Ex-Contemporartistas

Coluna Um Salto para o futuro de hoje

Raphael Fonseca é crítico e historiador da arte. Doutorando em História e Crítica da Arte pela UERJ. Bacharel em História da Arte pela UERJ, com mestrado na mesma área pela UNICAMP. Professor de Artes Visuais no Colégio Pedro II (RJ). Curador de mostras e festivais de cinema como “Commedia all’italiana” (Caixa Cultural de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, 2011) e “Cinema pós-iugoslavo” (Caixa Cultural de São Paulo, 2012). Membro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (ANPAP) e da Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA).

Participação: Agosto de 2011 a Julho de 2012.

Fernanda Lopes Torres, historiadora da arte, graduada pela ESDI (Escola Superior de Desenho Industrial) da UERJ, mestre e doutora em História pela PUC-Rio, pesquisadora de arte da Multirio (Empresa Municipal de Multimeios) escreve às quintas-feiras quinzenalmente no ContemporARTES.

 

 

Coluna Poesia Comovida

Renato Dering é escritor, mestre em Letras (Estudos Literários) pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), sendo graduado também em Letras (Português) pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Realizou estágio como roteirista na TV UFG e em seu Trabalho de Conclusão de Curso, desenvolveu pesquisa acerca da contística brasileira e roteirização fílmica. Atualmente também pesquisa a Literatura e Cultura de massa. É idealizador e administrador do site EFFI, que divulga o cinema e conteúdos audiovisuais. twitter;com/rdering

Participação: Novembro de 2011 a Dezembro de 2013.

 

Altair de Oliveira, poeta, nasceu em Panorama-SP em 1961. Foi criado no noroeste paranaense (Xambrê) onde estudou, escreveu seus primeiros versos e trabalhou na lavoura até os 17 anos. Em seguida, mudou-se para o centro-oeste onde permaneceu por 10 anos (Dourados e Campo Grande, Cuiabá, Goiânia e Brasília). Fez suas primeiras publicações, (Fases, 1982 e Curtaversagem ou Vice-Versos, 1988) e freqüentou o curso de direito até o sétimo semestre. Em 1988 mudou-se para Curitiba-PR, onde mora e trabalha como técnico em telecomunicações. Morou em várias cidades do Brasil e também no exterior (Alemanha, Venezuela, EUA e Nicarágua, Bolívia). Publicou seu terceiro livro de poemas O Embebedário Diverso em 1996, com uma segunda tiragem em 2003. Escreveu alguns contos esparsos e resenhas literárias, publicados em antologias e diversos jornais do país. O lento alento, com mais de mil exemplares vendidos, é o quarto livro de poemas do autor e reúne seus escritos de 1996 a 2008.

Participação: Fevereiro de 2010 a Outubro de 2011.

Coluna Tuítes e Bits

Ana Paula Nunes é jornalista, graduada pela Universidade Federal de Viçosa-MG. Cursou pós-graduação lato sensu pela USP em Mídia, Informação e Cultura. Em sua formação teve ênfase para a área radiofônica onde elaborou seu Trabalho de Conclusão de Curso, o radiodocumentário “Sintonia do Silêncio” que contemplou um estudo sobre duas rádios da capital mineira na época do Regime Militar. Além disso, obteve destaque nacional ao vencer o XVI Pesquisa Experimental em Comunicação Nacional (EXPOCOM) com o radiojornal temático ”De Mala e Cuia” sobre a chegada da família real portuguesa ao Brasil.

Participação: Janeiro de 2009 a Janeiro de 2014.

Coluna Escritos Contemporâneos

Mariana Zenaro é graduada e licenciada em História pelo Centro Universitário Fundação Santo André e bacharel em Comunicação Social, com ênfase em Jornalismo, pela Universidade Metodista de São Paulo. Tem Pós-Graduação, MBA em Bens Culturais: Cultura, Economia e Gestão, pela Fundação Getúlio Vargas. Frequentou os cursos livres de História da Arte na Escola do Museu de Arte de São Paulo (MASP) por dois anos e meio. Trabalhou em Museus, Arquivos e Instituições Culturais. Foi voluntária no Centro de Documentação e Biblioteca do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Dá cursos e palestras sobre história da arte em fundações, centros culturais.

Participação: Junho de 2012 a abril de 2013. Atualmente assina a coluna Artefato.

Augusto Lopes Ferreira é historiador pelo Centro Universitário Fundação Santo André – CUFSA. Atuou como professor de História na rede estadual e privada. posteriormente migrou para Saúde mental, tendo atuado em República Terapêutica Infanto Juvenil e atualmente no Programa De Braços Abertos. Amante das musicalidades, estuda e treina percussão, violão e os ouvidos.

Participação: Janeiro de 2017 a dezembro de 2017.

                                                                     

                                                                       Coluna Planetário

Adriano Almeida é pesquisador na área de cultura, imaginário e simbologia do espaço. Mineiro, tem se dedicado a escrever poemas, crônicas e contos. Seus escritos, de caráter introspectivo, retratam as incertezas, os conflitos, a melancolia e os encantos da existencialidade humana.

Participação: Junho de 2013 a dezembro de 2013.

 

 

Miriam Adelman é socióloga, de nacionalidade norte-americana. Doutora em Ciências Humanas (UFSC)) e professora do programa de pós-graduação em Sociologia da UFPR. É co-fundadora do Núcleo de Estudos de Gênero desta instituição. Tem livros e artigos sobre temáticas diversas publicados no Brasil e no exterior.

Participação: Janeiro a Dezembro de 2014.

 

 

 

 

Coluna Cartografias do Desejo

Djalma Thürler é Cientista da Arte (UFF-2000), Professor do Programa de Pós-Graduação Multidisciplinar em Cultura e Sociedade e Professor Adjunto do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências da UFBA. Carioca, ator, Bacharel em Direção Teatral e Pesquisador Pleno do CULT (Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura). Atualmente desenvolve estágio de Pós-Doutorado intitulado “Cartografias do desejo e novas sexualidades: a dramaturgia brasileira contemporânea dos anos 90 e depois”.

Participação: Maio de 2013 a Dezembro de 2013. De Maio de 2011 a Abril de 2013 assinou a coluna As Horas.

Coluna Ana Dietrich

Ana Maria Dietrich é editora-chefe da Contemporâneos – Revista de Artes e Humanidades e coordenadora do ContemporARTES junto a Rodrigo Machado. Coordena o grupo de pesquisa do CNPQ LEPCON – Laboratório de Estudos e Pesquisas da Contemporaneidade certificado pela UFABC em parceria com a UFV, UFJF, UFF, UFPA, USS e UFBA. É professora adjunta da UFABC. Pós-doutora em Sociologia pela UNICAMP, doutora em História pela USP com doutorado sanduíche pelo Centro de Estudos de Anti-Semitismo (Universidade Técnica de Berlim). Integrante Permanente da Pós Graduação de Ensino, História e Filosofia da Ciências e da Matemática (UFABC) Autora de Nazismo Tropical (Todas as Musas, 2012), Caça às Suásticas – O partido Nazista em São Paulo (Imprensa Oficial / Humanitas 2007) e outros.

Participação: Janeiro de 2010 a Dezembro de 2014.

Coluna Art&fato

Solange Chemin Rosenmann é especialista em artes e museologia, desenvolve um trabalho como artista visual, transitando entre o desenho, a pintura, gravura, escultura e o design de jóias produz intensamente. Mantendo um olhar sobre a identidade brasileira, desenvolve pesquisa artística cultural desde os anos oitenta, criando projetos como arte útil, ida ao público e jóia brasileira. No campo da museologia implantou e coordenou a ação educativa do Museu Oscar Niemeyer e foi responsável pela ação educativa da 10ª Bienal Brasileira de Design que aconteceu em Curitiba, preparando monitores/mediadores, criando material educativo e formando público com dinâmicas direcionadas aos educadores e professores. No campo da moda participou de editoriais para Revista Inverso. Produz a coleção de arte campesina que lançou na loja heroína, e a coleção Museu Oscar Niemeyer, inspiradas nas linhas do arquiteto, para a loja do museu.
Participação: Fevereiro a Dezembro de 2014.

Thelmo Olisar, natural de Porto União-SC, é graduado em Letras, bacharel em Gravura pela EMBAP e pós-graduado em Arte-Educação. Foi ilustrador gráfico e revisor de textos do Departamento de Ensino da SME de Curitiba-PR. Como artista plástico, participou de coletivas, individuais e salões, com premiações. Como professor, atuou em colégios particulares de Curitiba e S. Paulo e na rede pública estadual do Paraná e da Prefeitura Municipal de Curitiba-PR. Foi revisor do jornal O Estado de S. Paulo e redator do BCN-SP. Atualmente, desempenha funções de consultor gramatical do serviço de Telegramática, da Prefeitura Municipal de Curitiba-PR.

 

 

 

Coluna Girassol Giramundo

Rogerio Akiti Dezem é professor visitante de língua portuguesa e cultura brasileira da Universidade de Osaka, no Japão. Mestre em História Social pela Universidade de São Paulo (USP), é autor de Matizes do Amarelo – A gênese dos discursos sobre os orientais no Brasil (Humanitas, 2005) entre outros livros.

Participação: Novembro de 2013 a dezembro de 2014.

 

 

Coluna A poesia está na rua

Rodrigo Corrêa Machado é doutor em Estudos de Literatura pela Universidade Federal Fluminense, mestre em Letras com ênfase em Estudos Literários pela Universidade Federal de Viçosa e graduado em Letras – Português/Literaturas de Língua Portuguesa por esta mesma instituição.  Acesse seus escritos aqui.

 

 

 

 

Coluna Drops Cultural

Mônica Bento é jornalista, formada pela Universidade Federal de Viçosa (MG). Em seu trabalho de conclusão de curso estudou a função social das salas de cinema e desenvolveu a reportagem multimídia CineMemória. Pertence a equipe de Comunicação da Contemporartes-Revista de Difusão Cultural.

Participação: Novembro de 2007 a Dezembro de 2015.

 

 

Daniele Benicio é estudante de graduação de Engenharia de Gestão na UFABC e graduada no Bacharelado de Ciências e Tecnologia na mesma universidade. É co-editora, na mesma revista, desde junho de 2015. Organiza as colunas Drops Cultural, Espaço do Leitor e Radar Lepcon.

Participação: Janeiro de 2016 a dezembro de 2017.

 

 

Coluna Uni.verso

Geraldo Trombin é publicitário e membro do Espaço Literário Nelly Rocha Galassi, de Americana – SP (desde 2004). Lançou em 1981 “Transparecer a Escuridão”, produção independente de poesias e crônicas, e em 2010 “Só Concursados – diVersos poemas, crônicas e contos premiados”. Tem mais de 250 classificações conquistadas em inúmeros concursos realizados em várias partes do país e trabalhos editados em mais de 90 publicações.

Participação: Outubro de 2010 a Dezembro de 2016.

 

Coluna As Horas




Kátia Peixoto é doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Mestre em Cinema pela ECA – USP onde realizou pesquisas em cinema italiano principalmente em Federico Fellini nas manifestações teatrais, clowns e mambembe de alguns de seus filmes. Fotógrafa por 6 anos do Jornal Argumento. Formada em piano e dança pelo Conservatório musical Villa Lobos. Atualmente leciona no Curso Superior de de Música da FAC-FITO e na UNIP nos Cursos de Comunicação e é integrante do grupo Adriana Rodrigues de Dança Flamenca sobre a direção de Antônio Benega.

Participação: Janeiro de 2010 a Dezembro de 2017.

 

 

 

Darling Ingrid Limeira é Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pelo Centro Universitário Anhanguera, atualmente está como Presidente do Instituto de Direitos Humanos – Objetivando Direito, é estagiária em Educação em Direitos Humanos Pela UFABC. tem como foco de pesquisa a intolerância às religiões de matrizes africanas brasileiras, o racismo religioso e institucional.

Participação: Novembro de 2017 a Dezembro de 2018.

 

 

 

Fábio Flora é autor de “Segundas estórias: uma leitura sobre Joãozito Guimarães Rosa” (Quartet, 2008), escreve no Pasmatório.

 

Participação: Fevereiro de 2012 a Fevereiro de 2018.

 

 

 

 

Carolina Peliciari é estudante de Jornalismo na Universidade Metodista de São Paulo. Foi estagiária no curso de Educação em Direitos Humanos na Universidade Federal do ABC – UFABC e editora-assistente nas Revistas ContemporArtes e Contemporâneos.

 

Participação: Novembro de 2017 a Fevereiro de 2018.

Emily Pestana Pegoraro é estudante de Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas do Centro Universitário Fundação de Santo André e estagiária do Curso de Educação em Direitos Humanos da Universidade Federal do ABC (UFABC), além de colaborar, nas publicações da “Revista Contemporâneos” e da “Revista Contemporartes”

 

Participação: Fevereiro de 2019 a Dezembro de 2019.

 

 

Maurício Waldman é jornalista, antropólogo, pesquisador, editor, consultor ambiental e professor universitário.  Como ativista, Waldman distinguiu-se em diversas mobilizações, em especial no movimento ambientalista. Waldman atuou como colaborador de Chico Mendes e participou em entidades e organizações como o Comitê de Apoio aos Povos da Floresta, Centro de Estudos Africanos da Universidade de São Paulo e Centro Ecumênico de Documentação e Informação (CEDI, São Paulo e Rio de Janeiro).

Participação: Dezembro de 2017 a Março de 2018.

 

 

Rafael C. Braga mergulhou no universo da poesia no ano de 2003. Desde então, sob o pseudônimo Victor Canti, tem se dedicado à criação poética em diversas esferas, já tendo participado da publicação de fanzines, blogs literários e vídeo-poesias. Em 2013 publicou seu primeiro livro de nome Pensar em Pensar, e foi um dos autores em destaque da 3ª Bienal do Livro de São José dos Campos – SP. O poeta é formado em Filosofia pela UFABC.

Participação: Fevereiro de 2017 a Dezembro de 2017.

 

 

 

Gabriel Gomes Munhoz é mestrando na UFABC em Filosofia, área que também possui formação como bacharel e licenciado. Pesquisa a relação entre cultura de massa, cinema e política nos autores Siegfried Kracaeur e Walter Benjamin. Quando possível, faz fotografias e vídeos amadores direcionadas para temas da área de Filosofia, a qual é também professor Por último e não menos importante, estuda Relações Internacionais na UFABC.

Participação: Fevereiro de 2017 a Dezembro de 2017.

 

 

Ana Valéria Celestino é uma historiadora brasileira que mora em Berlim (Alemanha). Realizou dois “estudos de História” uma vez no Brasil outra na Alemanha. Especializada em leitura de manuscritos, o que quase significa: “quanto mais ruim for o garrancho melhor”. Mas vida quis a tradução, trabalho que exercia durante os estudos e continua fazendo até hoje em Berlim. Dentre as “realizações” organizou um arquivo pessoal com documentos inéditos no Instituto Ibero-americano em Berlim (ver artigo), a análise paleográfica de um manuscrito do século XI e, finalmente, saber o latim. Ainda por vir, a escrita de um trabalho historiográfico, o doutorado.

Participação: Fevereiro de 2015 a Outubro de 2018.

 

 

 

Larissa Germano é formada em Direito e trabalha nesta área desde a formação em 1999. Pós-graduada em Direitos Humanos pela Faculdade de Direito de Coimbra-PORTUGAL e em Direito Penal e Processual Penal pela instituição FMB de ensino. Funcionária do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo desde 2005 e ocupa a função de assistente judiciário. Apesar da escrita ter sido sempre uma constante em sua vida, forma de expressar, lidar e até se livrar de sentimentos e angústias, somente a partir de 2011 começou a se lançar na literatura com mais afinco – ano em que apresentou um recital em Paranapiacaba (Santo André-SP), declamando poesias entre uma e outra canção. Então, deixou aflorar sua verdadeira vocação: a escrita, à qual se dedica diariamente, a maior parte das vezes através do Facebook (rede social que usa como laboratório de escrita). Ano passado , por sua própria conta, lançou seu primeiro livro, cujo título é “Cinzas e Cheiros” – um livro de poemas.  Participa dos saraus da região  e atualmente trabalha em alguns projetos literários individuais. Nos últimos anos, tem também se dedicado à música. Seu blog: http://naoapenaspalavras.blogspot.com.br/.

 

Participação: Março de 2017 a Novembro de 2019.

 

ARTEFATO

Tiago da Cunha Rosa é Arquiteto e Urbanista pelo Centro de ensino Superior de Juiz de Fora (2016) e Especialista em artes visuais (2017). Interessado por temas como preservação do patrimônio cultural e pelas relações raciais no campo da Arquitetura. Atualmente Leciona na faculdade Doctum de Caratinga, onde ministra disciplinas como projeto urbano, Teoria do paisagismo e teoria da Arquitetura e Urbanismo.

 

Participação: Março de 2017 a Março de 2019.

 

Ecos da Urbanidade

 

Soraia Costa é Mestra em Ensino, História e Filosofia das Ciências pela UFABC. Bacharel e licenciada em Ciênciais Sociais pelo Centro Universitário Fundação Santo André (CUFSA). Professora de Geografia e Sociologia (PEI/SEE-SP). Trabalha com audiovisual e fotografia desde meados de 2007, dirigiu dois documentários: Transformação Sensível, Neblina Sobre Trilhos (CUFSA/UFABC/MEC/2012) que aborda a história ferroviária, sobretudo a Vila de Paranapiacaba-SP e Seja Mais (UFABC/MEC/2017) que trata a respeito da Educação em Direitos Humanos. Produziu o programa Artvismo, Rede TVT (2018). Faz parte do coletivo de ação direta e futebol Rosanegra. Pesquisa música e tenta estudar acordeon.
Participação: Março de 2017 a Maio de 2019
Entre Rios e Fronteiras

José Amilton de Souza é graduado em História e Filosofia. Mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1997) e Doutorado em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2003). É autor do livro: Catadores de Lixo: Narrativas de Vida, Política Públicas e Meio Ambiente. Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2011. Atualmente é professor adjunto e vice-diretor da Faculdade de História da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará – UNIFESSPA. Ministra aulas nas disciplinas de Historiografia e Teoria da História, História Local e Regional, Educação e Didática da História. Exerce também a função de coordenador do Estágio Supervisionado e Orientação de Pesquisa na área de Ensino de História. Membro do Grupo de Pesquisa Interpretações do Tempo: Ensino, Memória, Narrativa e Política (iTemnpo). Tem experiência em Administração Pública. Assessoria em Política Públicas: Planejamento Urbano e Estratégico, Políticas urbanas e Ambientais.

Participação: Novembro de 2017 a Fevereiro de 2018.

 

 Inaldo Chaves Licenciado em História pela Universidade Federal da Paraíba (2010); mestre (2013) e doutor (2017) em História pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente é docente da Faculdade de História da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (ICH/FAHIS/Unifesspa). Foi professor assistente na Universidade Federal do Amapá (UNIFAP). Integra a Cia das Índias – Núcleo de História Ibérica e Colonial na Época Moderna (CNPq/UFF) e o Laboratório de História Social da Amazônia (CNPq/Unifesspa). Atua na área de História, com ênfase em Teoria e Metodologia da História e História do Brasil, principalmente nos seguintes temas: história política, espaço e região, territorialidades, administração portuguesa; populações indígenas; capitanias do Norte; Amazônia colonial.

Participação: Fevereiro de 2018 a Setembro de 2018.

 

Eri Cavalcanti é diretor da Associação Brasileira de História Oral – Regional Norte (Biênio 2018/2019). Licenciado em História pela Universidade de Pernambuco, Mestre e Doutor pela Linha de Pesquisa Cultura e Memória do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco, com Estágio Doutoral (PDSE/Capes) pela Universidad General San Martin em Buenos Aires, Argentina. É autor dos Livros Didáticos: “Pernambuco de Muitas Histórias: História do Estado de Pernambuco” (2012), e “História e Geografia de Pernambuco” (2015) publicados pela Editora Moderna. Também é autor de “Relatos do Medo: a ameaça comunista em Pernambuco – Garanhuns 1958-1964, (EdUFPE, 2012), e autor e organizador de “A história e suas práticas de escritas: relatos de pesquisa”, (EdUFPE, 2013), “A história e suas práticas de escritas: narrativas e documentos” (EdUFPE, 2014); “A história e suas práticas de escritas: leituras do tempo, (EdUFPE, 2016) e “Ditadura militar no Brasil: entre práticas e representações” pelas editoras FGV e EdUFPE (2017). Coordena o grupo de pesquisa Interpretação do Tempo: ensino, memória, narrativa e política (iTemnpo – CNPq/Unifesspa), atua principalmente nos seguintes temas: Teoria; Ditadura Militar; Ensino de História, Livro Didático e Formação Docente. É Diretor de Pós-Graduação da Unifesspa; coordenador do Comitê de Ética em Pesquisa com seres humanos na Unifesspa, e também é membro do Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais do Magistério da Educação Básica – COMFOR, é parecerista de revistas especializadas como a Revista História Hoje (ANPUH-Brasil) e professor Adjunto da Faculdade de História na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa).

Participação: Junho de 2018 a Fevereiro de 2019.

 

Andrius Noronha é Graduado em Estudos Sociais Habilitação Em História pela Universidade de Santa Cruz do Sul (2003), mestrado em Desenvolvimento Regional pela Universidade de Santa Cruz do Sul (2006) e doutorado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2012). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal do Amapá. Tem experiência na área de História, com ênfase em História, atuando principalmente nos seguintes temas: santa cruz do sul, elite local, ditadura militar, rio grande do sul e prosopografia.
José Brito, professor e historiador da arte da Universidade Federal de Roraima – UFRR, Departamento de Artes Visuais. É professor do Programa de Pós Graduação em Comunicação – UFRR, da Linha de Pesquisa : Comunicação, Memória e Identidades. Doutor em História pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. Suas pesquisas concentram-se na área de História da Arte no Brasil e História Social da Arte, Ensino de História, atuando principalmente nos seguintes temas: historia da arte e política em Pernambuco, ensino de história, teoria da arte, crítica em arte, história do trabalho e profissionalização dos artistas plásticos na América Latina, profissionalização de artistas plásticos indígenas e imigrantes em Roraima.
Geovanni Cabral possui Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal Rural de Pernambuco- UFRPE, Especialização no Ensino de História -UFRPE, Mestrado em História pela Universidade Federal de Pernambuco- UFPE, Doutorado em História pela Universidade Federal de Pernambuco- UFPE – área de concentração História do Norte e Nordeste do Brasil. Tem experiência na área de História Cultural, Brasil Republicano, História da Educação, Ensino de História, Cultura Popular e Patrimônio e Educação à Distância. É Professor Adjunto da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará e membro do grupo de pesquisa Interpretação do tempo: ensino, memória, narrativa e politica (iTempo – CNPq/Unifesspa). Atualmente vem desenvolvendo pesquisas na área do Ensino de História tendo como eixo investigativo o uso da fotografia em sala de aula e novas linguagens. Autor e coordenador dos livros A história e suas práticas de escrita, editados pela Editora da Universidade Federal de Pernambuco.
Airton dos Reis Pereira é graduado em História (2000), pela Universidade Federal do Pará (UFPA); mestre em Extensão Rural (2004), pela Universidade Federal de Viçosa (UFV); e doutro em História (2013), pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Filho de camponeses migrantes de Minas Gerais, foi posseiro e agente de pastoral da Diocese de Conceição do Araguaia e da Comissão Pastoral da Terra (CPT), no sul e sudeste do Pará. Atualmente é professor Assistente IV, do Departamento de Filosofia e Ciências Sociais, da Universidade do Estado do Pará (UEPA), Campus de Marabá. É também professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia (PDTSA), da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA). É autor do livro “Do posseiro ao sem-terra: a luta pela terra no sul e sudeste do Pará” (Editora da UFPE, 2015) e possui diversos artigos publicados em revista e em jornais de circulação regional, nacional e internacional.
Andrey Martin é Professor adjunto da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará-Unifesspa. Doutor em História, pela Universidade Estadual Paulista -Unesp. Mestre em História pela Universidade Estadual de Maringá-UEM-PR. Graduado em História, pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul-UFMS. Tem experiência docente no ensino Básico e Superior, nas áreas de História do Tempo Presente, Brasil Republicano, e Teoria e Metodologia da História. Membro do grupo de pesquisa “A ideia de progresso: dimensões epistemológicas, sociais e históricas”-USP/CNPq. Possui livros e capítulos publicados em edições nacionais e internacionais, ligados aos temas de interesse: História da Ciência, História e Energia Elétrica, Técnicas, Tecnologias e Território, Imprensa, Movimentos Sociais e Memória.
Participação: Novembro de 2017 a Julho de 2019
Vitórias Régias
Monalisa Pavonne Oliveira é Professora do curso de licenciatura em História da Universidade Federal de Roraima. Doutora em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2016), doutorado sanduíche na Universidade de Lisboa (2014-2015); mestre em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (2010); Bacharel e Licenciada em História pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2005).
Mirtes Almeida é Doutoranda em História Social da Amazônia pela UFPA, fez graduação e mestrado em História na UFPA. Em suas pesquisas buscou compreender as relações de gênero dentro das comunidades indígenas no sul e sudeste paraense. Trabalha como etnóloga na Fundação Casa da Cultura de Marabá e vem se dedicando a pesquisas sobre a saúde da mulher indígena no período da gravidez, principalmente com os povos Mebengokré- Xikrin, do troco linguístico Jê.
Maria Clara Carneiro é Graduada em Direito pela PUC-SP (2001-05) e em História pela USP (2002-06), Desenvolveu as pesquisas de mestrado e de doutorado no Programa de Pós Graduação em História Social da USP. Com apoio Fapesp, realizou estágio internacional na Yale University (2010-11), como Visiting Assistant in Research. É, atualmente, Professora Adjunta da Faculdade de História (FAHIST) da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA). Também é coordenadora da Pós-Graduação Lato Sensu ” Ensino, Educação Histórica e Direitos Humanos” da FAHIST-Unifesspa.* Ministra cursos nas áreas de História das Américas, Históriado Brasil e História do Direito (na Faculdade de Direito – FADIR). Tem experiência de pesquisa em Arquivos Nacionais e Internacionais, em especial nos Estados Unidos e Reino Unidos. Os temas de principal interesse estão relacionados à Escravidão e Abolição, Diversidade e Tolerância, Relações de Trabalho e Migrações, Relações Raciais e de Gênero. Líder do grupo * Raça trabalho e poder: africanidades, identidades negras e ideologias na história da Amazônia* -RTP – AINIHA/Cnpq por onde desenvolve o projeto “Circulações Atlânticas, raças, trabalho e migrações em perspectivas transnacionais no século XIX”.
Idelma da Silva é Doutora em História (2010) pela Universidade Federal de Goiás. Professora do Instituto de Ciências Humanas e do Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. Trabalha com formação de educadores do campo e atualmente realiza estudos de história oral sobre memória, gênero, mulheres e movimentos sociais do campo. É líder do Grupo de Pesquisa Culturas, Identidades e Dinâmicas Sociais na Amazônia Oriental Brasileira e membro do Conselho Científico da Associação Brasileira de História Oral (2016-2018). Atualmente, vice-reitora da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará.
Kátia Melo possui graduação em Serviço Social pela Universidade da Amazônia (1997). Especialista em Gestão em Política Social pela Universidade Federal do Pará –UFPA, (1999). Mestrado (2003) e Doutorado (2016) pelo Programa de Pós-Graduação em Política Social do Departamento de Serviço Social da Universidade de Brasília (UnB). Professora Efetiva da Universidade do Estado do Pará (UEPA) desde 2008. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa sobre Violência, Tráfico e Exploração Sexual de Crianças, Adolescentes e Mulheres /VIOLES-UnB. Pesquisadora do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Sociedade, Saúde e Meio Ambiente na Amazônia da Universidade do Estado do Pará (UEPA).
Participação: Maio de 2018 a Julho de 2019