Radar Lepcon

PRETO

O espetáculo PRETO faz temporada em Curitiba, de 02 a 12 de agosto, de quinta a domingo, no Teatro José Maria Santos. Com direção de Marcio Abreu, PRETO traz no elenco: Cássia Damasceno, Felipe Soares, Grace Passô, Nadja Naira, Renata Sorrah (em sua terceira peça com a companhia) e Rodrigo Bolzan / Rafael Lucas Bacelar.

PERCURSOS AFETIVOS

Observar a cidade e as pessoas que nela vivem e transitam com um novo olhar, com uma nova escuta, a partir da perspectiva de um ciclista, este é um dos principais objetivos da performance Percursos Afetivos do artista carioca Cadu Cinelli (ator, artista têxtil, contador de histórias e diretor teatral, integrante do grupo OS TAPETES CONTADORES DE HISTÓRIAS/RJ) que conta histórias percorrendo de bicicleta as ruas do centro de Curitiba.

Estar em uma bicicleta é imprescindível para acompanhar este trabalho itinerante que estreou durante a última edição do Festival de Teatro de Curitiba e ganhou bastante repercussão. Mas, foram poucos dias, por isso quem perdeu a chance de vivenciar essa experiência, agora, vai poder se programar.

A partir de julho, a inusitada performance será apresentada no último fim de semana de cada mês, até novembro deste ano. Sempre aos sábados e domingos, às 19h, em algum ponto da cidade. O trajeto muda a cada mês, o de julho, dias 28 e 29, já está fechado, irá sair do Terminal Guadalupe e chegar na Praça 19 de Dezembro, a da Mulher e Homem nus. Em agosto (dias 25 e 26), o ponto de partida será a Boca Maldita e o de chegada a Praça Rui Barbosa. Os demais ainda serão definidos.

A duração do passeio é de 50 minutos e as histórias contadas durante o percurso, enquanto os ciclistas pedalam, são semificcionais, criadas pelo próprio performer Cadu Cinelli. A paisagem ao longo do trajeto, durante as apresentações, recebe intervenções como projeções de imagens, palavras, iluminação, introdução de objetos e outras surpresas.

“A ideia, por meio da ação poética, é ressignificar a paisagem, potencializando uma mudança de olhar tanto de quem participa da performance quanto de quem está somente de passagem e se depara com ela”, declara Cinelli.

Fotos: Renato Mangolin e Doug Oliveira.

Serviço:
Performance: Percursos Afetivos com Cadu Cinelli
Colaborador: Dag Bach
Dias: 28 e 29 de julho
Horário: 19h
Saída em frente à entrada do Santuário da Nossa Senhora de Guadalupe
Percurso: Terminal Guadalupe – Rua Pedro Ivo – Rua Barão do Rio Branco – Paço da Liberdade – Rua XV de Novembro – Biblioteca Pública do Estado do Paraná – Praça Tiradentes – Rua Riachuelo – Praça 19 de Dezembro.
Duração: 50 minutos.
Obs.: Mesmo com chuva haverá performance
Entrada: Colaboração Livre
Contato e empréstimo de bicicleta: 21 98352 2492 (Cadu Cinelli) / cecinelli@hotmail.com
Facebook: @percursosafetivos

Assessoria de Imprensa:

Glaucia Domingos

41 99909 7837

Facebook:@glauciadomingosassessoria

 

 

                                                                                              Mapa do Trajeto:

“O DELÍRIO DO VERBO”, PEÇA COM JONAS BLOCH, É ATRAÇÃO NA CAIXA CULTURAL CURITIBA

“Noventa por cento do que eu escrevo é invenção. Só dez por cento é mentira” – Manoel de Barros (1916-2014)

A CAIXA Cultural traz a Curitiba, de 05 a 08 de julho, a peça “O Delírio do Verbo” com o ator Jonas Bloch interpretando textos de Manoel de Barros. Uma narrativa cheia de poesia e humor, que traz um novo olhar sobre a vida, numa linguagem inovadora e surpreendente. O renomado ator Jonas Bloch, com mais de 50 anos de atuação em teatro, cinema e televisão, apaixonou-se pelos textos de Manoel de Barros e selecionou os que se adaptavam ao teatro para realizar esse espetáculo.

“Ao ler Manoel de Barros, fiquei tão emocionado, que meu primeiro impulso foi o de compartilhar suas palavras com todo mundo. Selecionei os textos, procurando dar uma visão das diversas faces da obra deste grande poeta. A grande ambição do ator é ser instrumento da beleza, mensageiro de um mundo novo.

Fazer com que as pessoas saiam de sua rotina e vivenciem outros universos, tenham experiências que ampliem seus horizontes e cresçam como seres humanos. Manoel de Barros nos oferece isso, um novo olhar sobre a vida, transgride a linguagem estabelecida, a visão estratificada de nossa cultura, abre nossos olhos para as coisas mais essenciais, abrindo caminhos para uma renovação”, comenta Jonas Bloch.

Foto de Cena 1

 

Considerado por Carlos Drummond de Andrade, “o maior poeta brasileiro”, a poesia de Manoel não é composta de rimas e métrica. Não se baseia num clima romântico tradicional, é plena de humor, de inovações e delicadezas. A equipe do espetáculo tem a supervisão de Emílio de Mello, também ator, figurinos de Cassio Brasil e desenho de luz de Bruno Cerezoli. A cenografia é inspirada no artista Arthur Bispo do Rosário, cuja obra se identifica com as citações de Manoel de Barros.

Ambos encontram beleza em coisas que não damos importância, transformando-as em poesia, as “coisas sem santidade”. O ator Jonas Bloch, também formado em Artes Visuais, é quem assina o cenário da peça, assim como o trabalho artesanal presente na cenografia.

Jonas Bloch:

Com mais de 50 anos de profissão como ator, Jonas Bloch dividiu sua carreira entre televisão, teatro e cinema. Participou de novelas, como “Mulheres de Areia”, “A Viagem” e “Novo Mundo”; estrelou filmes como “Amarelo Manga” e “Cabra Cega”; atuou em filmes e séries internacionais, com destaque para “Discretion Assured”; e emprestou seu talento a montagens como “Hamlet” e “Sonho de uma Noite de Verão”, ambas de Shakespeare.

Jonas Bloch também foi professor universitário. Já atuou em 38 peças de teatro, 40 filmes, e em 47 produções para a TV. Foi premiado no Festival de Cinema de Recife, em Pernambuco; no “Guarnicê” – Festival de Cinema do Maranhão; e no Festival Latino-Americano de Cinema de Canoa Quebrada, no Ceará. O ator, que possui mais de 50 anos de carreira, interpreta textos de Manoel de Barros numa narrativa cheia de poesia e humor. Ele apresenta um novo olhar sobre a vida com uma linguagem inovadora e surpreendente.

Foto de Cena 2

 

Manoel de Barros: 

Manoel de Barros foi vencedor de dois prêmios Jabuti. Guimarães Rosa, que fez a maior revolução na prosa brasileira, comparou os textos de Manoel a um “doce de coco”. Foi também comparado a São Francisco de Assis pelo filólogo Antônio Houaiss, “na humildade diante das coisas (…). Tenho por sua obra a mais alta admiração e muito amor.” Segundo o escritor João Antônio, a poesia de Manoel vai além: “Tem a força de um estampido em surdina. Carrega a alegria do choro.”

Millôr Fernandes afirmou que a obra do poeta é “única, inaugural, apogeu do chão.” E Geraldo Carneiro afirma: “Viva Manoel violeur d’amores, violador da última flor do Lácio, inculta e bela. Desde Guimarães Rosa a nossa língua não se submete a tamanha instabilidade semântica”.

Para assistir a trechos de “O Delírio do Verbo”:
https://www.youtube.com/watch?v=6evkyDUqEsI&feature=youtu.be

Serviço:
Teatro: “O Delírio do Verbo”, com Jonas Bloch
Local: CAIXA Cultural Curitiba – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR).
Data: de 05 a 08 de julho de 2018 (quinta a domingo)
Obs.: Dia 05 haverá intérprete de libras e bate papo com o ator.
Horário: de quinta a sábado, às 20h e domingo, às 19h.
Ingressos: vendas a partir de 30 de junho (sábado). R$ 10 e R$ 5 (meia – conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito CAIXA). A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura.
Bilheteria: (41) 2118-5111 (De terça a sábado, das 12h às 20h. Domingo, das 14h às 19h.)
Duração: 50 minutos
Classificação etária: 14 anos
Lotação máxima: 125 lugares (2 para cadeirantes)

Assessoria de Imprensa Local
Glaucia Domingos
41 99909 7837
glauciadomingos@hotmail.com

Assessoria de Imprensa da Caixa
Maria Celeste Corrêa – (41) 9 9995 0169 / 9 8786 4465
fernandezcorreamc@gmail.com

Assessoria de Imprensa da CAIXA Cultural Curitiba (PR)
(41) 3544-5641
www.caixa.gov.br/imprensa | @imprensaCAIXA
www.caixa.gov.br/cultura

Fotos: Guga Melgar

 

Despedida e discurso de encerramento do Curso de Educação em Direitos Humanos

No último sábado (09/06), o Curso de Educação em Direitos Humanos – UFABC realizou o último encontro presencial desta edição do curso, além das bancas de avaliação dos Trabalhos de Conclusão de Curso da pós-graduação lato sensu em Educação em Direitos Humanos, turmas de Especialização e Aperfeiçoamento.

Após as palavras iniciais dos membros da mesa de abertura, os oradores convidados se juntaram à Profa. Dra. Ana Maria Dietrich e proferiram suas considerações sobre esta jornada a seus colegas e ouvintes.

Este foi um grande momento, já que os próprios cursistas puderam dizer o que o curso representou para eles ao longo destes meses. Confira aqui a íntegra do relato do cursista Rodrigo Martins, da turma de Aperfeiçoamento – Polo Diadema.

Além do belo discurso, Rodrigo Martins também enviou um agradecimento especial à sua tutora ao longo do curso, Cecília Prado, que é possível conferir abaixo:

“Adorei a experiência propiciada pelo curso e sou muito grato por seu inestimável apoio ao longo de toda a caminhada. 

Aliás, em minha trajetória escolar e acadêmica, jamais tive um professor tão dedicado na correção dos trabalhos. O seu detalhado feedback, com o perdão do estrangeirismo, ajudou-me muito na compreensão dos temas trabalhados na bibliografia. E sua agradável companhia animou as manhãs dos encontros presenciais em Diadema. Sentirei saudades. 

Peço a gentileza de você estender os meus cumprimentos à professora Ana Maria, à Nathália, e aos demais professores e tutores. 

Um forte abraço,

Rodrigo Martins”