• Home
  • Centro Europeu News

Centro Europeu News

VOCÊ SERÁ SUBSTITUÍDO POR UM ROBÔ?

Essa é uma pergunta que muitos profissionais se fazem ou que deveriam começar a pensar a respeito. O mundo passa por grandes transformações desde a revolução rural, onde tudo era mais controlável e previsível. Passamos pela era industrial, onde máquinas entraram em cena com uma produção abundante. Veio a era digital onde a informação e a conectividade impulsionaram ainda mais o consumismo. São evoluções naturais que impactam o mercado de trabalho.

E agora estamos vivendo uma mudança de era, na qual começamos a passar por uma revolução exponencial, porém mais acelerada, com tecnologia de ponta disponível. Termos como computação em nuvem, IoT, Big Data, robótica, inteligência artificial, impressão em 3D e nanotecnologia se tornaram comuns no nosso dia a dia. Mas como isso vai impactar na vida dos profissionais?

Uma coisa é certa, nos próximos anos teremos muitas e rápidas mudanças. Segundo uma pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em torno de 57% das vagas de emprego estão suscetíveis à robotização e automação. Mais da metade das funções hoje exercidas pelo homem podem ser substituídas por máquinas. Outra previsão bastante curiosa é do Fórum Mundial Econômico que diz que 65% das crianças vão trabalhar em empregos que ainda não existem.

Crianças em idade escolar sendo preparadas para algo que ainda não sabemos como será. Temos um futuro cheio de incógnitas em relação ao que irá acontecer com os profissionais. Quais serão as profissões do futuro? O ser humano terá espaço? Como os profissionais devem se preparar para tudo isso?

Não me arrisco a dizer quais serão as profissões mais requisitadas, pois elas ainda não existem. Porém, com toda a certeza me arrisco a dizer quais serão os profissionais mais requisitados pelo mercado. Parece complexo, mas a resposta é muito simples. Todo trabalho que envolva atividades repetitivas e com uma lógica previsível, que não precise de socialização e intervenção criativa, que não resolva nenhum tipo de problema complexo e que ainda coloca em risco a vida será substituído por uma máquina.

Com isso fica fácil concluir que os profissionais mais disputados serão aqueles com características inerentes dos seres humanos como criatividade, capacidade de aprendizado e de adaptação, visão do momento e facilidade para se relacionar. Estou falando de soft skills, que são as competências e habilidades mais desejadas para os profissionais do século XXI.

Mais relevante do que uma coleção de diplomas e certificados técnicos, as características comportamentais e sociais é que manterão o espaço das pessoas no mercado combinada com toda a tecnologia disponível. Estou falando de um cenário muito mais inteligente. O que é desafiador e prazeroso o homem faz, o contrário será direcionado para um robô.

E como desenvolver as soft skills? Algumas pessoas têm habilidades natas e outras precisam correr atrás. E sim, é possível desenvolver essas características, mas para isso é preciso treino. Erroneamente muitos profissionais só enxergam o ensino tradicional como ambiente de capacitação. Falamos de comportamento, logo temos que estar em contato com outras pessoas onde possamos exercer essas competências. É preciso viver experiências diferentes.

Em um trabalho voluntário é possível desenvolver habilidades como relacionamento interpessoal e o espírito colaborativo. Em um Hackathon, que são iniciativas que estimulam a inovação, os participantes colocam a prova o seu potencial de resolver problemas complexos e extrapolar sua visão empreendedora. Em um curso de Fotografia é possível desenvolver um pensamento crítico e estimular o olhar criativo.

Ou até mesmo em uma formação para chef de cozinha você vive experiências na qual ajudam a desenvolver suas características de líder e de trabalho em equipe. Independente da área de atuação é preciso se colocar em situações desafiadoras que auxiliem no desenvolvimento de características fundamentais para qualquer profissional de sucesso.

O avanço da tecnologia é inevitável, a robotização em massa será uma realidade, as pessoas devem assumir o que de fato é da sua natureza. Somos dotados de uma grande capacidade de criar e de se reinventar. Pode ser que nem todos acompanhem essa evolução. Naturalmente essa mudança trará perdedores e ganhadores. Meu papel aqui é a provocação para que todos enxerguem essa necessidade e tenham atitude para serem ganhadores. Não devemos temer as máquinas, e sim usá-las a nosso favor. A vida é feita de escolhas, nós somos feitos de escolhas. Você vai ser substituído por um robô?

*Ronaldo Cavalheri é Engenheiro Civil, CEO do Centro Europeu – primeira escola de economia criativa do Brasil e Business Development Manager do Microsoft Innovation Center Curitiba.

Fonte: https://mundo.centroeuropeu.com.br/blog/voce-sera-substituido-por-um-robo?utm_campaign=voce_sera_substituido_por_um_robo_restante

 

 

 

BEER SOMMELIER & HOME BREWER NO CENTRO EUROPEU

“Um homem que só bebe água tem segredos a esconder de seus semelhantes.” (Charles Baudelaire)

Consumida desde antes da construção das pirâmides do Egito “a cerveja desperta paixões porque está ligada ao prazer, à amizade, ao conhecimento e à espiritualidade. Para o grego Plutarco, a finalidade da bebida é alimentar e aumentar a amizade. Jason Kawall acredita que, ao beber socialmente, a pessoa se expõe, compartilha seu dia a dia e as futuras atividades. Ao criar histórias e memórias com determinado grupo por meio de uma convivência que só a cerveja é capaz de oferecer, gera-se solidez para uma amizade rica e autêntica.”

Segundo o Coordenador de Gastronomia do Centro Europeu, Luis Fernando Queiroz Maingué, “Curitiba se tornou referência em produção de cerveja artesanal, e hoje temos várias cervejarias de excelente qualidade exportando para fora do país. Com tantas boas opções, aumentou a curiosidade sobre a produção, os estilos, sabores e possíveis harmonizações. O Curso de Beer Sommelier + Home Brewer foi desenvolvido para proporcionar esses entendimentos. De forma prática, nossos alunos conhecem as 3 famílias cervejeiras, ampliam seu repertório sensorial, refinam os sentidos e conhecem as principais escolas cervejeiras do mundo.

As harmonizações de cervejas com queijos, embutidos e diversos pratos são orientadas pelo Chef Guilhermo que também é Beer Sommelier. Nas aulas de Home Brewer, os alunos conhecem de malteação, as etapas da produção, fermentação e produzem sua própria cerveja. A vista técnica à Cervejaria Way Beer é conduzida pelo mestre cervejeiro e proprietário Alessandro Oliveira, que divide sua experiência com nossos alunos. Todas as degustações são orientadas por uma Ficha de Análise Sensorial desenvolvida pelo Centro Europeu, proporcionando um melhor aprendizado. Venham conhecer mais sobre o universo da cerveja, ainda dá tempo de se matricular!”

O curso de Beer Sommelier + Home Brewer do Centro Europeu foi criado para os amantes de cervejas artesanais, que desejam se especializar e ampliar seus conhecimentos.  O aluno será capacitado a conhecer mais sobre os processos produtivos da cerveja artesanal e harmonizações, desenvolvendo habilidades para debater com clareza e segurança sobre o assunto.

FORMATO DO CURSO
Aulas com degustações técnicas;

Visita à fábrica da Way Beer, com degustação guiada;

Aula com a convidada Gabriele Rizental – Sommelier de Cerveja da AMBEV falando sobre curiosidades sobre os rótulos da AMBEV e as tendências do mercado;

 

CONTEÚDO
História da Cerveja;
Ingredientes da Cerveja;
Aromas e Sabores;
Famílias cervejeiras;
Fichas de degustação;
Processos de fabricação.
Análise sensorial;
Cerveja no método champenoise;
Serviço e Glassware;
Técnicas de harmonização;
Cerveja na receita;
Harmonização de queijos e doces com cerveja;
On e Off Flavors;
Escolas cervejeiras:
Alemanha e República Tcheca;
Reino Unido, Irlanda e Bélgica;
Brasil e E.U.A.

Ingredientes (insumos e matérias-primas)
Malteação;
Etapas da produção (moagem, brassagem, filtração, fervura, resfriamento, fermentação, maturação e envase);
Reconhecimento de equipamentos, brassagem, filtração, fervura, resfriamento e início da fermentação.
Cálculos e testes relacionados ao processo produtivo.
Preparo do primming, limpeza e sanitização das garrafas e envase.
Cálculos relacionados ao processo fermentativo e produto final.

* Conteúdo Programático de referência, sujeito a atualização a qualquer momento.

PROFESSORES

LUIZ GUSTAVO LACERDA

Engenheiro químico (PUC-PR) com mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos (UEPG), doutorado em Processos Biotecnológicos (UFPR) Professor Adjunto A do Departamento de engenharia de alimentos e docente permanente dos programas de mestrado e doutorado em Ciência e tecnologia de alimentos na Universidade Estadual de Ponta Grossa. Tem experiência profissional nas áreas de ciência e tecnologia de alimentos, química analítica, sistemas de gestão de qualidade e montagens industriais.

GABRIEL SANT’ANNA VASQUES

Profissional com formação em comunicação social e especialização em marketing. Passou pela cervejaria artesanal Way Beer e pela Adega Boulevard na parte de vendas e sommelier de cervejas. Vencedor da Medalha de Ouro no II Campeonato Sul Brasileiro de Cervejas Caseiras na categoria Wood Aged Beers. Atualmente trabalha na Cervejaria Bodebrown na área de marketing de relacionamento e atuando como sommelier de cervejas.

GUILHERMO SOUZA SPINDOLA

Formado em Gestão em Marketing, Pós Graduado em Gastronomia e em Tecnologia da Cerveja. Chef de Cuisine e Restaurateur pelo Centro Europeu estagiou com o Chef Celso Freire e trabalhou em renomados restaurantes como: Forneria Copacabana e Cantina do Délio. Atualmente é consultor e promove eventos.

Visita à Fábrica da Way Beer

 

CERTIFICAÇÃO

O curso de Beer Sommelier tem a certificação da Abrasel – Associação Brasileira de Bares e Restaurantes.

INFORMAÇÕES GERAIS

DATA DE INÍCIO: 03 de julho de 2018
DATA DE TÉRMINO: 03 de agosto de 2018
HORÁRIO: 19h15 às 22h30
DIAS DA SEMANA: Terça e quinta-feira
PRODUÇÃO DE CERVEJA: 06 de julho de 2018 (sexta-feira)
03 de agosto de 2018 (sexta-feira)

LOCAL:

Sede Gourmet
Alameda Princesa Izabel, 1300 – Curitiba / PR
+55 41 3324-6669
WWW.CENTROEUROPEU.COM.BR

Referências:

Cerveja e Filosofia – Leia, Pense e Consuma sem Moderação.
Organizador: HALES, Stevem D., Tradutor: HERRMANN, Marina.
Tinta Negra Editorial, R.Janeiro: 2010.

 

 

INTERNACIONALIZE-CE 2018 NO CENTRO EUROPEU: EMPREENDEDORISMO SOCIAL, UMA VIAGEM À ÁFRICA

“Muito se fala sobre empreendedorismo social e voluntariado, mas pouco sobre os meios para realmente fazer acontecer, utilizando nossos verdadeiros talentos e propósitos de vida. Vamos debater sobre essas práticas e conhecer como elas podem ser aplicadas em trabalhos humanitários em lugares como o Quênia, na África.”

É sobre essa questão importante entre outras, que José Lucas Seleme, um curitibano de 22 anos de idade, vai falar nesta sexta-feira dia 15, no projeto que o Centro Europeu vem desenvolvendo, o InternacionalizeCE 2018. Zé Seleme, como é conhecido, tem o sonho de ajudar a transformar a vida de uma pequena comunidade no norte do Quênia, na África Oriental, e para isso organizou uma ONG em 2011 para arrecadar dinheiro e investir na educação das crianças da comunidade de Buuri, no norte daquele país.

Bandeira do país.

 

E a ideia se tornou um propósito de vida. Segundo Seleme, o que o motivou a querer ajudar o povo daquele país foi a hospitalidade com que foi recebido na primeira vez que visitou o Quênia. “O carisma do povo, como eles são acolhedores, como mesmo eles não tendo nada, ainda fazem questão de te dar alguma coisa, de te acolher. Então, isso foi fazendo cada vez mais eu me sentir em casa”.

Nesse país, mais da metade da população vive com menos de US$ 1 por dia. O Quênia oferece educação gratuita às crianças apenas até os treze anos de idade, enquanto no Brasil, por exemplo, é possível ir desde a pré-escola até o pós-doutorado em instituições públicas, sem custo algum.

Estudantes no Quênia.

Por falta de condições, a maioria das crianças quenianas para de estudar assim que completa a idade máxima do ensino gratuito. Com a ONG, Seleme acredita que possa tentar mudar a realidade local, oferecendo ajuda financeira às famílias carentes. Zé Seleme co-fundador e presidente da Ong Endeleza, explica que essa palavra significa “prosperidade” na língua local, e que adquire doações que são repassadas às famílias atendidas pelo grupo formado não só por ele, mas também por amigos. As doações podem ser feitas pela internet, com cartão de crédito, e os interessados ajudam para que o grupo possa desenvolver os projetos na África.

Uma das ideias que a entidade colocou em prática, é a de usar a agricultura para também financiar o projeto, e esta surgiu da necessidade de quebrar o vínculo de dependência entre as comunidades locais e as doações, que caíram desde o início da crise financeira. “O nosso objetivo sempre foi a autossuficiência, queríamos encontrar uma fonte própria de geração de recursos no Quênia. A queda nas doações só aceleraram esse processo”, explica Seleme. Ao todo, 250 crianças e 70 famílias são assistidas pela ONG neste projeto.

Letícia Usanovich e Zé Seleme com as cebolas plantadas através do projeto.

Letícia Usanovich, a diretora de projetos da ONG Endeleza conta que vários fatores pesaram na escolha da cebola. “Nós precisávamos de um produto de ciclo rápido e de alta durabilidade. A cebola rende três safras por ano. E se bem armazenadas, duram até 90 dias. Metade da cebola usada no Quênia é importada da Tanzânia, o que demonstrou uma deficiência na produção local”, afirma. Segundo Usanovich, a ONG contou com o apoio de técnicos e consultores, que ajudaram nos estudos de mercado e análises de clima e solo.

Plantio de cebolas no projeto da ONG Endeleza.

No Quênia, o sistema de ensino apesar de público, não é gratuito. A população é encarregada de custear as despesas que os filhos têm na escola, como merenda, material didático e uniforme, além do salário dos professores. No entanto, são poucas as famílias que conseguem arcar com os custos da educação. De acordo com dados de 2014 da UNESCO, o Quênia é um dos países com maior número de crianças fora da escola, contabilizando mais de 1 milhão. Apesar da expectativa de que uma criança tenha vida escolar de no mínimo 11 anos, lá a média nacional cai para 6 anos. Esses dados demonstram a importância de projetos como esse da ONG Endeleza, na África.

SERVIÇO:

No dia 15 junho, sexta-feira, às 19h30, Empreendedorismo Social,no Auditório Livraria da Vila (Shopping Pátio Batel).

Endereço: Av. Batel, 1868 – Curitiba/PR.

Para informações: Centro Europeu (41) 3233-6669

www.centroeuropeu.com.br

 

 

Fonte: Gazeta do Povo (www.gazetadopovo.com.br)

 

CURSO FASHION BUSINESS NO CENTRO EUROPEU…

O Centro Europeu, uma das principais escolas de profissões da América Latina, acaba de lançar o curso “Fashion Business” que prepara profissionais para atuar em um dos segmentos que mais cresce no mundo, o empreendedorismo na moda.

Mais do que desfiles e tendências em roupas e acessórios, o mercado da moda é extremamente abrangente e está em constante expansão. No Brasil, o segmento é o segundo maior gerador de empregos no país, e de acordo com a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecções (ABIT), são mais de 32 mil empresas que empregam cerca de 1,5 milhões de pessoas. É lógico que investir neste mercado exige muita pesquisa, conhecimento e competências profissionais, e é com essas premissas que o Centro Europeu inova ao trazer mais esse curso para Curitiba.

Com uma abordagem dinâmica e multidisciplinar, o objetivo do curso é fomentar a produção local e o design autoral formando profissionais capazes de avaliar novos comportamentos de consumo e identificar o potencial de um negócio. “A intenção é ampliar o olhar profissional dos alunos, oferecendo as ferramentas necessárias para que eles entendam o mercado e desenvolvam habilidades e competências para transformar suas ideias em negócios”, explica Nicolle Gora*, supervisora do curso “Fashion Business” do Centro Europeu.

“Os participantes também serão incentivados a desenvolver projetos de forma criativa e colaborativa, trabalhando com pessoas de diversas áreas como fotografia, cinema, artes visuais, e empreendedorismo, em um espaço que inspira criatividade “, complementa a especialista.

Ministrado por mentores experientes e com destaque no mercado de trabalho, o curso tem duração de 4 meses e é composto por disciplinas pautadas nas principais tendências mundiais de empreendedorismo e design de moda. Economia criativa, mercado e profissões de moda, comunicação e branding, plano de negócios e Design Thinking, identidade de marca, método canvas de negócios de moda, formação de preço, estratégias de venda, estratégias de inserção no mercado são alguns dos assuntos abordados no curso que é voltado para empreendedores, profissionais e estudantes em geral.

Além do sólido embasamento teórico, os alunos serão constantemente inseridos na realidade do mercado de trabalho, estudando o dia a dia de empreendedores do ramo e participando de palestras, showroom, pitches e mentorias exclusivas, através de  professores que são também profissionais influentes no mercado, mentores de negócios e empreendedores capacitados em prestar consultorias a fim de desenvolver sua competência profissional e ampliar o olhar para realizar seus projetos.

*Nicolle Gora é consultora de Gestão em Moda. Formada em Artes Plásticas e Desenho de Estilismo de Indumentária pela Escola Superior de Desenho e Moda “Felicidad Duce” de Barcelona-Espanha. Licenciada emArquitetura e Urbanismo e Pós-graduada em Antropologia Cultural pela Universidade Católica do Paraná. Complementou seus estudos com cursos em Londres, na Saint Martins College of Art and Design. Cursos de extensão em Coolhunting, Pesquisa e Análise de Tendências ISAE-FGV e Coolhunting e Mindstyle na Universidad de Palermo, Buenos Aires. Participou de grandes feiras de moda como o Bread & Butter em Barcelona, trabalhou com produção de moda na Passarela Barcelona e como assistente de criação de estilistas catalães como David Valls.

A primeira turma do curso “Fashion Business” do Centro Europeu terá início no próximo dia 05 de maio, com aulas aos sábados, no período da manhã, das 08h30 às 11h45. As atividades serão realizadas na sede Batel (Benjamin Lins, 999). Mais informações pelo telefone (41) 3233-6669 ou no site www.centroeuropeu.com.br.

Obs. Algumas imagens desta matéria foram retiradas da Internet com objetivos ilustrativos, sem finalidades comerciais.