MULHERES POETIZAM

por Vanisse Simone

A Coluna Espaço do Leitor apresenta o E-book Mulheres Poetizam, organizado por Isabel Furini em 2020. Boa Leitura!

Isabel Furini, mora em Curitiba/PR. É poeta, escritora, educadora e palestrante. Foi colunista do Suplemento Viver Bem da Gazeta do Povo. É coeditora da  revista Carlos Zemek. Ministrou a oficina de Criação Literária no Solar do Rosário.  Seus poemas foram premiados no Brasil, Portugal e Espanha. Realizou Recitais de Poesia na 36a. Semana do SESC & XV Feira do livro de UFPR, Curitiba/PR,  e na Burlingame Public Library, na Califórnia, USA.

O convite da poeta

Ano passado recebi o convite para escrever o prólogo do e-book Melhores Poemas 2020. Confesso que fiquei surpresa com o convite feito pela querida poeta e jornalista Isabel Furini e naquela ocasião me perguntei se era mesmo a melhor pessoa para fazê-lo. Fiz! E foi um grande momento para a leitora que sou. Conheci ali poetas que não conhecia e isto deixou maior meu coração de poeta. Sempre me surpreendo ao me colocar diante da poesia. Sempre agradeço a certeza que tenho dessa força e delicadeza que a poesia imprime no mundo. Faço parte disto!

Este ano fui convidada para compor um novo e-book, Mulheres Poetizam. Outra surpresa! Agora estou não apenas como leitora, mas sou uma das poetas que compõem a obra. Sim, a menina maringaense que nasceu apaixonada pelas palavras e descobriu a poesia muito antes de saber ler agora está ao lado de grandes mulheres. E já lhe adianto que ao ler este livro percorrerá em passo conjunto com a artista completa Etel Frota em busca da airosidade poética do sutil, seus olhos irão brilhar diante da jovem poeta Jéssica Iancoski, ficará sem palavras ao caminhar entre gardênias e girassóis ao chegar diante da esfinge poética de Barbara Lia, mergulhará na delicadeza profunda de Maria Antonieta Gonzaga Teixeira, vai desejar ter muito mais dos versos fortes e libertos de Adriane Garcia e não sairá ileso da fecundidade entregue pelos poemas de Juliana Meira. São nestas páginas que encontrará a beleza confessa nas letras de Carla Ramos, a poesia minimalista e selvática de Anna Apolinaro. E semeamos o poético juntas com Elieder Corrêa da Silva, Devora Dante, Elciana Goedert, Jeovana P., Juliana Oliveira Nascimento, Marcela Gonzales,  Maria da Glória Colucci, Maria Teresa Marins Freire, Marilís de Assis, Marli Andrucho Boldori, Regina Bacellar, Rita Delamari, Sheina Lee, Solange Rosenmann, Sonia Andrea Mazza, Vanice Zimerman.

Não pense você que fazer poesia é coisa fácil. É palavra qualquer posta em plano envergado na brancura do sensível. Poesia é caminho sem volta, é um emaranhado de amor, dor, beleza que – para quem se entrega – não se respira um só dia sem tê-la. É a busca da perfeição no rosto da amada. É lida sem descanso. É bebida exata para as horas sem música.

E estamos aqui, todas nós expostas em plano poético. Visíveis em nossa mais íntima beleza. Únicas, cada uma em seu cabedal de palavras. Florada sem obedecer estação, daquelas mudas que nascem até na rachadura do asfalto. Aqui o respiro do mundano no melhor que se representa, a poesia.

Meu convite é este: aceite o delicado presente que foi concebido pela generosidade e olhar da poeta  verdadeira e admirável Isabel Furini e você terá seu dia inundado dos mais belos poemas. Existe coisa melhor?

(Por Flavia Quintanilha)

Capa do E-Book

Poemas e fragmentos de poemas das poetas que participam do e-book “Mulheres Poetizam”:

Paixão e anjo decaído (Adriane Garcia)

As labaredas sobem

Querem o céu

No baixo ventre

Queima esse inferno

De luz.

*

Poema sem título (Anna Apolinário)

Pássaros apalpam

A palavra pulmão

Sem pudor,

Lábios asfixiam

O voo.

*

outono (Barbara Lia)

folha de plátano

baila ao sol

acha crepitante

desaba no solo triste

epitáfio da folha:

não desapareço

feito espuma nas ondas

regenero o solo

com ternura feroz

para colorir azaleias

gardênias e girassóis

*

Renasço em Essência (Carla Ramos)

Minha alma nasce

Mas, grita em silêncio

Há em mim, ainda, muito barulho

Que me impede de ouvir

O Volume do Silêncio (…)

*

Expectativa (Elciana Goedert – Ciça)

(…) Ansiosa, espero a alvorada

Pois sei que virás, afinal

Depois d’uma noite enluarada

“Tu vens, eu já escuto teu sinal…”

Coração feliz, em disparada

Não tira os olhos do quintal.

*

Realidade (Elieder Corrêa da Silva)

(…) Com passos leves enfrentei

o proposto pela vida.

Fiz semeaduras no passado,

floriu vida e com ela,

espinhos e cardos,

e também nasceram flores.

Hoje, colho frutos sagrados.

*

Trágico (para Abílio – Etel Frota)

lavra o árido

cala o ávido

anacrônico

verte o cálido

fala o óbvio

pentatônico

lega o ótimo

vai, num átimo

cessa, anônimo

*

notas envelhecidas (Flavia Quintanilha)

pela tarde sem brisa e luz

as palavras não encontram

plano na nota pianíssima

da canção que busco em seus lábios

mas sou só

sustenido

no que não expresso

pela pele

sua pele

que toquei

na mais dolorosa delicadeza

*

Antonela (Isabel Furini)

passou a habitar as cavernas do tédio

e das lembranças

as lembranças devoraram as distâncias

e permaneceram ancoradas

(caoticamente)

no quarto de um fantasma

Antonela analisou as memórias

de sua mente e compreendeu

que o fantasma era ela.

*

Silepses (Para Nicola Otávio – Jéssica Iancoski)

(…) O Incutido,

Incurso

Indiscutível.

A omissão pressupõem-lhes

O erro.

Errante persisto

Não com,

Mas preso no     sss silêncio

Das minhas    sss silepses.

*

Dor de poeta (Jeovania P.)

(…) É uma dor de viver intensamente

de está aí no mundo

pronto para a chuva

para o sol

para pular de paraquedas

e dançar a noite inteira

feito tapa que se leva na cara

que vai e volta

*

Poema sem título 3 (Juliana Meira)

quando vierem virar meu rosto

              dedos de ampere

estarei entre outros dentro de mim

moendo vida feito os miúdos de um bicho

por isso tragam silêncio e fome

*

Entusiasta (Juliana Oliveira Nascimento)

Entusiasta da Vida

Se tu tens um sonho,

Insista, persista!

Sejas pleno, inteligente, racional

e realista.

Não desistas e sejas mais que otimista…

Sejas entusiasta da tua vida!

*

Tempo (Maria Antonieta Gonzaga Teixeira)

Tempo

que não dá tempo

Sobra tempo

Espera o tempo.

O tempo rabisca o ensaio

escreve a história.

O tempo ensina

se der tempo. (…)

*

Iguais (Maria da Glória Colucci)

Fluem suaves, sutis em desalento,

Nas leves hastes dos cataventos,

Nas trêmulas dobras da memória

Nas vagas luzes da história…

Sem volta; sem licença viajam:

 – Tempo e vento. Vento e tempo.

Iguais em tudo! Velozes passam!

*

Rever (Maria Tereza Marins Freire)

O olhar surpreso

Acompanha o passo

Que no compasso

Da música ecoando no espaço

Se faz e refaz

Volteia e se retrai (…)

*

Vale das Águas (Marílis de Assis)

(…) A flor colorida

Palavras que dançam ao vento

Amores que suspiram em vigorosos ais

Solidão sem fim,

Temperança

Teu rosto, bonita lembrança

Desenho inacabado

Vale das águas

Homem alado

*

Metamorfose (Marli Andrucho Boldori)

Mulher é a palavra dita

desenhada

escrita grafada

decifrada ou guardada

a sete chaves. (…)

*

O Palhaço (Regina Bacellar)

Vive para brincar,

brinca para viver.

Ri, chora, grita,

desabafa  problemas,

descarrega emoções.

No palco, são rostos,

utopias, vidas a representar.

Na vida, é um só

a se angustiar. (…)

*

Mulheres da Vitória (Rita Delamari)

Sob o escudo de luz,

Cavalga sobre as colinas

E contempla a beleza

Da aurora boreal…

Defensora das tradições.

A paz como escolha! (…)

*

Que procura é esta? (Solange Chemin Rosenmann)

(…) Quero-te em mim.

Vens, habita-me em calmaria,

Mesmo trazendo tua ventania,

Deixes a maré brilhante,

Em pôr de sol, mirar-se n’água,

Narciso de ti, vem habitar-me.

Quero-te em mim, estando em ti.

*

Haicai (Vanice Zimerman)

brisa de verão –

aroma de aquarela

desliza no Canson

POEMAS EN ESPAÑOL

Árbol # 1 (Dévora Dantes)

La sombra que me albergo

su suave olor a naranja.

Atrapada mi niñez en cada

una de sus ramas. (…)

*

Anhelo (Marcela González)

Llevo guardadas las cartas que me diste.

Siento el aroma de las flores que traías.

Tengo el recuerdo de tus caricias.

Hasta cuándo?

Cuándo será el momento de reencontrarnos?

Por qué te marchaste antes dejándome muerta en vida?

Sé que pronto partiré.

Espera.

*

Camino a la igualdad (Sheina Lee)

La luna late con fuerza,

enciende la oscuridad,

aplaude las diferencias,

y con fervor la igualdad,

mujeres con gran firmeza,

hombres buscando la paz,

vistiéndose de promesas,

llevando a la libertad (…)

*

Corazón torturado (Sonia Andrea Mazza)

Cuando ya ni recuerdes a tu primer amado

y tu último enamorado se haya ido

Has de entender al despertar

que el amor es un sueño que se esfuma

Por calles desgastadas de rutinas

infestadas de parvadas de palabras muertas,

Observada por pérfidas miradas, (…)

Posts Relacionados

3 comentários

Isabel Furini 28/04/2021 - 10:36 AM

Muito obrigada pela publicação. As poetas participantes do e-book “Mulheres Poetizam”, sentem-se honradas.

Responder
Vanice Zimerman 28/04/2021 - 11:55 AM

Linda publicação, parabéns pela Revista! É especial ler os poemas do E- book, muito obrigada, abraços, Vanice Zimerman.

Responder
Afonso Guerra-Baião 29/04/2021 - 10:24 AM

Além de poeta, Isabel Furini é uma incansável divulgadora e incentivadora do fazer poético. Bela e merecida homenagem que a ContemporArtes, através da coluna de Vanisse Simone, lhe presta.

Responder

Leave a Reply to Isabel Furini Cancelar resposta