• Home
  • União Lapa: Nossa peleja, nossa revolução

União Lapa: Nossa peleja, nossa revolução

 

União Lapa Foot Ball Club

Nossa peleja, nossa revolução
Texto-relato escrito pelas mulheres da equipe de futebol (mista) de várzea

Jogadoras do União Lapa concentradas na partida. Lapa-SP, 2018.

Perguntas ecoam no ar dos campos de futebol país afora:
– Seria papel da mulher jogar futebol?
– Essa mulher poderia jogar na várzea e ainda junto com caras?

CDC Bicudão, Lapa-SP, 2018.

Só de entrar em campo com manas, o time vira “time de mina” e isso aparece como um adjetivo depreciativo vindo de uma sociedade conservadora, sexista e machista. Após algum tempo de jogo, eles percebem que não estamos de brincadeira e que vamos jogar com força e garra, de igual para igual e isto parece que afeta a masculinidade.
Muitos perdem o compasso, “Vixi, perder de time de mina não dá.”
“Nossa, a mina tá deitando nos caras.”
– dito aos risos, se torna questão de honra pro cara tirar a bola da mana a qualquer custo ou amaciar o jogo para dizer que está deixando-a passar porque é mulher e aí não dá pra entrar forte. Sem contar as frases:
“A gatinha, pode deixar que eu marco.”

Essa zaga é tipo uma muralha que não passa um, 2018.

“Mina feia, joga que nem homem.”

Camisa 8, só tapa. 2016.

– Mas não conseguimos entender o que tem a ver padrão de beleza tosco com jogar futebol.
– Será que todo mundo pode realmente jogar futebol?

União Lapa X PSU Athletic

O futebol para as mulheres sempre é uma ferramenta de resistência. Carregamos a bola como nossa arma e a várzea como um espaço de luta.

Peleja na Lapa

A revolução só acontece com mulheres no front. Em campo com a bola no pé, num drible monstro, num carrinho lindo, num domínio com classe ou numa dividida de bola.

União Lapa Foot Ball Club. CDC Bicudão, Lapa-SP, 2018.

Seja na defesa ou no ataque, resistimos.
Tags:, , ,
Mestra em Ensino, História e Filosofia das Ciências pela UFABC. Bacharel e licenciada em Ciênciais Sociais pelo Centro Universitário Fundação Santo André (CUFSA). Professora de Geografia e Sociologia (PEI/SEE-SP). Produtora do programa Artvismo, Rede TVT. Trabalha com audiovisual e fotografia desde meados de 2007, dirigiu dois documentários: Transformação Sensível, Neblina Sobre Trilhos (CUFSA/UFABC/MEC/2012) que aborda a história ferroviária, sobretudo a Vila de Paranapiacaba-SP e Seja Mais (UFABC/MEC/2017) que trata a respeito da Educação em Direitos Humanos. Faz parte do coletivo de ação direta e futebol Rosanegra. Pesquisa música e tenta estudar acordeon.

Deixe uma resposta