Ensaios, crítica, crônicas e resenhas.
  • Home
  • Poemas de Olga Maria Baker

Poemas de Olga Maria Baker

A nota da semana vem com uma curta seleção de poemas da mineira Olga Maria Baker.

Em 2009, no meu aniversário de 18 anos, um irmão mais velho – que é, na verdade, o irmão mais velho do amigo mais velho que tenho – me deu o Cartas a um jovem poeta, do Rainer Maria Rilke. Eu, àquela altura – e ainda hoje – “um bicho da terra tão pequeno”, li todas as cartas do “poeta mais atual e permanente do nosso tempo” – segundo Carpeaux. Li todas, mastiguei algumas, engoli outras, digeri poucas e vomitei o resto. Depois, num exercício ruminante, intercalado por reações bovinas, fui moendo a matéria repetida – ainda que nunca a mesma – daquelas considerações tão acertadas, tão generosas e francas.

Ao fim de uma carta escrita em 23 de abril de 1903, como resposta a um pedido de Franz Xaver Kappus, Rilke, por sinceridade ou perspicácia – ou pelos dois – escreveu:

Por fim, no que diz respeito a meus livros, adoraria lhe enviar todos os que poderiam trazer alguma alegria para o senhor. Mas sou muito pobre, e meus livros não me pertencem mais, desde que foram publicados. Eu mesmo não posso compra-los e, como gostaria de fazer com frequência, dá-los para as pessoas que lhes demonstrariam afeição.

Sem aviso, o trecho me apareceu em maio, quando, com a publicação do Além da Terra, Além do Céu – Antologia de Poesia Brasileira Contemporânea – Vol II, pela Chiado editora, “faltava-me o recurso”. O poema, “Título”, feito para um antigo mestre, foi parar nas vistas do homenageado em A4.

Por essa altura, conheci os poemas de Olga Maria Beker: primeiro, o  “Cabeça de cavalo”, publicado na antologia da Chiado; depois, o Mixtape, livro que saiu pela editora independente Poemato, em 2016. Contando com 60 poemas, a “compilação de canções” se divide em três temas ou partes: 1) “O livro do toillete”, com “poemas feitas na cagada e alguns versos de merda”, segundo a poeta; 2) “O livro da dona de casa”, com versos que buscam por “um quarto que seja seu, um teto que seja – inteiro, completo – seu”; 3) “O livro da mãe”, revelando um outro lado da “poética bekeriana”, o lado B, de tons mais fechados, rondando por entre as “receitas e modos de preparo”, sem perder o toque satírico, sarcástico, irônico.

Selecionei algumas das minhas “canções” favoritas – levando em consideração o que há de mais emblemático em cada um dos “livros”, dos “temas” – para apresentar como nota e convite. O caso pode parecer curioso, pode parecer estranho, mas vai além da estranheza e curiosidade. Olhe de perto!

 

O livro do toillete

dedicatória à moda de prefácio
escrevo esses poemas cagando
para norma minha querida
sempre constipada sempre
ressecada
como diria minha avó

seca de não aliviar nunca

 

o êxtase de sábado

deixo
sobre o cesto
ao lado da privada
livros de poesia

sento-me como a estátua de rodin
pensativa            corcunda

abro um dos volumes
leio o primeiro verso
o segundo a estrofe

leio um vago no silêncio do poema

há qualquer coisa que me chega
toma de assalto meu jeito meu gesto
minha vontade

por um instante me anula e me devolve
livre

como um lugar desabitado
como um terceiro lado
à margem

 

arte à manzoni

dia desses
tive que limpar o excesso
com um poema solto

apertei sobre a pele macia o papel áspero
dobrei-o com esmero
repassei o verso
a folha

conferi uma última vez
(antes do descarte)
aquela arte à manzoni

li
uma última vez
a parte final

“que não sei dizer”

 

paradília

(fragmentos)

escrever um poema é como
dentre muitas coisas
administrar um peido

precisar o momento exato da
armadilha quando o cálculo
mal feito pode levar
repentinamente
a um estrondo
à deselegância do excesso
ao constrangimento

pode arrebatar de nós a satisfação
meticulosa e silente do sopro

da ação medida com decoro

1.
primeiro é preciso romper

nunca geri assim um peido
mas posso dizer assim

com toda cautela
posicionar um dos lados
favorecer
um furo uma falha
antecipar mentalmente a pressão
verificar a envergadura
a inclinação
o tronco

2.
sei bem que nem tudo que vem à prega
é peido

3.
o ar se revolta
avança recua some
solta um ruído à beira

ou ficamos os dois no ferrolho
ou nos livramos os dois

4.
Esclarecendo que
como luiza disse
é um duelo agudíssimo

5.
não é uma questão de vida ou morte
mas o corte impreciso frustra mutila
esvanece

(…)

 

O livro da dona de casa

arte patética

às vezes
finjo ser a poeta que finge
ser eu

poema com a mão esquerda

saber a casa é um ombro a curvar e a tremer
um coração a saber o próprio pulso
a certeza de ter uma pena
a mão

de um corpo em queda

títulos maravilhosos para poemas
sem razão como são as pessoas
com nomes maravilhosos
sem ritmo algum
exercícios de natureza-morta

frutas louças instrumentos
musicais flores livros taças
de vidro garrafas jarras
de metal porcelanas
frágeis flores fundos pratos

ponto cruz

há uma larga diferença entre
não acreditar em deus e acreditar
que deus não existe

uma largura imensa

eu mesma
não acredito em deus

escuto por simpatia

pelos anos ininterruptos de amizade
por aquela tarde no dia das crianças

no jardim

 

cabeça de cavalo

num poema de nome estranho
a poeta disse que não há maior beleza
do que a beleza do que
não tem futuro

eu sei que é duro eu sei

mas o sentido da vida é não ter sentido a priori
e até que a poeta melhore dessa foça
seguirá pensando em homens geniais
de bigode morrendo aos cuidados da mãe

 

O livro da mãe

diário ínfimo

achei os retalhos antigos de um diário seu
deitado à margem do livro de receitas
ao lado dos ingredientes e dos modos de preparo

achei ali uns rabiscos
datados e quase ilegíveis
daquele último ano

que era todos os anos à espera de não mais

achei na leitura de cada tira uma letra sua
no beiral desse livro outro também de receitas
que é a minha figura atulhada de ingredientes e de modos
de preparo

 

BAKER, Olga Maria. Mixtade. Nova Lima: Poemato, 2016.

Tags:, ,
Lucca Tartaglia é doutorando em Letras Vernáculas, na Universidade Federal do Rio de Janeiro, possui mestrado em Letras (Estudos Literários) pelo programa de pós-graduação da Universidade Federal de Viçosa (2014) e graduação em Letras (Língua Portuguesa / Literaturas de Língua Portuguesa) pela mesma instituição (2013). É colaborador, como membro estudante, do Núcleo de Estudos Portugueses (NEP) - atuando na linha de pesquisa Literatura, Cultura e Sociedade - e, como pesquisador, no grupo Formação de Professores de Línguas e Literatura (FORPROLL), linha de pesquisa Estudos de cultura, linguagens e suas manifestações, ambos vinculados ao CNPq.

Deixe uma resposta

Assine nossa Newsletter

Faça parte dos nossos assinantes.

Estatísticas de Acesso