• Home
  • Alquimia, arte e geometria para conectar um mundo desigual

Alquimia, arte e geometria para conectar um mundo desigual

Por Ana Maria Carvalho

 

As obras tridimensionais que brilham sob a luz ultravioleta, da artista brasileira radicada em Nova York, Sabrina Barrios, que já passaram pela Bélgica, Espanha, Dinamarca e Estados Unidos e chegaram ao Brasil em uma trilogia. Cada unidade desse tríptico geométrico é parte de um quebra-cabeça maior. Cabe ao espectador/participante conectar os pontos para entender a narrativa completa. Além disso, o público é convidado a participar da discussão explorando e fisicamente navegando por essas obras.

Sabrina atualmente tem trabalhos na exposição Consciounsness na Alfa Gallery em, Miami, que abriu neste mês de setembro e fica em até dezembro. A Galeria Flecha em Madri também expõe trabalhos da artista.

Para a curadora Daniela Mattos, a pesquisa artística da Sabrina compreende muitas intensidades “Algo de um feminino selvagem e alquímico, tramando o que dá corpo e materialidade às instalações, pinturas e objetos; com o rigor projetivo de seus desenhos; com suas pesquisas que imbricam teoria da conspiração, aspectos formais que remetem à questões identitárias e históricas de brasilidade; com tantas outras velocidades que não caberiam aqui, talvez por sua natureza conceitual e poética quase holográfica”, define Daniela.

“O que cabe a nós, portanto, é abrir nossa potência vibrátil à alquimia das formas, linhas e planos, decidindo como entraremos pelos portais que estes trabalhos geram e escolhendo nossas próprias cartografias e planos de fuga”, completa.

Como parte do seu processo de imersão no Rio de Janeiro, Sabrina viverá os dois lados de um país dividido socialmente e politicamente. De Abril até o fim deste ano a artista está vivenciando duas realidades, morando entre a zona sul carioca e a comunidade da Providência (favela mais antiga da cidade), onde terá a oportunidade de compreender a realidade daqueles cujas vozes são raramente ouvidas.

A sequência que começa com a obra “Plano de fuga” construída em um bunker subterrâneo no jardim da casa onde hoje funciona a galeria de arte Marquês456, carrega a simbologia de um espaço subterrâneo com elementos da bandeira do Brasil separados. A segunda obra Partidos”está no Espaço Despina que, para Sabrina, é um ponto de profusão artística e resistência política, ali a obra é construída de dois triângulos que simbolizam polaridades masculino e feminina, com um círculo, que juntos formam a bandeira do Brasil. E a última está sendo construída neste mês de setembro em conjunto com crianças do morro da Providência, representando o futuro, remetendo a uma trajetória rumo à luz–como símbolo de consciência–para que esses dois mundos coexistentes possam respeitosa e pacificamente habitar um mesmo lugar no espaço.

As três instalações estarão abertas à visitação durante o Art Rio de 27 a 30 de setembro:

1. Plano de Fuga (Julho; Marques456)

2. Partidos (Agosto; Espaço Despina)

3. Feixe (Setembro; Casa Amarela – dia 22/09)

A abertura da exposição na Casa Amarela acontece sábado, dia 22 de setembro, das 16 às 20h; e por ser sediada na comunidade contará com uma lista de confirmação para os interessados. Mais informações no email casaamarelaprovidencia@gmail.com

Algumas exposições da artista:

The Fourth Bronx Museum Biennial (New York, 2017);

Epic of Creation (Finland, 2017);

The Earth Experiment (Brooklyn, 2017);

The Horse Rider and The Eagle (Brussels 2016);

JustMAD Art Fair (Madrid, 2016);

MoMA (Museum of Modern Art) NY: Abstract Currents (New York, 2013).

Para saber mais sobre a artista:

https://www.sabrinabarrios.com/

 

 

Texto de Ana Maria Carvalho

Ana Maria Lima de Carvalho é jornalista especialista em comunicação, psicanalista e fotógrafa.
Sócia da Crio.Art assessoria especializada em arte contemporânea

Éverton Siqueira é estudante de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo e estagiário do Curso de Educação em Direitos Humanos da Universidade Federal do ABC (UFABC), além de colaborar, como editor assistente, nas publicações "Revista Contemporâneos" e "Revista Contemporartes".

Deixe uma resposta