Início

Mais lidas

O outro, espelho de mim
maio 03, 2017

O outro, espelho de mim

Neste momento me pergunto se as notícias de horror de outros países, que são apresentadas aos europeus, não serviriam também como uma forma de propaganda, como uma forma de construção da sua própria identidade.
A FEMINILIDADE: UMA CONSTRUÇÃO DO SER MULHER.
ago 25, 2017

A FEMINILIDADE: UMA CONSTRUÇÃO DO SER MULHER.

A Coluna INcontros recebe nesta semana, a contribuição de Guilherme Silva dos Passos* e Ana Suy Sesarino Kuss**, sobre um tema debatido em várias áreas do conhecimento, que é o da feminilidade e a construção do ser mulher, mas o enfoque dos autores aqui é aprofundado através da Psicanálise.
Direitos da pessoa humana e as violências no Brasil
abr 18, 2017

Direitos da pessoa humana e as violências no Brasil

Novamente dedicarei esta coluna para tratar dos ameaçados direitos da pessoa humana e as reformas trabalhistas.Ao analisar o gráfico acerca da estimativa de vida da população brasileira é possível verificar que melhorou.

Leia também

O INUSITADO MUSEU DO NEON EM VARSÓVIA
nov 24, 2017

O INUSITADO MUSEU DO NEON EM VARSÓVIA

Durante minha visita à Polônia em uma viagem de estudos, conhecí inúmeros museus, todos dotados de tecnologia de ponta e alta interatividade, mas teve um que particularmente chamou minha atenção, o Museu do Néon ou Neon Muzeum localizado em um centro criativo e 'descolado' de Varsóvia, o Soho Factory no bairro de Praga. O espaço já foi uma fábrica de munição e também de motocicletas durante a Guerra Fria. O Museu é um grande galpão com centenas de sinais produzidos em néon e que contam um pouco da  história da Polônia. Além desse incrível museu, pode-se encontrar galerias, escritórios de arte e design, pequenos estúdios de cinema, bares e restaurantes, esse local atualmente tornou-se uma usina de criatividade e inovação.

Os sinais em néon foram produzidos na década de 50 e 60 do século passado,  um período conturbado na história do país, época em que a União Soviética dominava a Polônia e outros países do leste europeu. Os soviéticos achavam que o néon era um material publicitário que vinha de encontro aos princípios socialistas, como uma forma de consumo ordenada e padronizada, delegando a designers e arquitetos a tarefa de criarem luminosos que foram colocados em estabelecimentos de todo o país.

As placas indicam de forma minimalista o tipo de estabelecimento ou de produto comercializado. Em alguns, o design e as cores  traduzem a ideologia do Partido Comunista, como um dos néons que indica um restaurante chinês, para que os poloneses se acostumassem com a culinária da pátria do 'camarada' Mao Tsé-Tung.

O Neon Muzeum foi fundado em 2005, e é totalmente dedicado à documentação e à preservação desses luminosos originais que a partir da queda da União Soviética, estavam fadados a desaparecer. Segundo seus fundadores, David Hill e Ilona Karwinska: "Nossa instituição tem se empenhado apaixonadamente na enorme tarefa de pesquisar e restaurar os últimos remanescentes sobreviventes da campanha de "grande neonização" em todo o antigo Bloco do Leste. Nossos esforços contínuos foram creditados com o início de um novo renascimento do néon em toda a Polônia; um movimento que culminou na abertura do primeiro e único museu desse tipo na Europa."

"Trata-se de uma coleção permanente que contém centenas de sinais de néon deslumbrantes e outros artefatos eletrográficos, muitos dos quais foram desenhados pelos grandes artistas da época - que eram responsáveis ​​pela mundialmente famosa escola de cartazes polonesa. Quando você visita o nosso museu, você será atingido pela pura inventividade e características únicas de uma forma de arte até então desconhecida - que nasceu da revolução, serviu como propaganda estatal e floresceu durante o período pós-guerra da Polônia", continuam David e Ilona.

"Com base em mais de uma década de esforços de preservação e pesquisa, iniciamos uma campanha para proteger os últimos sinais de néon importantes dentro de seu cenário urbano original. Nós chamamos esta campanha de sucesso e de ação bem sucedida, como 'Ação de Renovação!' E já restabelecemos alguns dos sinais mais emblemáticos de Varsóvia,  como a sereia Syrenka na Ul. Grójecka, e o incomparável 'Mydła Farby' (Soap & Paint) na Ul. Nowolipki, além de recriar o icônico sinal de néon  'Jaś i Małgosia' para uma nova cafeteria com o mesmo nome na Al. Solidarności", comentam seus idealizadores. 

Acrescentando ainda que "nossa equipe de voluntários experientes e entusiasmados está à disposição para ajudar os visitantes e grupos maiores e manter o Neon Muzeum aberto cinco dias por semana - além de hospedar outros eventos especiais, exibições de filmes, visitas guiadas e passeios especiais. O Neon Muzeum é uma instituição totalmente privada e não busca nem recebe financiamento público. São os visitantes e apoiadores que financiam diretamente esse grande acervo que tem a missão de preservar e restaurar artefatos únicos de néon para as gerações futuras".

A entrada custa cerca de 10 Złotys, um pouco menos de dez reais, e o museu fica em um bairro de fácil acesso. É um local muito especial para quem é interessado em cultura vintage, luminosos, publicidade, em tipografia de larga escala e principalmente na história da Polônia durante a Guerra Fria. Assim recomendo a todos para conhecerem o fascinante Polish Neon, que faz parte de um iluminado mas também sombrio passado da Polônia. 

Texto e Fotos: Izabel Liviski.

Mais informações:   http://www.neonmuzeum.org/pages/contact.html Endereço: Soho Factory, Mińska 25, Praga District, 03-808 Warsaw, Polônia. Horário:  12:00hs–17:00hs. Telefone: +48 665 711 635        

EM FOCO: MAISON EUROPÉENNE DE LA PHOTOGRAPHIE...
jul 14, 2017

EM FOCO: MAISON EUROPÉENNE DE LA PHOTOGRAPHIE...

Na coluna INcontros, Izabel Liviski apresenta o Maison Européenne de la Photographie, um prestigiado museu de fotografia contemporânea no coração de Paris.
As 7 condições do crítico ideal
maio 18, 2017

As 7 condições do crítico ideal

Na manhã de terça-feira, dia 16, o Le Monde anunciou “La mort d’Antonio Candido, figure de la gauche brésilienne”, texto assinado pelo jornalista franco-brasileiro Paulo A. Paranaguá.

Assine nossa Newsletter

Faça parte dos nossos assinantes.

Estatísticas de Acesso