandeza. Estes correspondem ao reconhecimento de uma época que se configurou no tempo, na realidade concreta que, embora nostálgica, e por isso exacerbada, não era mítica. Representava, sobretudo, a decadência da realidade presente que precisava ser expurgada frente à necessidade de acomodar a cidade nos padrões de modernidade e na disputa política regional e estadual na qual sua elite queria lugar.

            Conclui-se que nesse objetivo, Godofredo exerceu  papel de “enunciador e organizador de uma reforma intelectual e moral”[xliv] que armou campo para o desenvolvimento da vontade de sua classe em busca de uma forma superior de civilização moderna.  Deve-se, portanto, o reconhecimento desse aspecto de classe a fim de não deixar seus feitos fora dos interesses particulares do bloco histórico a que serviu enquanto elemento superestrutural.

* Taiany Felipe é bacharel em História pela Universidade Federal Fluminense – Instituto de ciências da sociedade e desenvolvimento regional / PUCG com permanência de vínculo cursando licenciatura. Exerce atualmente pesquisa de teor arquivístico e histórico sobre acervo artístico/político do intelectual Godofredo Tinoco na Casa de Cultura Villa Maria – UENF e compõe os grupos de pesquisa Officina de Estudos do Patrimônio (UENF), Laboratório de Estudos da Imanência e da Transcendência (UFF) e História das Direitas e do Autoritarismo (UFF) nas linhas Políticas Culturais, Patrimônio e Arte; Intelectuais, História Política e História Pública e História Política e Discursos, respectivamente.


[i] (CAMARGO, 2009, p. 36)

[ii] (DUARTE, 2018, p.13).

[iii] (SILVA, 2002)

[iv] (FARIA, 2008, p. 61)

[v]Segundo  Soffiati (1997), este gênero narrativo de valorização dos aspectos ambientais e culturais da região que será desenvolvido ao longo dos próximos séculos, parece encontrar suas bases nos relatos e memória do capitão Manoel Couto Reys no século XVIII.

[vi] Cabe salientar que, “o desejo de ser uma nova capital sinalizava a posição de destaque ocupada pelas lideranças do norte fluminense frente às decisões tomadas pelo executivo e legislativo provincial”. (CHRISÓSTOMO, 2011, p. 68).

[vii] (ibidem, p. 67)

[viii] (CHRISÓSTOMO, 2011, p. 76)

[ix] (LAMEGO, 1930, p. 18)

[x] (ALBUQUERQUE, 2008, p. 59)

[xi] (LAMEGO, 1930, p. 8)

[xii] (TINOCO, 1967, pp. 10 e 11)

[xiii] (CHRISÓSTOMO, 2011, p. 59)

[xiv] Pseudônimo que evoca uma identidade nacional firmada, neste momento, sobre o que seria de mais brasileiro. Portanto, atrelar o papel de seu povo originário, o Goitacá, na construção da identidade do campista, também mostra-se recorrente na literatura de auto enobrecimento regional e local.

[xv] (GOITACÁ, 1967, p. 131)

[xvi](GOITACÁ, 1967, p. 131)

[xvii] (ibidem p. 101)

[xviii] (ALVES, 2013, pp. 56-57)

[xix] Informações retiradas do verbete sobre o jornalista, encontrado na Fundação Getúlio Vargas, disponível em:

http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-biografico/cesar-nascentes-tinoco

[xx] (ibidem, p. 81)

[xxi] Em seus livros “Imprensa Fluminense” (1963) e “Grandezas e Misérias da imprensa campista” (1965), Godofredo apresenta os 127 anos que a família Tinoco ocupava na estirpe de jornalista do Estado.

[xxii] (MICELI, 2001, p. 17)

[xxiii] (ALVES, 2013, p. 91)

[xxiv] (TINOCO, 1963, p. 89)

[xxv] Exame da Revolução de 30 sem datação feito por Godofredo Tinoco e componente de seu acervo. Documento completo digitalizado e disponibilizado no site da CCVM.

[xxvi] (FORJAZ, 1978, p. 23)

[xxvii] (ibidem p. 27)

[xxviii] (ALVES, 2013, p. 92)

[xxix] (FERREIRA, 1994, p. 30)

[xxx] (LAMEGO, 1930, p. 4)

[xxxi] (ALVES, 2013, p. 96)

[xxxii] (FERREIRA, 1994, p.12)

[xxxiii] (ALVES, 2013, p. 93)

[xxxiv] (TINOCO, 1949, pp.45 – 46).

[xxxv] Retirada da carta aberta de Godofredo Tinoco, quando presidente da Academia Campista de Letras (1944 – 1983), à Salo Brand, em agradecimento pela instalação do prédio da ACI durante sua ocupação como prefeito (1942 – 1945). Disponível em seu acervo digital no site da CCVM.

[xxxvi] Monitor Campista, 18 de outubro de 1957. Acervo Godofredo Tinoco.

[xxxvii] Folha do Comércio, 24 de dezembro de 1957. Acervo Godofredo Tinoco.

[xxxviii] (ALVES, 2013, p.108)

[xxxix] (TINOCO, 1965, p. 90)

[xl] “Mas, nem tudo está perdido neste País; como tudo demonstra, continúa em marcha a Revolução de abril, Amaral Peixoto, o inventor da ‘Caixinha’ no Estado do Rio, já foi esvasiado pelo grande Presidente Castelo Branco; Juarez que tanto deve a Campos há de zelar por nós, também” (TINOCO, 1965, pp. 87-88).

[xli] Gramsci pontua essa especificidade da intelectualidade na América do Sul e Central onde “as cristalizações ainda hoje resistentes nesses países, são o clero e uma casta militar, duas categorias de intelectuais tradicionais fossilizadas segundo o modelo da mãe-pátria européia” (GRAMSCI, 1985, p. 21).

[xlii] (MACEDO, 2015, p. 96)

[xliii]  (TINOCO, 1965, pp. 54-55)

[xliv] (GRAMSCI, 2001b, p. 18)

Posts Relacionados

Deixar comentário