Mitologia e Sexualidade

A lenda do Boto Cor de Rosa

Olá pessoal, hoje compartilharei um material que venho construindo ao longo de dois bimestre na escola que leciono Filosofia e Sociologia, E. E. Professor Nelson Pizzotti Mendes localizada em uma área de  grande vulnerabilidade social e alto índice de natalidade.

A temática envolve a Educação em Sexualidade e a cultura brasileira, para tanto, o objetivo geral foi o de ampliar o debate sobre a Sexualidade e a Mitologia com discentes do Ensino Médio e difundir de maneira lúdica, artística e educativa esses aprendizados para outra unidade escolar de Educação Infantil. 

Ao pesquisar um pouco sobre a diversidade cultural brasileira, notei que a lenda do boto amazônico possibilita trabalhar assuntos relacionados a sexualidade, como infecções sexualmente transmissíveis, prevenções, gravidez na adolescência e violência contra a mulher.

As aulas se deram da seguinte maneira:

Aula/Encontro nº 1 – O mito e a filosofia antiga
Duração: 1 hora/aula
Objetivos: Entender o que é o mito e reconhecer a diversidade cultural

Aula/Encontro nº 2 – Sexualidade, Estereótipos e a Lenda do Boto
Duração: 2 horas/aulas
Objetivos: Refletir e problematizar os estereótipos, os papeis sociais e a gravidez na adolescência.

Aula/Encontro nº 3 – Produção teatral: a Lenda do Boto
Duração: 2 horas/aulas
Objetivos: Desenvolver habilidades de criação, organização e expressão corporal e oral.

Aula/Encontro nº 4 – Produção teatral e musical
Duração: 6 horas/aulas
Objetivos: Desenvolver habilidades expressão artística, corporal e oral.

Os resultados alcançados até então foram:

¤ Análise da mito e reflexão sobre o cotidiano das/dos adolescentes em todas as salas do 1º ano E.M.

¤ Turma do 1º A: Criação do roteiro e cenário; Divisão das tarefas: cenário, atuação, narração e música.

¤ Parceria entre Creche Municipal e Escola Estadual.

¤ Criação, produção e apresentação teatral e musical.

¤ Elaboração de poesia, contos e músicas com as temáticas: sexualidade, paternidade e responsabilidade.

A partir do diálogo e leitura de suas produções percebo o quanto aflorou a vontade de estarem na escola, de produzirem algo com cuidado e da consciência crítica ao relacionarem o mito amazônico ao seu cotidiano.

Bibliografia

AGUIAR, Neuma. Patriarcado, Sociedade e Patrimonialismo. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v15n2/v15n2a06.pdf Acesso em 09/2017

GARANHUNS, Valdeck de. Mitos e lendas brasileiras: em prosa e verso. São Paulo: Ed. Moderna, 2007.

GUEDES, Nubia; MELO, Elinay. Não foi o boto sinhá: a violência contra a mulher. Revista Justificando, Disponível em: http://justificando.cartacapital.com.br/2017/02/01/nao-foi-boto-sinha-violencia-contra-mulher-ribeirinha/ Acesso em 06/2017.

SALIS, Viktor. A mitologia Viva: Aprendendo com os deus a arte de viver e amar. São Paulo. Ed. Nova Alexandria, 2003.

VAZ, Sonia Regina Lunardon. A lenda da Iara e do Boto: Reflexões sobre o transtorno de personalidade boderline. Disponível em: http://www.bonde.com.br/colunistas/mitos-e-sonhos/a-lenda-da-iara-e-do-boto-rosa-reflexoes-sobre-o-transtorno-de-personalidade-borderline-309379.html Acesso em 08/2017

Autoconhecimento e Poesia

Há Poemas que são Mundos, e pequenos versos que dizem Tudo…

Dentro do Caos e da desordem há Poetas

Só observando, mudos…

 

Quando leio ou ouço poesias, particularmente me volto ao que existe de único em cada uma delas. Digo isso porque, sempre vejo nos poemas dos outros e nos próprios, elementos que carregam as identidades dos autores, e estas são as marcas muitas vezes sutis que nos levam ao mundo interior de cada poeta.

A poesia, para mim, nasceu como um rio que transbordou por não suportar mais o grande volume de sentimentos, emoções e pensamentos acumulados ao longo da Vida. Ela nasceu violenta, autocrítica das ações e atitudes tomadas até então, e avançou revoltosa, cheia de fúria e de mágoas, buscando além da expansão, o alívio, a serenidade e a compreensão dos trajetos que a Vida estava seguindo, questionando os sentidos, as explicações dos fatos, e principalmente a si mesma.

A PoesiaVida desejava estender-se e entender-se como jamais havia tentado. Era um processo de reflexão sobre si e sobre o mundo, sobre as relações entre os “dois”, sobre seus conflitos. Um processo de destruição e também criação de si, sendo sua auto cura, porque o mundo de antes já não lhe servia mais. E assim a Poesia se desvelava, mostrava-se nua em frente ao espelho e, então, desejava saber o que era este mesmo espelho…

Desta forma se iniciou minha relação com a escrita poética, e posteriormente com a Filosofia. A busca por se entender e autoconhecer se utilizava da caneta e do papel, e assim, o que se via poeticamente dentro e fora de si, se expressava, se materializava.

A Poesia, desde então, mostrou-me muitas vezes quem fui e quem sou. Ela também foi capaz de revelar o que desejo Ser e o que posso me tornar. A Poesia é, portanto, eu mesmo. Ela também é você quando a escreve, quando a lê e relê. Ela tem esse poder de ser ao menos um pouco de nós, mas por vezes ela é o Todo, ela É, como já disse em outra ocasião, a própria Vida.

Para finalizar, duas poesias que foram escritas nesta busca:

Demora

Seja o medo, medo ele
O medo possa amedrontar
E na sombra, própria sombra
Uma trilha possa achar

A distância das ideias
Deixa o Sol engrandecer
Enquanto as sombras se desfazem
Para tudo conhecer

E conheceste o futuro
Nunca mais há de esquecer
De uma vida tão real
Que demora pra nascer

Seja mundo, mundo fértil
E não tema o sofrer
Pela hora da verdade
O que quer é ser você!

Zero Igual a Um