O caos

por Larissa Germano

O caos visita-nos. Só março, e já tantos acontecimentos tristes, este ano. Hoje, por coincidência, um incidente, de gravidade sem conta, ocorrido dentro de uma escola. Contra jovens. Por jovens. Com armas.

Brigamos (a maioria de nós) pelo direito de portar armas.

Mas sem acesso a armas, como teria êxito um projeto maléfico desses?

Seguimos imitando o primo rico, mas com que precariedade! Só o que ele tem de pior.

Tenho pena das crianças. Está complicado para elas. Para as bem-sucedidas, para as menos beneficiadas também. Porque as relações estão estranhas, sem tempo. Os eletrônicos substituindo as conversas, as leituras, até mesmo as escolas.

Entre elas também há espaço para muita crueldade sem supervisão. Endossada pela negligência dos adultos.

O que mais amedronta é o discurso que vem de cima, o discurso que ganhou as eleições, a favor de armas, propalando impropérios contra minorias, desinteressado do bem geral.

Porque pode ter consequências trágicas, como um aval para praticantes de atrocidades, e psicopatas sociais.

Não sei mais o que dizer a respeito agora.

É muita irresponsabilidade!

Lamento pelos vulneráveis, que caminhavam para uma situação de conforto, e agora estão apavorados com o que possa lhes acontecer.

Pelos demais também, co-irresponsáveis que sujam suas mãos ao bradar a favor de posturas de ódio, ainda que estejam se deixando manipular por fake News, panfletagem virtual e apego a radicalismos, que parecem solucionar problemas, mas apenas os agrava.

Espero, mas não muito confiante, que notícias como essas não se naturalizem.  Que debaixo do manto de aprovação de pessoas de baixa instrução e coração de lata, não se instale o caos completo neste país.

 

Posts Relacionados

1 comentário

Rinaldo Saracco 13/03/2019 - 10:03 PM

Como dizia Hilda Hilst nas suas crônicas: “homo sapiens?”. Como podemos ser sábios diante de tanta crueldade? Somos bestas. Homo bestiales melhor nos designa.

Responder

Deixar comentário