• Home
  • Author: Larissa Germano

Author: Larissa Germano

Aos novos 40.

Este texto questiona o espanto de algumas pessoas ao se depararem com pessoas de 40 que ainda são jovens e dispostas, e propõe que seja qual for a idade, as pessoas se assumam como tal, sem pretensão de parecer o que não são, pois a grande compreensão de mundo vem com a idade.

Programação

A coluna de hoje convida a refletir: quem está no comando das escolhas e programa o que deve ser feito da Sua vida neste calendário elaborado para que sejamos e façamos ordinariamente as mesmas coisas, é você, ou há outro alguém nesse lugar?

O Homem Médio.

Falando sobre o homem médio, por que tanto o tememos, por que tanto corremos de ser ordinários, por que estamos sempre perseguindo um pódio que nos diferencie, que nos projete e retire da condição de sermos iguais aos demais?

Por que Tu permites?

Sobre uma dúvida intermitente acerca da existência de um Poder Maior, e a inspiração que algumas pessoas nos dá no sentido de não desistir da construção de um mundo melhor, mesmo em meio a tanta atrocidade e acontecimentos dolorosos contra o ser humano.

Basta uma coisa.

Por que é tão difícil mudar de vida? Por que tanta gente desiste dos sonhos? O texto de hoje fala sobre o próximo passo. Sobre o primeiro passo – talvez o único em que se deva pensar quando se deseja empreender na própria vida, uma mudança de estruturas.

Ser mãe.

Excepcionalmente hoje, o post acompanha o evento da data. Em homenagem ao dia das mães, posto uma poesia, que era pra ser letra de música mas não conseguiu, sobre o que é ser mãe. Entre outras coisas, nem todas perfeitas, escolhi falar destas, que são lindas e tão verdadeiras quanto podem ser. Um feliz Dia das Mães a todas às mamães presentes e ausentes!

A Rosa e o Sorvete. Por quê?

Explicando a nova coluna e a proposta, e aproveitando pra agradecer o autor da poética foto que compõe o logo (fernandopilatos, com perfil no Instagram). Para a música, a obra-prima de Gilberto Gil que apesar de narrar uma tragédia de amor, contém as duas palavras, de gêneros distintos, que nos remetem à doçura e nostalgia de um domingo no parque: “A Rosa e o Sorvete”.