• Home
  • Estreia da coluna Entre rios e fronteiras

Estreia da coluna Entre rios e fronteiras

Essa coluna é filha de um encontro, resultante de um percurso. Encontro histórico, antes que geográfico. União humana, política, social e relacional para a conferência de abertura da aula inaugural do curso de especialização Ensino, Educação História e Direitos Humanos promovido pela Faculdade de História da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará – Unifesspa (Figura 1).

Figura 1. Encontro na Conferência da aula inaugural do curso de especialização Ensino, Educação Histórica e Direitos Humanos, 27 outubro 2017. Fonte: Acervo Pessoal.

Convidamos a professora Ana Dietrich, após excelentes debates e reflexões neste primeiro momento, nos deslocamos para outros pontos da região. Fomos conhecer o encontro das águas, dos rios Tocantins e Araguaia, que banham a parte geográfica denominada Bico do Papagaio, espaço que abarca parte do Pará, do Maranhão e do Tocantins (Figura 2). Local de junção das águas, dos peixes, de pessoas e de embarcações.

 

Figura 2. Bico do Papagaio, local do encontro das águas, lado esquerdo Rio Tocantins e lado direito Rio Araguaia Fonte: Acervo Pessoal.

Percorrendo as águas esverdeadas e volumosas do rio Araguaia, entre risos, brincadeiras, medos e palavras ao vento, recebemos o convite da professora Ana Dietrich para fazer parte da Revista Contemporartes, criando uma coluna cujo objetivo seria contar e descrever um pouco de nossas experiências e pesquisas; narrar um pouco das nossas leituras e olhares por meio dos espaços urbanos e sua constituição histórica.

A ideia da escrita e o nome da coluna surgiram numa manhã de sol radiante, em um pequeno barco a motor, diante de olhares fitos na paisagem e nos movimentos das águas. Nesse movimento se insere a coluna Entre Rios e Fronteiras. Espaço plural, poliédrico e relacional. Lugar de fronteiras que nos leva em companhia com o movimento das águas, mas também das palavras. Dessas tessituras narrativas e fluviais chega essa revista eletrônica com suas histórias, representações, deslocamentos e expressões; tecendo leituras de lugares que compõem a Amazônia Oriental (Figura 3) e sua grande diversidade socioeconômica e cultural.

Figura 3. Localização da Amazônia Oriental. Fonte: https://www.sbcs.org.br/nucleos-regionais/

Percorrer essa coluna será um convite ao encontro de outras narrativas, de outras trilhas. Caminhos sinuosos, espaços curvilíneos e movimentos ondulares. O encontro narrativo da ‘Entre Rios e Fronteiras’ será perfilado por histórias e olhares que dão a ver experiências de vida de homens e mulheres cujos relatos pintam com palavras, leituras de outros “Brasis”. Fronteiras, margens, paisagem, natureza, vida, morte, seca, silêncios, gritos, desmatamento e lágrimas percorrem seus limites, estabelecendo discursos, criando narrativas e memórias.

Sendo assim, Entre Rios e Fronteiras pretende apresentar esse cenário desafiador, instigante em sua configuração e em sua cartografia como fio condutor que vem tecendo nossas histórias na cidade de Marabá-PA e de seus arredores. Os rios Tocantins, Araguaia, Itacaiúnas e tantos outros com suas fronteiras fluviais nos possibilitam pensar e problematizar essa Amazônia, esse espaço histórico, político e cultural (Figura 4). Pensar nas migrações, na violação dos direitos humanos de índios e imigrantes e no trabalho escravo que fere a dignidade humana. Permite refletir a exploração dos recursos naturais e de seus impactos ambientais, na extração do ouro, do caucho, dos castanhais, do corte de madeira ilegal em nome do progresso, modernização e desenvolvimento.

 

Figura 4.Hidrografia paraense. Fonte: Revista Espacios, v.33, n.4, 2012.

            Diante dessa diversidade temática e seus contextos históricos, os professores Geovanni Cabral, José Amilton, Maria Clara e Airton Pereira tomam como ponto de partida suas histórias, pesquisas e leituras para compor essas narrativas.  Todos eles seguem nesse chão amazônico, nesse calor humano estabelecendo laços e pontes a essas fronteiras. Quem são esses historiadores que se encontraram no Norte desse país, vindo de diferentes cidades ingressando na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará e na Universidade do Estado do Pará (UEPA).

Das terras pernambucanas, veio Geovanni Cabral, com estudos na área da literatura de cordel e no ensino de História. De São Paulo, José Amilton e Maria Clara com pesquisas na área do planejamento das cidades e teoria da história, com escravidão e questões étnico-raciais, respectivamente; ambos trabalhando na Faculdade de História da Unifesspa. E de Marabá-PA contamos com o professor Airton Pereira, o qual se destaca com suas pesquisas voltadas para a ditadura militar, movimentos sociais, conflitos e violência do campo e trabalho escravo contemporâneo na Universidade do Estado do Pará – UEPA.

Portanto, são esses pesquisadores mencionados acima, que residem atualmente na cidade de Marabá- PA, que se propõem com suas especificidades e experiências pesquisar, contar e escrever aspectos desse espaço histórico, político, humano e cultural.   Sejam bem vindos a essas leituras, a essas memórias das águas, rios e fronteiras!!!!

 

 

Tags:, ,
Possui Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal Rural de Pernambuco- UFRPE, Especialização no Ensino de História -UFRPE, Mestrado em História pela Universidade Federal de Pernambuco- UFPE, Doutorado em História pela Universidade Federal de Pernambuco- UFPE - área de concentração História do Norte e Nordeste do Brasil. Tem experiência na área de História Cultural, Brasil Republicano, História da Educação, Ensino de História, Cultura Popular e Patrimônio e Educação à Distância. É Professor Adjunto da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará e membro do grupo de pesquisa Interpretação do tempo: ensino, memória, narrativa e politica (iTempo - CNPq/Unifesspa). Atualmente vem desenvolvendo pesquisas na área do Ensino de História tendo como eixo investigativo o uso da fotografia em sala de aula e novas linguagens. Autor e coordenador dos livros A história e suas práticas de escrita, editados pela Editora da Universidade Federal de Pernambuco.

Deixe uma resposta