• Home
  • “O DELÍRIO DO VERBO”, PEÇA COM JONAS BLOCH, É ATRAÇÃO NA CAIXA CULTURAL CURITIBA

“O DELÍRIO DO VERBO”, PEÇA COM JONAS BLOCH, É ATRAÇÃO NA CAIXA CULTURAL CURITIBA

“Noventa por cento do que eu escrevo é invenção. Só dez por cento é mentira” – Manoel de Barros (1916-2014)

A CAIXA Cultural traz a Curitiba, de 05 a 08 de julho, a peça “O Delírio do Verbo” com o ator Jonas Bloch interpretando textos de Manoel de Barros. Uma narrativa cheia de poesia e humor, que traz um novo olhar sobre a vida, numa linguagem inovadora e surpreendente. O renomado ator Jonas Bloch, com mais de 50 anos de atuação em teatro, cinema e televisão, apaixonou-se pelos textos de Manoel de Barros e selecionou os que se adaptavam ao teatro para realizar esse espetáculo.

“Ao ler Manoel de Barros, fiquei tão emocionado, que meu primeiro impulso foi o de compartilhar suas palavras com todo mundo. Selecionei os textos, procurando dar uma visão das diversas faces da obra deste grande poeta. A grande ambição do ator é ser instrumento da beleza, mensageiro de um mundo novo.

Fazer com que as pessoas saiam de sua rotina e vivenciem outros universos, tenham experiências que ampliem seus horizontes e cresçam como seres humanos. Manoel de Barros nos oferece isso, um novo olhar sobre a vida, transgride a linguagem estabelecida, a visão estratificada de nossa cultura, abre nossos olhos para as coisas mais essenciais, abrindo caminhos para uma renovação”, comenta Jonas Bloch.

Foto de Cena 1

 

Considerado por Carlos Drummond de Andrade, “o maior poeta brasileiro”, a poesia de Manoel não é composta de rimas e métrica. Não se baseia num clima romântico tradicional, é plena de humor, de inovações e delicadezas. A equipe do espetáculo tem a supervisão de Emílio de Mello, também ator, figurinos de Cassio Brasil e desenho de luz de Bruno Cerezoli. A cenografia é inspirada no artista Arthur Bispo do Rosário, cuja obra se identifica com as citações de Manoel de Barros.

Ambos encontram beleza em coisas que não damos importância, transformando-as em poesia, as “coisas sem santidade”. O ator Jonas Bloch, também formado em Artes Visuais, é quem assina o cenário da peça, assim como o trabalho artesanal presente na cenografia.

Jonas Bloch:

Com mais de 50 anos de profissão como ator, Jonas Bloch dividiu sua carreira entre televisão, teatro e cinema. Participou de novelas, como “Mulheres de Areia”, “A Viagem” e “Novo Mundo”; estrelou filmes como “Amarelo Manga” e “Cabra Cega”; atuou em filmes e séries internacionais, com destaque para “Discretion Assured”; e emprestou seu talento a montagens como “Hamlet” e “Sonho de uma Noite de Verão”, ambas de Shakespeare.

Jonas Bloch também foi professor universitário. Já atuou em 38 peças de teatro, 40 filmes, e em 47 produções para a TV. Foi premiado no Festival de Cinema de Recife, em Pernambuco; no “Guarnicê” – Festival de Cinema do Maranhão; e no Festival Latino-Americano de Cinema de Canoa Quebrada, no Ceará. O ator, que possui mais de 50 anos de carreira, interpreta textos de Manoel de Barros numa narrativa cheia de poesia e humor. Ele apresenta um novo olhar sobre a vida com uma linguagem inovadora e surpreendente.

Foto de Cena 2

 

Manoel de Barros: 

Manoel de Barros foi vencedor de dois prêmios Jabuti. Guimarães Rosa, que fez a maior revolução na prosa brasileira, comparou os textos de Manoel a um “doce de coco”. Foi também comparado a São Francisco de Assis pelo filólogo Antônio Houaiss, “na humildade diante das coisas (…). Tenho por sua obra a mais alta admiração e muito amor.” Segundo o escritor João Antônio, a poesia de Manoel vai além: “Tem a força de um estampido em surdina. Carrega a alegria do choro.”

Millôr Fernandes afirmou que a obra do poeta é “única, inaugural, apogeu do chão.” E Geraldo Carneiro afirma: “Viva Manoel violeur d’amores, violador da última flor do Lácio, inculta e bela. Desde Guimarães Rosa a nossa língua não se submete a tamanha instabilidade semântica”.

Para assistir a trechos de “O Delírio do Verbo”:
https://www.youtube.com/watch?v=6evkyDUqEsI&feature=youtu.be

Serviço:
Teatro: “O Delírio do Verbo”, com Jonas Bloch
Local: CAIXA Cultural Curitiba – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR).
Data: de 05 a 08 de julho de 2018 (quinta a domingo)
Obs.: Dia 05 haverá intérprete de libras e bate papo com o ator.
Horário: de quinta a sábado, às 20h e domingo, às 19h.
Ingressos: vendas a partir de 30 de junho (sábado). R$ 10 e R$ 5 (meia – conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito CAIXA). A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura.
Bilheteria: (41) 2118-5111 (De terça a sábado, das 12h às 20h. Domingo, das 14h às 19h.)
Duração: 50 minutos
Classificação etária: 14 anos
Lotação máxima: 125 lugares (2 para cadeirantes)

Assessoria de Imprensa Local
Glaucia Domingos
41 99909 7837
glauciadomingos@hotmail.com

Assessoria de Imprensa da Caixa
Maria Celeste Corrêa – (41) 9 9995 0169 / 9 8786 4465
fernandezcorreamc@gmail.com

Assessoria de Imprensa da CAIXA Cultural Curitiba (PR)
(41) 3544-5641
www.caixa.gov.br/imprensa | @imprensaCAIXA
www.caixa.gov.br/cultura

Fotos: Guga Melgar

 

Tags:, , ,
Izabel Liviski é professora e fotógrafa. Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), escreve a coluna INcontros desde 2009 e é também Co-Editora da Revista​ ContemporArtes.​ Contato: izabel.liviski@gmail.com

Deixe uma resposta