set 20, 2018
0

Por Ana Maria Carvalho

  As obras tridimensionais que brilham sob a luz ultravioleta, da artista brasileira radicada em Nova York, Sabrina Barrios, que já passaram pela Bélgica, Espanha, Dinamarca e Estados Unidos e chegaram ao Brasil em uma trilogia. Cada unidade desse tríptico geométrico é parte de um quebra-cabeça maior. Cabe ao espectador/participante conectar os pontos para entender a narrativa completa. Além disso, o público é convidado a participar da discussão explorando e fisicamente navegando por essas obras. Sabrina atualmente tem trabalhos na exposição Consciounsness na Alfa Gallery em, Miami, que abriu neste mês de setembro e fica em até dezembro. A Galeria Flecha em Madri também expõe trabalhos da artista. Para a curadora Daniela Mattos, a pesquisa artística da Sabrina compreende muitas intensidades "Algo de um feminino selvagem e alquímico, tramando o que dá corpo e materialidade às instalações, pinturas e objetos; com o rigor projetivo de seus desenhos; com suas pesquisas que imbricam teoria da conspiração, aspectos formais que remetem à questões identitárias e históricas de brasilidade; com tantas outras velocidades que não caberiam aqui, talvez por sua natureza conceitual e poética quase holográfica", define Daniela. “O que cabe a nós, portanto, é abrir nossa potência vibrátil à alquimia das formas, linhas e planos, decidindo como entraremos pelos portais que estes trabalhos geram e escolhendo nossas próprias cartografias e planos de fuga”, completa. Como parte do seu processo de imersão no Rio de Janeiro, Sabrina viverá os dois lados de um país dividido socialmente e politicamente. De Abril até o fim deste ano a artista está vivenciando duas realidades, morando entre a zona sul carioca e a comunidade da Providência (favela mais antiga da cidade), onde terá a oportunidade de compreender a realidade daqueles cujas vozes são raramente ouvidas. A sequência que começa com a obra "Plano de fuga" construída em um bunker subterrâneo no jardim da casa onde hoje funciona a galeria de arte Marquês456, carrega a simbologia de um espaço subterrâneo com elementos da bandeira do Brasil separados. A segunda obra Partidos"está no Espaço Despina que, para Sabrina, é um ponto de profusão artística e resistência política, ali a obra é construída de dois triângulos que simbolizam polaridades masculino e feminina, com um círculo, que juntos formam a bandeira do Brasil. E a última está sendo construída neste mês de setembro em conjunto com crianças do morro da Providência, representando o futuro, remetendo a uma trajetória rumo à luz–como símbolo de consciência–para que esses dois mundos coexistentes possam respeitosa e pacificamente habitar um mesmo lugar no espaço. As três instalações estarão abertas à visitação durante o Art Rio de 27 a 30 de setembro: 1. Plano de Fuga (Julho; Marques456) 2. Partidos (Agosto; Espaço Despina) 3. Feixe (Setembro; Casa Amarela - dia 22/09) A abertura da exposição na Casa Amarela acontece sábado, dia 22 de setembro, das 16 às 20h; e por ser sediada na comunidade contará com uma lista de confirmação para os interessados. Mais informações no email casaamarelaprovidencia@gmail.com Algumas exposições da artista: The Fourth Bronx Museum Biennial (New York, 2017); Epic of Creation (Finland, 2017); The Earth Experiment (Brooklyn, 2017); The Horse Rider and The Eagle (Brussels 2016); JustMAD Art Fair (Madrid, 2016); MoMA (Museum of Modern Art) NY: Abstract Currents (New York, 2013). Para saber mais sobre a artista: https://www.sabrinabarrios.com/    

Texto de Ana Maria Carvalho

Ana Maria Lima de Carvalho é jornalista especialista em comunicação, psicanalista e fotógrafa. Sócia da Crio.Art assessoria especializada em arte contemporânea

Início

Mais lidas

A ditadura no Chile a transição para a democracia
mar 31, 2018

A ditadura no Chile a transição para a democracia

As instituições militares no Chile caracterizaram-se, historicamente, por uma rigidez institucional e pela segregação com as questões políticas dos civis. Tais fatores, a partir de 1920 com a mudança de cunho ideológico na sociedade chilena, levaram, entre outros movimentos, ao golpe militar de 1973 contra o então presidente Salvador Allende, articulado pelo general Augusto Pinochet, que se instalou no poder por dezessete anos (LOPES e CHEHAB, 2015).
A FEMINILIDADE: UMA CONSTRUÇÃO DO SER MULHER.
ago 25, 2017

A FEMINILIDADE: UMA CONSTRUÇÃO DO SER MULHER.

A Coluna INcontros recebe nesta semana, a contribuição de Guilherme Silva dos Passos* e Ana Suy Sesarino Kuss**, sobre um tema debatido em várias áreas do conhecimento, que é o da feminilidade e a construção do ser mulher, mas o enfoque dos autores aqui é aprofundado através da Psicanálise.
PERSONALIDADES POLÔNICAS: KORNELIA FIALKOWSKA
abr 07, 2017

PERSONALIDADES POLÔNICAS: KORNELIA FIALKOWSKA

A coluna Polonaises inaugura hoje uma sessão de personalidades polônicas, trazendo um pouco da história de uma polonesa que apesar de muito jovem, já viveu em alguns países do mundo e, inclusive no Brasil.

Leia também

Apresentação
mar 13, 2017

Apresentação

Na seção "Artefato" irei abordar temas nos campos da História da Arte, Crítica de Arte, Curadoria e bens culturais, trazendo resenhas de exposições e sobre visitas a instituições culturais em São Paulo.
O QUE FOI O HOLODOMOR?
nov 09, 2017

O QUE FOI O HOLODOMOR?

Curitiba vai receber a partir desta sexta-feira, dia 10/11, uma impactante e inédita exposição de fotografias e documentos a respeito do Holodomor, fato histórico ainda pouco conhecido no Brasil, e deliberadamente ignorado por alguns outros países.
O sonho de Gaetaninho
fev 07, 2018

O sonho de Gaetaninho

Em 1927, foi publicado o livro Brás, Bexiga e Barra Funda, de Antônio de Alcântara Machado, composto por onze contos que retratam a adaptação do imigrante italiano, a urbanização de São Paulo e o comportamento dos personagens modernos da obra. Nessa narrativa, o imigrante é a figura de destaque que ressalta o processo de adaptação econômica e cultural desse grupo, que por sinal foi um processo repleto de esforços e dificuldades. Em poucos contos o imigrante italiano apresenta a ascensão econômica, enquanto o paulista aristocrata simboliza a falência e a vontade de reascender socialmente, e para melhor exemplificar essa situação o autor utiliza o “automóvel” como símbolo dessa ascensão, devido ao fato do veículo ser um objeto de alto valor aquisitivo, representado o luxo e o poder na sociedade paulista de 1920.

O conto Gaetaninho retrata a história de um menino, representante dos imigrantes de condição humilde, que ficava perambulando pela Rua do Oriente admirado com os Fords que ali passavam. O sonho do garoto, de andar de carro pelas ruas, era de difícil concretização pois as pessoas de classe média e baixa só andavam de bonde,  e caso andassem de carro era por motivo de enterros ou casamentos. Embora inacessível às pessoas pobres o fascínio pela vontade de andar em um automóvel era tão intensa que fez Gaetaninho sonhar com essa possibilidade: Gaetaninho enfiou a cabeça embaixo do travesseiro. Que beleza, rapaz! Na frente quatro cavalos pretos empenachados levavam a tia Filomena para o cemitério. Depois o padre. Depois o Savério noivo dela de lenço nos olhos. Depois ele. Na boléia do carro. Ao lado do cocheiro. Com a roupa marinheira e o gorro branco onde se lia: Encouraçado São Paulo. Não. Ficava mais bonito de roupa marinheira mas com a palhetinha nova que o irmão lhe trouxera da fábrica. E ligas pretas segurando as meias. Que beleza rapaz! Dentro do carro o pai os dois irmãos mais velhos (um de gravata vermelha outro de gravata verde) e o padrinho Seu Salomone. Muita gente nas calçadas, nas portas e nas janelas dos palacetes, vendo o enterro. Sobretudo admirando o Caetaninho. (MACHADO, 2002, p.21)   Nesse sonho o personagem realizava a vontade de andar de carro, mas por intermédio da morte da sua tia Filomena. Mas o desejo de Gaetaninho não é concretizado na vida real, e sua morte é destituída pelo seu sonho, mas que assume um tom cômico no conto: Gaetaninho saiu correndo. Antes de alcançar a bola um bonde o pegou. Pegou e matou. No bonde vinha o pai do Gaetaninho. A gurizada assustada espalhou a noticia na noite. - Sabe o Gaetaninho? - Que é que tem? - Amassou o bonde! A vizinhança limpou com benzina suas roupas domingueiras. Às dezesseis horas do dia seguinte saiu um enterro da Rua do Oriente e Gaetaninho não ia na boléia de nenhum dos carros do acompanhamento. Ia no da frente dentro de um caixão fechado com flores pobres por cima. Vestia a roupa marinheira, tinha as ligas, mas não levava a palhetinha. Quem na boléia de um dos carros do cortejo mirim exibia soberbo terno vermelho que feria a vista da gente era o Beppino” (MACHADO, 2002, p.23)   O final do conto é surpreendente, não só pela rapidez de como se dá a morte de Gaetaninho, mas também pela troca de valores que o automóvel assume, passando de objeto admirado (representante do status econômicos) à motivo de dor e tristeza (a morte) que no conto é abordada com um caráter  humorístico através de uma construção irônica presente no diálogo (amassou o bonde). Sendo assim, Antônio de Alcântara Machado consegue criar uma inversão dos sentimentos para provocar o riso diante de um acontecimento trágico, isto é, a morte de um garoto que brincava na rua e foi atropelado por um objeto representante do “culto da velocidade”, da vida frenética urbana, da máquina. E o que era “tragédia” passa a ser “motivo de riso”. Exceto no conto Gaetaninho, Alcântara Machado aborda o automóvel nos demais contos como um encanto, símbolo de poder e riqueza. Para melhor explicar, temos o conto A Sociedade, que narra a história de um rapaz, filhos de imigrantes italianos, o autor utiliza o automóvel para representar a ascensão econômica do jovem: O Lancia passou como quem não quer nada. Quase parando. A mão enluvada cumprimentou com o chapéu Borsalino. Uiiiiia – Uiiiiia! Adriano Melli calcou o acelerador. Na primeira esquina fez a curva. Veio voltando. Passeou de novo. Continuou. Mais duzentos metros. Outra curva. Sempre na mesma rua. Gostava dela. Era a Rua da Liberdade. Pouco antes do número 259-C já sabe: uiiiiia-uiiiiia! (MACHADO, 1982, p.41)   Como podemos perceber o elemento de destaque no conto é o automóvel (Lancia) de Adriano, que passava na rua da sua namorada para vê-la, com isso os pais de Teresa Rita ao verem o automóvel do imigrante italiano começavam a rever seus preconceitos. E através disso, ou seja, com a conquista de bens materiais representantes do luxo e poder, os imigrantes que chegavam em São Paulo começavam a conquistar espaço na sociedade. Dessa forma, Alcântara Machado no conto Gaetaninho apresenta-nos esse objeto que causa fascínio, mas com um desfecho desencantador, no sentido de que o objeto de encanto foi a causa da morte de um garotinho que brincava de bola na rua. Por isso não podemos considerar que o culto pela velocidade trouxe somente agilidade para o sujeito que vive na cidade moderna, que precisa de praticidade, uma vez que o mesmo traz consigo sérios riscos: como o de deixar o homem “na mão” ou de causar acidentes graves, e até mesmo a morte. Como disse Marshall Berman, isso quer dizer que o automóvel tem um papel duplo no tráfego da cidade para aqueles que têm autoconfiança ou confiança de classe, os veículos são fortalezas protegidas de onde se domina a massa de pedestres; para aqueles que carecem e confianças, os veículos são armadilhas, gaiolas, cujos ocupantes se tornam extremamente vulneráveis ao relance fatal de qualquer assassino. (BERMAN, 2000, p.247)     Referências Bibliográficas: BERMAN, Marshall. Tudo o que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. Trad. Caros Felipe Moisés, Ana Maria Iovialti e Marcelo Macca. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.