chrysália

por Lucca Tartaglia
Ensaios, crítica, crônicas e resenhas.

4.

por dentro
uma gota em luz bota o centro a espelho

um rouxinol parado canta dia de sol
inundado de sol e tanta coisa se alumia

tanta

que levanta ausente vazia muda
a sonora tuba que silente    
calada              austera

canta  

dia de sol inundado de sol

e uma tarde ao lado espera em chrysália
e o tempo em torno
velho e morno
e velho

um farol de clareza tão clara
um farol que não para e clareia tudo em volta

continuamente solta um feixe sem borda

como um dia de sol gravado no ar
uma corda um nó uma gota
agulha ou areia

um dia sem lugar
sem par               de luz cheia

um dia de sol inundado de sol

6.

vê-nos
aqui no lugar
                         ao pé do areal
a fera que muge a recuar ferida
e nada  
             ninguém  
                            só água e sal
a compor o vitral
da catedral

engolida

Posts Relacionados

Deixar comentário