RELAÇÃO ENTRE AS CONDIÇÕES DE TRABALHO NAS ESCOLAS E A SAÚDE DO PROFESSOR

ELZA LEÃO OLSEN ALVES

VANISSE SIMONE ALVES CORRÊA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ – UNESPAR

 

Introdução

Em decorrência de muitas horas de trabalho e do aumento da violência dentro da escola, os professores e agentes educacionais têm sua saúde física e mental ameaçada.  A causa maior da fadiga que está classificada na “má condição de trabalho” se dá pela intensificação e excesso de trabalho, pela necessidade e exigência de trabalhar mais, em menos tempo e sem recursos. A falta de instrumentos pedagógicos, o baixo rendimento e indisciplina dos alunos, o baixo salário, somado com o trabalho que leva para casa, põe a profissão de educador em situação delicada. É indispensável repensar o trabalho docente.

Metodologia

A pesquisa está no início, trata-se de um Trabalho de Conclusão de Curso de Pedagogia. Está embasada em  autores que pesquisam a temática. Além disso, serão realizadas entrevistas com profissionais da educação de das escolas municipais da cidade de Paranaguá. Também serão buscados os dados sobre afastamento dos docentes junto ao RH do município.

https://antonioroque.blogs.sapo.pt/277170.html

 

Resultados

A pesquisa ainda se encontra no início, porém, é possível afirmar, pelas leituras realizadas, que a cada dia aumentam o número de casos de afastamento dos docentes por motivos de saúde e estresse. Entre os motivos de afastamento está o aumento da violência, da carga horária e as condições de trabalho 

Considerações Finais

Somente colocando em prática uma nova reforma educacional que vise uma nova gestão, formas de avaliação, mecanismos contra a violência, e distribuição de trabalho com instrumentos para a sua execução, e principalmente a valorização do professor é que poderíamos recuperar a ideia teórica de escola que consiste em buscar excelência na aplicação do ensino, formar cidadãos conscientes e capazes de conviver em sociedade. Valorizando assim a transmissão do conhecimento que é feito pelo professor.

 

Referências

Jornal Brasileiro de Psiquiatria. Vol 58. Qualidade de vida dos professores: uma perspectiva para a promoção da saúde do trabalhador. 2008

LIMA, Erike Joely, Docência e a depressão: fatores predominantes no processo. 2009

Revista educação em questão. As condições de trabalho docente na educação infantil. 2013

https://antonioroque.blogs.sapo.pt/277170.html

 

 

 

TAUÁ – ARTE INDÍGENA NAS ESCOLAS

“A habilidade das mãos e a ocupação com o artesanato preparam no homem a vontade de se dedicar ao seu intelecto. Aquele que desenvolve habilidades nas mãos também
desenvolve ideias e pensamentos flexíveis.” (Rudolf Steiner)

 

No mês em que se comemora o Dia do Índio, alunos do Ensino Fundamental (1ª a 4ª série), de cerca de 10 escolas municipais de Curitiba, serão beneficiados com uma atividade pouco convencional: oficinas de cerâmica indígena. O projeto chama-se Tauá – A Arte Indígena da Cerâmica e irá atingir com 60 oficinas mais de 2 mil crianças até julho deste ano. Tauá significa argila em Tupi Guarani e a iniciativa, além de promover o exercício e a valorização do trabalho artesanal, visa também à preservação da cultura ancestral indígena.

O entusiasta desta ideia e criador do projeto é o artesão, arte educador e músico Fabio Mazzon, que desde 2004 produz peças de cerâmica a partir de pesquisas de técnicas ancestrais de modelagem e decoração utilizadas por povos originais e indígenas brasileiros. “O objetivo é oferecer uma vivência criativa, educativa e produtiva. O contato com a argila, com os trabalhos manuais, artesanais, trazem inúmeros benefícios ao desenvolvimento humano e em especial às crianças”, explica.

Fabio também ressalta que o projeto cria oportunidade para que as crianças tornem-se criadores de seus próprios meios de expressão. “Estamos em uma época em que o fazer está distante da realidade das crianças, hoje elas encontram tudo pronto, basta consumir. A possibilidade de confeccionar algo com as próprias mãos é extremamente saudável e fundamental para seu desenvolvimento humano”, pontua.

Além de Mazzon, outro ministrante da oficina é o artesão e pedagogo Pietro Rosa que há anos desenvolve trabalhos com crianças, inclusive com necessidades especiais. Na opinião de Rosa: “Esse tipo de atividade não só estimula a valorização das artes manuais, mas também a criatividade, a socialização, além do desenvolvimento do conhecimento cognitivo e da psicomotricidade”, declara.  As oficinas acontecerão nas escolas, a técnica utilizada será o acordelado e a peça produzida será levada para casa pelo próprio aluno.

O formato da oficina será sempre o mesmo em todas as escolas: primeiro os alunos serão recepcionados ao som de tambores de cerâmica e de outros instrumentos artesanais de referências ancestrais, feitos de madeira, semente e de fibra natural. Após, serão introduzidos ao tema a partir de histórias e mitos sobre o barro e a argila. Na sequência está programado um bate papo sobre a utilização da cerâmica em nossas vidas desde tempos remotos até hoje. A ação inclui também uma exposição de peças de cerâmica indígenas. Cada oficina terá a duração de 1 hora e 40 minutos.

Os educadores também serão beneficiados com duas oficinas onde terão atividades práticas de manipulação da argila a fim de desenvolver sensibilidade, concentração, paciência, imaginação, criatividade e psicomotricidade e atividades teóricas focadas no conhecimento histórico e cultural do trabalho artesanal, bem como a utilização e importância da argila.

A Cerâmica no Brasil

No Brasil, a cerâmica tem seus primórdios registrados na Ilha de Marajó, no Pará. A cerâmica marajoara tem sua origem na avançada cultura indígena que floresceu na Ilha. Estudos arqueológicos, contudo, indicam a presença de uma cerâmica mais simples, que ocorreu ainda na região amazônica por volta de 5.000 anos atrás.

A confecção de artefatos em argila é um aspecto presente na maioria das comunidades indígenas brasileiras. Em algumas comunidades a cerâmica é lisa, exclusivamente utilitária, em outras, além de utilitárias, encontram-se peças decorativas nas quais sobressaltam a beleza e variedade das formas, grafismos e pinturas, como é o caso das cerâmicas Marajoara, Tapajônica, Kadiwéu e Asurini. Onde for, a cerâmica mostra-se imbuída de cultura e extremo valor, acompanhando a história e o desenvolvimento da raça humana.

Este projeto foi viabilizado por meio da LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA e FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA e conta com o incentivo do Shopping Muller.

FOTOS: Guilherme Pupo e Vinícius Mazzon.

CONTATOS:

Produção
Vinícius Mazzon
41 99622 2829
viniciusmazzon@gmail.com

Assessoria de Imprensa
Glaucia Domingos
41 99909 7837
glauciadomingos@hotmail.com

 

 

Mitologia e Sexualidade

A lenda do Boto Cor de Rosa

Olá pessoal, hoje compartilharei um material que venho construindo ao longo de dois bimestre na escola que leciono Filosofia e Sociologia, E. E. Professor Nelson Pizzotti Mendes localizada em uma área de  grande vulnerabilidade social e alto índice de natalidade.

A temática envolve a Educação em Sexualidade e a cultura brasileira, para tanto, o objetivo geral foi o de ampliar o debate sobre a Sexualidade e a Mitologia com discentes do Ensino Médio e difundir de maneira lúdica, artística e educativa esses aprendizados para outra unidade escolar de Educação Infantil. 

Ao pesquisar um pouco sobre a diversidade cultural brasileira, notei que a lenda do boto amazônico possibilita trabalhar assuntos relacionados a sexualidade, como infecções sexualmente transmissíveis, prevenções, gravidez na adolescência e violência contra a mulher.

As aulas se deram da seguinte maneira:

Aula/Encontro nº 1 – O mito e a filosofia antiga
Duração: 1 hora/aula
Objetivos: Entender o que é o mito e reconhecer a diversidade cultural

Aula/Encontro nº 2 – Sexualidade, Estereótipos e a Lenda do Boto
Duração: 2 horas/aulas
Objetivos: Refletir e problematizar os estereótipos, os papeis sociais e a gravidez na adolescência.

Aula/Encontro nº 3 – Produção teatral: a Lenda do Boto
Duração: 2 horas/aulas
Objetivos: Desenvolver habilidades de criação, organização e expressão corporal e oral.

Aula/Encontro nº 4 – Produção teatral e musical
Duração: 6 horas/aulas
Objetivos: Desenvolver habilidades expressão artística, corporal e oral.

Os resultados alcançados até então foram:

¤ Análise da mito e reflexão sobre o cotidiano das/dos adolescentes em todas as salas do 1º ano E.M.

¤ Turma do 1º A: Criação do roteiro e cenário; Divisão das tarefas: cenário, atuação, narração e música.

¤ Parceria entre Creche Municipal e Escola Estadual.

¤ Criação, produção e apresentação teatral e musical.

¤ Elaboração de poesia, contos e músicas com as temáticas: sexualidade, paternidade e responsabilidade.

A partir do diálogo e leitura de suas produções percebo o quanto aflorou a vontade de estarem na escola, de produzirem algo com cuidado e da consciência crítica ao relacionarem o mito amazônico ao seu cotidiano.

Bibliografia

AGUIAR, Neuma. Patriarcado, Sociedade e Patrimonialismo. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v15n2/v15n2a06.pdf Acesso em 09/2017

GARANHUNS, Valdeck de. Mitos e lendas brasileiras: em prosa e verso. São Paulo: Ed. Moderna, 2007.

GUEDES, Nubia; MELO, Elinay. Não foi o boto sinhá: a violência contra a mulher. Revista Justificando, Disponível em: http://justificando.cartacapital.com.br/2017/02/01/nao-foi-boto-sinha-violencia-contra-mulher-ribeirinha/ Acesso em 06/2017.

SALIS, Viktor. A mitologia Viva: Aprendendo com os deus a arte de viver e amar. São Paulo. Ed. Nova Alexandria, 2003.

VAZ, Sonia Regina Lunardon. A lenda da Iara e do Boto: Reflexões sobre o transtorno de personalidade boderline. Disponível em: http://www.bonde.com.br/colunistas/mitos-e-sonhos/a-lenda-da-iara-e-do-boto-rosa-reflexoes-sobre-o-transtorno-de-personalidade-borderline-309379.html Acesso em 08/2017