• Home
  • LIVROS ERRANTES, HISTÓRIAS BRINCANTES: NARRATIVAS E LEITURAS PELA CIDADE AFORA

LIVROS ERRANTES, HISTÓRIAS BRINCANTES: NARRATIVAS E LEITURAS PELA CIDADE AFORA

Projeto promove narração de histórias e rodas de leitura para alunos do ensino fundamental de escolas públicas da rede municipal de Curitiba visando aproximação lúdica com o livro.

“Os livros adoram a errância e os que ficam na biblioteca são livros tristes. ”  (Noush Afarin Ansari)

Quem não gosta de ouvir uma boa história? Normalmente é um momento bem prazeroso, independentemente da idade que se tenha. E se for uma contação bem tradicional, simples, como as antigas avós faziam, com os pequenos sentados ao redor da cadeira de balanço sendo embalados apenas pela magia das palavras e pela doçura da voz, melhor ainda. Momentos inesquecíveis ou imaginados como esses serão oferecidos aos alunos do ensino fundamental das escolas públicas da rede municipal de Curitiba.

Michelle Peixoto e Vinícius Mazzon estão à frente como empreendedores e mediadores do Projeto Livros Errantes, Histórias Brincantes: Narrativas e Leituras Pela Cidade Afora que irá oferecer, até novembro, cem (100) sessões de narração de histórias e cem (100) rodas de leitura gratuitas, atingindo cerca de 9 mil alunos. Eles vêm desenvolvendo projetos semelhantes a este em Curitiba e em outros municípios do Paraná há oito anos, beneficiando crianças e adultos através da narração de histórias tradicionais, rodas de leitura, espetáculos teatrais e oficinas de capacitação voltadas para professores.

“Buscamos com este projeto proporcionar uma aproximação lúdica com o livro através da narrativa oral, experimentado a leitura literária como uma brincadeira”, define Vinícius.

“Nosso mote é reatar o fio de estórias que vem tecendo a humanidade desde o começo dos tempos, costurando com ele asas compatíveis para os leitores de hoje alçarem voo seguro pelo universo literário. Esperamos influenciar seres humanos que consigam dar rumo significativo ao seu futuro e ampliar os horizontes de seu presente. Seres humanos formados de beleza e de verdade, capazes de exercer a vida com cidadania e liberdade”, acrescenta Michelle.

A proposta de Livros Errantes, Histórias Brincantes é tirar o status de formalidade e sobriedade muitas vezes atribuído genericamente à literatura e, especificamente, às bibliotecas. “O livro pode ser compreendido como um brinquedo; as histórias, como aventuras; as bibliotecas, como espaços lúdicos – tudo depende da abordagem”, complementa Mazzon. Ele conta que as narrações são bem dinâmicas, recheadas com canções, parlendas, quadrinhas, adivinhas e brincadeiras que fazem parte da cultura tradicional brasileira. O repertório traz contos da tradição oral brasileira, mesclado com contos contemporâneos de literatura infanto-juvenil.

Interação e descontração também caracterizam as Rodas de Leitura. Os participantes acompanham a atividade com uma cópia dos textos em mãos e podem contribuir livremente com sua própria leitura e experiência particular em lúdicas conversas propostas com o objetivo de compartilhar as impressões pessoais. Ao final de cada sessão de leitura e narração os alunos têm acesso aos livros das histórias narradas e outros mais. A ideia é divulgar a arte literária infanto-juvenil nacional e nossos autores de destaque, além, é claro, de estimular o gosto pela leitura.

O projeto viabilizado pelo Shopping Muller através da Lei Municipal de Incentivo à Cultura oferece ainda dois (02) cursos gratuitos para educadores. O objetivo é apresentar um painel sobre a literatura infanto-juvenil, ilustrado por um acervo de cerca de 120 livros, que serão usados em atividades práticas com o objetivo de auxiliar os educadores a planejarem ações de incentivo à leitura, adequadas às diferentes fases da infância. “A intenção desse projeto é aliar a confrontação crítica do que se lê com uma proximidade lúdica com o livro.

Experimentando a leitura de forma descompromissada, o leitor cria intimidade com a literatura. O livro é seu amigo e seu brinquedo, seu espelho e sua luneta. Pode lhe fazer companhia quando estiver a sós, e pode servir de ponte para o diálogo com o outro. Por isso incentivamos a prática da narração de histórias e da leitura compartilhada no ambiente escolar, porque aprendendo a ler socialmente, criticamente e afetivamente, o leitor aos poucos se determina, se proclama e se emancipa. Em nossa sociedade atual, não há liberdade sem a capacidade bem desenvolvida da leitura”, argumenta Michelle.

“Livros Errantes, Histórias Bricantes fundamenta-se nas relações entre oralidade, literatura, leitura e cidadania. Acreditamos que a literatura oral e a literatura escrita podem trilhar caminhos que se interpenetram, contribuindo para o desenvolvimento de uma cultura rica e múltipla”, conclui Vinícius.

Michelle Peixoto é pedagoga e desenvolve trabalhos no âmbito escolar há mais de 10 anos. Vinícius Mazzon é integrante da Associação Malasartes, da Travessia – Arte e Educação e do Trio Dedo de Prosa, com os quais já circulou com apresentações de teatro e narração de histórias por diversas regiões do país.

Este projeto é uma realização da Passaredo – Educação e Arte em parceria com a Travessia – arte e educação e foi incentivado pelo Shopping Muller por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura. Rodas de Leitura e Oficinas Literárias: Michelle Peixoto
Contações de Histórias: Vinícius Mazzon

Fotos: Lucas Rachinski

Contatos:

Produção
Vinícius Mazzon
41 99622 2829
viniciusmazzon@gmail.com

Assessoria de Imprensa
Glaucia Domingos
41 99909 7837
glauciadomingos@hotmail.com

Tags:, , ,
Izabel Liviski é professora e fotógrafa. Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), escreve a coluna INcontros desde 2009 e é também Co-Editora da Revista​ ContemporArtes.​ Contato: bel.photographia@gmail.com

Deixe uma resposta