• Home
  • Projeto Educação para a Morte. Reflexões sobre a morte no cotidiano escolar e o preparo do professor para lidar com a realidade da morte do outro e de si, espelhada na morte do outro.

Projeto Educação para a Morte. Reflexões sobre a morte no cotidiano escolar e o preparo do professor para lidar com a realidade da morte do outro e de si, espelhada na morte do outro.

André Luiz Reis Mattos

Bacharel em Administração pela UFRural/RJ, Mestre em História Cultural pela Universidade de Vassouras/RJ (Orientadora: Profª Doutora Ana Maria Dietrich); servidor da justiça estadual, ex-professor das disciplinas História da Educação, História da Arte, Arte e Educação e Teoria do Currículo no curso de Pedagogia da Faeterj – Três Rios/RJ;

 

Resumo:

Como professor de Arte e Educação da Faeterj – Três Rios/RJ (também das disciplinas de História da Educação e História da Arte) propus este projeto no 2ª semestre de 2017, para os alunos da disciplina Arte e Educação – 4º e 5º Períodos (repeti o projeto com os alunos do 4º e 5º períodos no primeiro semestre de 2018), com o objetivo de apresentar, discutir, analisar as questões da morte no cotidiano escolar de educação e a importância do professor aprender a lidar com a morte do outro e de si, espelhada na morte do outro (aluno, professores, funcionários, entre outros); bem como, com as experiências da morte vivenciadas por crianças e adolescentes de seu convívio educacional. O projeto Educação para a Morte tem seu nascedouro na minha pesquisa de mestrado onde as imagens fotográficas movimentaram a imaginação quanto à realidade imposta pelas fotografias de outros tempos, testemunhos da realidade de pós-morte das pessoas nelas retratadas; bem como, por perceber o quanto está questão encontra-se “fora” do campo de formação do pedagogo, apesar das experiências de violência e morte vividas pelos sujeitos comuns a atuação escolar. Enquanto educador constato que uma série de questões relacionadas à morte também permeiam o imaginário dos professores que experimentam o confronto desta realidade nas suas atividades educacionais.

Palavras-chaves: Educação, Morte, Pedagogo.

 

Project Education for Death. Reflections about death in the school routine and the preparation of the teacher to deal with the reality of the death of the other and of himself, mirrored in the death of the othe.

 

Abstract:

As a teacher of Art and Education at Faeterj – Três Rios / RJ (also in the subjects of History of Education and Art History) I proposed this project in the 2nd semester of 2017, for the students of Art and Education – 4th and 5th Periods the project with the students of the 4th and 5th periods in the first semester of 2018), with the objective of presenting, discussing, analyzing the issues of death in the school everyday of education and the importance of the teacher learning to deal with the death of the other and of yes, mirrored in the death of the other (student, teachers, employees, among others); as well as with the experiences of death experienced by children and adolescents of their educational life. The project Education for Death has its origin in my masters research where the photographic images moved the imagination about the reality imposed by the photographs of other times, testimonies of the postmortem reality of the people portrayed in them; as well as to perceive how much this question is “outside” the pedagogical training field, despite the experiences of violence and death experienced by the common subjects the school performance. As an educator I note that a number of issues related to death also permeate the imaginary of teachers who experience confrontation of this reality in their educational activities.

Key-words: Education, Death, Pedagogue.

 

Leia o artigo completo

Deixe uma resposta