jan 10, 2020
0
Luan Reis da Silva, graduando em História pela Universidade Federal Fluminense. Bolsista do programa "Viva ciência" da prefeitura de Campos dos Goytacazes, integrante do projeto de extensão "Museu Itinerante" da UFF-Campos,ambos coordenados pela professora Marcia Carneiro. Membro do Laboratorio de Estudos da Imanencia e da Transcendencia,  "LEIT", estuda e pesquisa acerca do patrimônio cultural (material e imaterial).

Nina Rodrigues e o pensamento eugênista: raiz do preconceito étnico-racial no pensamento brasileiro. 

Luan Reis da Silva

Resumo: O  presente  artigo  busca  a  partir  de  reflexões  da  atualidades  identificar permanências em relação ao preconceito racial no Brasil. Propomos um debate em relação a  historiografia positiva  e  o  pensamento  eugênico,  utilizando  do  pensamento  de  Nina Rodrigues enquanto fonte deste tipo de ideia cientifica, buscando identificar o alicerce do preconceito cultural e religioso. o artigo está dividido em: “Ciência positiva e Eugênia de mãos   dadas:   instrumentos   “científicos”   de   legitimação   do   Racismo   estrutural   no pensamento brasileiro”; “Pensamento de Nina Rodrigues em relação a cultura e religião afro-brasileira”; “Complexidade da figura arquetipica de Exú”. Palavras-chave: Eugênia, Positivismo, Mitologia Iorubá. Introdução: O ano de 2019 foi marcado por inúmeros ataques aos terreiros de Candomblé e Umbanda.  Não  é  de  se  estranhar  ler  esse  tipo  de  noticia,  apesar  de  ser  atitudes inadmissíveis vivemos em um país que tem enraizado inúmeros tipos de preconceito, seja de   credo,   étnico-racial,   gênero   ou   classe.   É   importante   entender   como   a   onda conservadora  neopentecostal  -que  atinge  atualmente  o  Brasil-  são  legitimados.  Não obstante,  temos  um  presidente  eleito  propagando  inúmeros  discursos  de  ódio  e preconceito, demonizando tudo e todos que não se enquadram na lógica heteronormativa, étnica, cristã e de classe. “Deus acima de tudo, Brasil acima de todos”1, com esse slogan já podemos identificar o projeto homogeneizador em curso em nosso país. Que Deus é esse que está acima de tudo? Os deuses dos panteões dos povos indígenas e povos negros estão nesse conceito de “Deus”? Esse Brasil que está acima de todos, é o país multiétnico? Multicultural?  Que  possuí  inúmeras  identidades?  Complexo  em  suas  relações?  Os seguidores de tais doutrinas sentem-se legitimados a atacar outras cosmogonias, seja pelo discurso político ou religioso dentro das igrejas evangélicas. Os  ataques  ocorreram  para além  do  campo  simbólico,  acometendo  também  os corpos e instrumentos de culto dos praticantes de outra visão cultural e religiosa, um total desrespeito com as pessoas que partilham dessa cultura e crença. Segundo o Babalawo Ivanir dos Santos 2, em entrevista a Folha de São Paulo, em setembro deste ano a comissão de combate a intolerância religiosa recebeu um total de 200 casos de ataques à terreiros. Inclusive a cidade de Campos dos Goytacazes, ocorreu um grande número desses ataques; os “traficantes de Jesus” obrigaram inúmeros terreiros da região a fechar as portas, com o discurso de que essas pessoas são adoradoras do “Diabo”.  Que tipo de pensamento está norteando  esses  ataques?  Por que o racismo religioso  continua tão  presente em nossa sociedade?  Na  tentativa  de  elucidar  essas  questões,  precisamos  nos  debruçar  sobre  a história, pois a partir dos processos históricos conseguiremos refletir que tipo de memória e estigmas são deixados pela sociedade. O presente artigo busca analisar criticamente o pensamento eugenista no Brasil, a partir da leitura do livro de Nina Rodrigues “Os Africanos no Brasil”, relacionando com a historiografia positiva, a qual pode ser entendida como um instrumento de legitimação das religiões de matriz africana, como diz na matéria da Folha de São Paulo. do preconceito étnico-racial e religioso; afinal essa cultura tem cor e classe. Tentaremos apontar  os  perigos  que  estão  amalgamados  no  pensamento  de  uma  única  história  e cosmogonia  da  humanidade;  e  a  forma  como  a  persistência  de  preconceitos  foram desenvolvidos e legitimadas pelo progresso cientifico.   Ciência positiva e Eugênia de mãos dadas: instrumentos “científicos” de legitimação do Racismo estrutural no pensamento brasileiro. O positivismo foi uma corrente filosófica. August Comte (1798-1857), Francês, foi o fundador e um dos maiores representantes deste tipo de pensamento, no século XIX. A historiografia deste período, no intento de fazer com que a História fosse legitimada enquanto  ciência,  partilha  dos  pensamentos  da  filosofia  positiva.  Segundo  José  de D´Assunção Barros, os positivistas buscavam escrever a história a partir da objetividade; na escrita de uma “história universal” da humanidade; pautada na “imparcialidade” do sujeito   produtor   do   conhecimento.   Para   ele   três   aspectos   são   essenciais   para   o entendimento  deste  conceito  histórico:  “Objetividade”,  “padrão  metodológico”  (de acordo com o modelo das Ciências Naturais) e a neutralidade –do sujeito- na produção do  conhecimento  histórico.  Essa  linha  de  pensamento,  recebe  influência  direta  do Iluminista do século XVIII. Para Barros, o pensamento positivo acrescenta o conceito de ordem, fazendo com que tenham uma caracteristica conservadora ao movimento. Em  meados  do  séc  XIX,  o  evolucionismo historicista  torna-se uma tendëncia importante e exemplificam-se nas obras dos historiadores Taine, Renan e Buckle, contribuem consolidação do movimento. A História da civilização na Inglaterra,  publicada por Henry Thomas Buckle (1821  – 1862) em 1857, por exemplo, está repleta de referências à ideia de “progresso” – geralmente relacionada aos  avanços  tecnológicos  e  ao  conjunto  das  explicações  científicas  para  os  diversos fenômenos  naturais  e  sociais  –  e  também  aparecem  as  referências  aos  “estágios  da civilização”, estabelecendo-se uma hierarquia entre sociedades que situam a Europa no topo  das civilizações e situando os povos americanos e africanos em uma escala inferior, primitiva. A partir dessa visão hierarquizada dos povos, onde os europeus estão no topo da pirâmide evolutiva, vemos como a História deste período, foi utilizada como instrumento legitimador para a colonização de povos que possuíam outras visões de mundo. Visões não ligadas a produção industrial, ao capitalismo, à burocracia do Estado moderno e a superioridade do humano a natureza. Sob o estigma do atraso dos povos não europeus, o Brasil estaria fadado à selvageria, pois grande parte da sua população era mestiça, a miscigenação vira um conceito de disputas e legitimação colonizadora. A eugenia  é o conceito  utilizado  por  médicos,  para  a  validação  da  inferioridade  das  populações  não brancas. Possuindo inúmeros adeptos  no Brasil. Analisaremos o conceito de eugenia no Brasil, fazendo a sua relação com a História positiva. Na  introdução  do  livro  “Raça  Pura”  de  Pietra  Diwan,  a  autora  nos  convida  a entender  a  eugenia  como  uma  disciplina (pseudo) cientifica,  onde  busca  realizar  o  “método  de seleção humana baseada em premissas biológicas” (Diwan, 2007, p. 10). A autora utiliza da “metáfora da árvore” para exemplificar as disciplinas que estão na raiz do pensamento eugênico.  Pietra  Diwan  diz  “genética,  antropologia,  estatística,  genealogia,  biografia, medicina, psiquiatria, cirurgia, economia, leis e testes mentais figuram entre as disciplinas dispostas nas raízes dessa árvore eugênica” (Diwan, 2007, p. 14). A História, nesta perspectiva,  estaria  em  segundo  plano,  pois  neste  ideário  social  a  escrita  da  História estaria ligada aos grandes feitos. Proposta similar ao da historiografia positiva, dá grande História, da busca por leis gerais com base nas ciências naturais, como exposto no inicio deste artigo. O pensamento eugênico está totalmente ligado a dominação e exclusão do que na ideia cientifica estava emparelhada aos povos não evoluidos, aos não brancos, não europeus. A preocupação dos médico-cientistas estava no melhoramento da raça humana, tendo em voga questões como: “os fenômenos ligados à população, tais como epidemias, a miséria e o trabalho industrial, criarão novas estratégia de controle do corpo” (Diwan, 2007, p. 14). A entrada do pensamento eugenico no Brasil, ocorreu a partir de viagens dos filhos da elite imperial brasileira à Europa, também a partir das expedições cientificas que  vieram  ao  país.  Segundo  essa  perspectiva,  o  Brasil  não  conseguiria  chegar  ao progresso,  pois  os  povos  daqui  eram  mestiços.  De  acordo  com  este  pensamento,  a mestiçagem era um fator anti-evolutivo, pois a mistura faria com que os genes mais fracos permanecessem  nas  raças,  gerando  defeitos  e  imperfeições,  seja  no  biológico  ou  no cultural/religioso. Apesar das raças brancas, indigena e negra serem consideradas raças puras, havia a superioridade da raça branca, identificado pelo “progresso” cientifico e tecnologico europeu. Segundo Pietra A constatação, por parte dos europeus, da impossibilidade de progresso do Brasil dada a sua composição racial criou na intelectualidade brasileira a necessidade de formar uma concepção sobre o Brasil. O sucesso do positivismo de August Comte na Europa inspirou também muitos pensadores brasileiros. A filosofia positiva preconizava a reforma da sociedade tendo em vista seu funcionamento racional, tal qual um organismo ou máquina. (Diwan, 2007, p. 10) Podemos identificar que essas duas correntes partilhavam inúmeros preceitos. A cultura popular com raízes africanas, pode ser  entendida a partir desse pensamento enquanto  atrasada,  pois  os  negros,  apesar  de  serem  igualmente  uma  raça  pura,  eram inferiores aos brancos. A inferioridade dessas raças está ligada a perspetiva de falta da racionalidade, e por possuirem uma organização social e cultural diferentes dos padrões europeus; os povos africanos possuíam um outro tipo de relação com o mundo. A ciência -seja  humana  ou  natural-  portanto  legitima  o  racismo  estrutural  durante  esse  período histórico.  Podemos  identificar  na  nossa  sociedade  a  permanência  deste  pensamento, principalmente no que concerne as identidades culturais não hegemônicas, legado dos Indios e Africanos, persistindo ao longo do tempo através dos mestiços. Para o grupo chamado “Escola Nina Rodrigues”, que partilhavam desta ideia, a miscigenação era a razão  para  a  criminalidade,  loucura  e  doenças.  Prosseguiremos  agora  analisando  o pensamento de Nina Rodrigues no livro “Os Africanos no Brasil”, dando foco às questões relacionadas a cultura e religião de matriz africana, tentando identificar como esse grupo étnico era enxergado pela intelectualidade e sociedade brasileira do fim do século XIX, início do XX. Identificando também as rupturas e continuidades deste tipo de pensamento no Brasil contemporâneo. Pensamento de Nina Rodrigues em relação a cultura e religião afro- brasileira Nina   Rodrigues   (1862-1906)   escreve   a   partir   da   lógica  eugenista.   Lógica legitimada pela Ciência que buscava o progresso e a ordem. A aplicação do conceito de Darwin   as   questões   sociais,   fizeram   com   que   não   pudéssemos   compreender   a complexidade que compõe as relações sociais. Utilizo-me do conceito de complexidade de Edgar Morin para refletir sobre a temática proposta. Segundo Morin a ciência positiva de certa forma e questões individuais e singulares, buscando compreender apenas o todo, focando em leis gerais, analisando às questões  cientificas  a  partir  de  identidades  simples  e  generalizantes esquecendo das especificidades   dos   grupos   identitários.   Amalgamados   na   ideia   de   progresso   das sociedades, tendo como exemplo o desenvolvimento científico e tecnológico europeu. Para o autor é extremamente necessário o entendimento de questões gerais, mas para a compreensão da complexidade das relações sociais, é necessário o entendimento do micro e a relação com o macro, que em muitas vezes podem ser antagônicas. Analisando o contexto histórico em que o autor está escrevendo, compreendemos a  partir  de  que  perspectiva  os  sujeitos  históricos  estão  produzindo  conhecimento. Sabemos que somos homens do nosso tempo, como diz Marc Bloch, por este motivo deduzimos  o  compartilhamento  de  visões  de  mundo,  pautada  na  ciência,  cultura, economia do período histórico estudado. Consequentemente, enxergamos que este tipo de pensamento pode estar ainda cristalizado em alguns extratos da sociedade. No capítulo VI (“Sobrevivências totêmicas: festas populares e folk-lore”) do livro “Os Africanos no Brasil”, Nina Rodrigues faz uma análise etnográfica em relação as festas e cultura negra, enquadrando enquanto folclore, algo do imaginário, inferior. Apenas nesse enquadramento da cultura do outro -enquanto folclore- podemos identificar a relação de hierarquização  cultural.  A  cultura  hegemônica  europeia  não  considera  as  culturas  de classes  populares  ou  de  povos  com  outro  tipo  de  cosmogonia  enquanto  legitimas, adjetivando  essas  culturas  enquanto  atrasadas;  do  bárbaro;  da  selvageria.  Segundo  a concepção  gramsciana  é  indissociável  cultura  e  linguagem,  a  partir  disso,  podemos identificar como as palavras para expressar a cultura de outrem trazem pejorativamente ideias,  por  sua  vez,  essas  ideias  legitimam  a  inferioridade/superioridade  de  diversas culturas. Neste  capítulo  o  autor  está  relacionando  a  sobrevivência  do  “Totemismo”  na sociedade  brasileira,  a  partir  das  festas  populares  e  do    “folk-lore”.  Para  Nina  a organização das mitologias negras estava ligado ao estado mental dos “selvagens”. Para a psicologia deste período, os selvagens são os homens que "Estendendo inconscientemente a todo o Universo a consciência obscura que tem da própria personalidade, considera todos os objetos naturais como  seres  inteligentes  e  animados;  que,  sem  tirar  uma  linha  de demarcação bem nítida entre ele e todas as coisas que existem neste mundo,    facilmente    se    convence    que    os    homens    podem    ser transformados em plantas, em animais ou em estrelas, que os ventos e as nuvens, o sol e aurora são pessoas dotadas das paixões e qualidades humanas   e   sobretudo   que   os   animais   podem  ser   criaturas   mais poderosas do que ele próprio e, em certo sentido, divinas e criadoras."(Rodrigues, 2010, p. 197.) A  mitologia  Ioruba  propõe  uma  outra  relação  entre  “humano  x  natureza”, compreende que somos parte da natureza, da mesma forma que as árvores, mares, rios e tudo que está no universo. A ideia hegemônica desse período é dicotomica, pois o humano é  posto  exterior  a  natureza  que  lhe  certa.  Segundo  a  mitologia  cristã,  “Deus”  criou  o “homem” a sua imagem e semelhança, dando-lhe “autoridade” de “reinar” sobre o meio natural. Segundo Gêneses Capítulo 1, versiculo 26:  “E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se move sobre a terra. 27 E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou. 28 E Deus os abençoou e Deus lhes disse: Frutificai, e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra.” A partir deste versiculo podemos identificar como a visão cristã ocidental em relação  a  natureza foi adaptada ao evolucionismo do seculo XIX.  Uma  relação  baseada  na  dominação  do  humano  sobre  o  natural; associada  a  ciência  e  ao  progresso.  Os  Iorubas  possuíam  uma  visão  antagônica, enxergavam o humano enquanto parte do meio natural, não exterior. Nina relaciona esse tipo de visão a não evolução dos povos e ao “ser” selvagem, sendo eles totemicos. No ponto de vista social, o selvagem é o homem que faz repousar suas leis sobre as regras bem definidas do totemismo, isto é, do parentesco do  homem  com  os  objetos  naturais,  e  que  se  apóia  sobre  o  caráter sagrado  desses  objetos  para  motivar  as  interdições  em  matéria  de casamento  e  as  vinganças  obrigatórias  (blood-feuds),  que  faz  da habilidade na magia um título a uma posição elevada. (Rodrigues, 2010, p. 197.) Podemos detectar como a antropologia do fim do século XIX, início do XX estava imersa  também  no  pensamento  positivo,  pois  a  etnografia  empreendida  por  Nina Rodrigues está envolta em uma descrição carregada de preconceitos em relação a cultura do outro. Segundo Clifford Gueertz para uma interpretação densa da cultura, é necessário entender  as  relações  culturais  enquanto  uma  teia  de  significados,  lendo  as  relações enquanto um texto. Por sua vez o etnógrafo em campo procura entender as significações de determinados pensamentos culturais em que estão estudando. Muito diferentemente do que é empreendido por Nina Rodrigues, em que hierarquiza a diversidade cultural, rebaixando a cultura negra ao atraso. Analisaremos na próxima parte do artigo o discurso de Nina Rodrigues, ressaltando as questões referentes às religiões de matriz africana, o olhar  do  autor  sobre  essas  religiões,  contrapondo  está  visão  com  a  mitologia  Ioruba. Utilizaremos a fala do autor acerca do Orixá Exú, sendo considerado -até nos dias atuais- pela cristandade como o “Diabo”. Complexidade da figura arquetípica de Exu Nina   Rodrigues   inicia   o   capitulo   VII  (“Sobrevivências   religiosas   religião, mitologia e culto”) dividindo a questão religiosa brasileira em três conjuntos, por sua vez esses conjuntos estão relacionados a uma hierarquia evolutiva. O primeiro conjunto está relacionado ao monoteísmo católico, para ele é a forma religiosa mais elevada e praticada por uma pequena parcela da população brasileira. O segundo conjunto está relacionado a idolatria dos Santos Católicos, abrange a massa popular (Brancos, Mestiços e Negros), de acordo  com o  autor mais  inteligentes  do que os  praticantes  do terceiro  conjunto, mas inferior ao modelo monoteísta do primeiro. O terceiro conjunto está ligado ao “animismo Negro”, nas crenças da mitologia Ioruba do homem enquanto parte da natureza. Segundo Rodrigues: “Vem finalmente o fetichismo estreito e inconvertido dos africanos das tribos mais atrasadas, dos índios, dos Negros crioulos e dos Mestiços do mesmo nível intelectual. Naturalmente estas camadas espirituais não têm senão os limites que lhes impõem a abstração e a análise e por toda parte se fundem e se penetram.” (Rodrigues, 2010, p. 241.) Podemos  fazer  um  paralelo  em  relação  ao  preconceito  ainda  existente  na contemporaneidade em relação as religiões de matriz africana, esse tipo de pensamento aceito  e  muito  difundido  no  período  histórico  em  questão  podem  ser  evidenciados enquanto raizes do racismo religioso. Falaremos de uma personagem muito complexa do panteão Iorubá, Exú. Figura complexa, pois carrega em si inúmeros antagonismos, sendo relacionado inclusive pelos não praticantes da religião enquanto o “Diabo”. Segundo a concepção de Nina Rodrigues, Elegbará está associado aos “prazeres da sensuais” e da “luxúria”. Está concepção não é de todo incorreta, mas essa personagem carrega  muitos  outros  significados. Existe  uma  complexidade  na  identidade  de  Exú, diferentemente desta visão superficial e pejorativa. Para entendermos intrisecamente está figura, precisamos decifrar o arquétipo envolto a ela. Segundo Verger, o arquétipo dos Orixás  nos  povos  iorubanos  estava  ligada  a  ancestralidade,  a  familia  e  aos  laços sanguinios. Com a vinda desses povos para a América ocorre uma resignificação, por conta  da  intercessão  de  diversos  povos  africanos.  Para  os  mestiços  praticantes  das religiões   de   matriz   africana,   esses   laços   ocorrem   a   partir   de   “afinidades   de temperamento”,  personalidade  individual  que  corresponde  ao  arquétipo  do  Orixá. Segundo Verger “Podemos  chamar  essas  tendências  de  arquetipos  da  personalidade escondidas das pessoas. Dizemos escondidas porque, não há nenhuma dúvida, certas tendências inatas não podem desenvolver-se livremente dentro de cada um, no decorrer de sua existência, se elas entrarem em conflito com as regras de conduta, admitidas nos meios em que vivem. A educação  recebida  e  as  experiências  vividas,  muitas  vezes,  são  as fontes  seguras  de  sentimentos  de  frustração  e  de  complexos,  e  seus consequentes bloqueios e dificuldades.” (VERGER, 1990, p. 34) Entendendo basicamente a relação arquetipica entre os Orixás e os adeptos das religiões, falaremos especificamente do arquétipo de Exú (Elegbará). Exú é considerado um  deus  Trikster,  mensageiro  do  mundo  dos  deuses  ao  mundo  humano.  É  associado, segundo   Ford,  enquanto   o   “guia   interior”,   levando   a   percepções   e   revelações transformadoras de hábitos limitantes. Por este motivo é o Orixá dos caminhos –abrindo ou  fechando  eles-,  o  senhor  das  encruzilhadas.  Para  pensar  a  encruzilhada  podemos entender enquanto um local que possuí quatro entradas e saídas, que podem levar para outros espectros de vida. Exú tem em si a conotação da travessura, do pregador de peças, que em muitas vezes pode ser entendidas enquanto maliciosas, mas são carregadas de aprendizados e questões morais; possuí também a conotação sexual, como Nina relaciona em seu livro. Segundo Ford "A sexualidade é, evidentemente, o grande fator de motivação oculto dos homens  e  mulheres,  e  a  intenção  de  Exu  é  desvelar  e  expor  nosso relacionamento a essa dinâmica energia vital."(FORD, 1999, p. 225) Dessa  forma,  podemos  identificar  que  esse  Orixá  trabalha  sendo  “a  própria personificação  da  energia  vital  sexual”  (FORD,  1999,  p.  225).  Ligado  aos  ciclos  de ruptura e continuidade do sujeito em vida. Equilibrio entre as antagonias da personalidade humana. Ford concluí sua análise em relação ao arquétipo de Exú da seguinte maneira: Exu é o  grande  mediador das forças contrárias da vida.  Ao negociar com os deuses, como faz com frequência nos mitos iorubanos, ele reafirma um equilíbrio, por exemplo, entre a compaixão de obatalá e o espírito guerreiro agressivo de Ogum. E, se esses deuses estão dentro de nós, então Exu representa o caminho interno que contrabalança todas as  tendências  opostas  da  nossa  personalidade  e,  talvez,  exija  um empenho tão obstinado e capaz de abalar uma situação quanto o velho que passou entre os pretensos grandes amigos. (FORD, 1999, p. 225) A partir  de  uma  compreensão  mais  profunda  em  relação  aos  mitos  iorubanos, identificamos  como  o  pensamento  de  Rodrigues  é  inconsistente  em  relação  a  complexidade  de significações  dos  mitos  das  religiões  de  matriz  africana.  Mas  em  um  tempo  onde  o progresso e a hierarquização dos povos era hegemonica, compreendemos a partir de que lugar o autor fala e, podemos identificar permanências neste tipo de pensamento. Considerações finais: Tentamos ao longo do artigo pensar em como os preconceitos estruturados em nossa  sociedade  foram  legitimados,  a  partir  da  ciência  e  do  pensamento  colonizador. Existem inúmeros pontos que necessitam de um aprofundamento, visto que é um tema extremamente complexo. Podemos identificar que existem inúmeras continuidades em relação ao pensamento eugenista no Brasil,pensamento esse que precisa ser questionado e refutado a partir da reflexão entre teoria e prática. O conhecimento é libertação, sem conhecer a cultura do outro caímos em uma armadilha, pois acreditamos em uma única forma  de  existência,  a  humanidade  é  muito  mais  complexa  em  suas  relações  e  não podemos acreditar em verdades absolutas, totalizantes. Notas: 1  Slogan utilizado pelo presidente eleito em campanha. 2  Históriador e provavelmente umas das maiores referências acadêmica sobre a história de perseguição. 3  Orixá do pateão Iorubano. Podem ser associados a Exú o nome: Elegbará.   Referências: ABREU, Daniela. Terreiros ameaçados em Campos. Folha 1, Rio de Janeiro, 2019. In <https://www.folha1.com.br/_conteudo/2019/06/geral/1248635-terreiros-ameacados- em-campos.html Gênesis.A Biblia Sagrada. Rio de Janeiro: Almeida, 2009. BALLOUSSIER,  Anna  Virginia.  Guia  de  intolerância  aponta  para  disseminação  de ataques   de   cunho   religioso.   Folha   de   São   Paulo,   Rio   de   Janeiro,   2019.   In: <https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/09/guia-de-intolerancia-aponta-para-disseminacao-de-ataques-de-cunho-religioso.shtml> BLOCH, Marc. A história, os homens e o tempo. In: Apologia da História ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002, p. 51-68. DIWAN, Pietra. Raça Pura: uma história da eugenia no Brasil e no mundo. São Paulo: Editora Contexto, 2007. P. 9-19 e 87-121. FORD, Clyde W. O Héroi com rosto africano: Mitos da África. Rio de Janeiro: Editora: Selo Negro, 1999. P. 219-225.   GEERTZ, Clifford. “Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura”. In:   A interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.   ORLANDI, Costanza. Cultura. In: ORLANDI, Costanza. Dicionário Gramsci. São Paulo: Boitempo, 2017. p. 171-178.   MARTON, Fábio. Relatos apontam proliferação de ataques às religiões afro-brasileiras. Folha          de          São          Paulo,          Rio          de          Janeiro,          2019.          In: <https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2019/09/relatos-apontam-proliferacao-de-   ataques-as-religioes-afro-brasileiras.shtml>   MORIN, E. Introdução ao Pensamento Complexo. Porto Alegre: Editora Sulina, 2005. VERGER, Pierre Fatumbi. Orixás. Rio de Janeiro: Editora: Corrupio Circulo do Livro, 1990. RODRIGUES, RN. Os africanos no Brasil [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2010. pp. 196-238. Sobrevivências totêmicas: festas populares e folk- lore.       ISBN:      978-85-      7982-010-6.      Available      from      SciELO       Books <http://books.scielo.org>.   RODRIGUES, RN. Os africanos no Brasil [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas  Sociais,  2010.  pp.  239-286.  Sobrevivências  religiosas  religião,  mitologia  e culto.      ISBN:      978-85-7982-      010-6.      Available      from      SciELO      Books <http://books.scielo.org>.

Início

Mais lidas

dez 14, 2018

Ensino de Artes: A abordagem Triagular de Ana Mae Barbosa

Eliane dos Santos de Oliveira

Vanisse Simone Alves Corrêa

O surgimento da abordagem triangular objetivava a  melhoria do ensino da arte, na busca pelo entendimento da mesma e também uma buscava uma mais aprendizagem significativa. Preocupou-se pela busca de um conhecimento critico não somente para os aluno, mas também para os professores. Nos anos 90 a abordagem Triangular passou a ser colocada em prática. Inicialmente foi chamada de Projeto Arte na escola.  Mais tarde, ficou conhecida como  Triangular e/ou Abordagem Triangular. Entre essas duas nomenclaturas foi escolhido o nome de Abordagem Triangular (Barbosa, 2010, p.11). É fundamental ressaltar que a Abordagem Triangular não se refere a um modelo ou método, mas tem o objetivo de focar na metodologia adotada pelo professor nas suas aulas práticas,  sem vinculo teórico padronizado, a fim de não engessar o processo. Fica evidente portanto, que  a abordagem Triangular não se enquadra para quem quer seguir um método padronizado, ele  requer a  liberdade de obter conhecimento critico  reflexível  no processo de ensino [...], ajustando-se ao contexto em que se encontra (Machado, 20010, p.79). A Abordagem Triangular é uma abordagem diálogica. A imagem do Triângulo abre caminhos para o professor na sua prática docente. Ele pode fazer suas escolhas metodológicas,  é permitido mudanças e adequações, não é um  modelo fechado, que não aceita alterações. Não é necessário seguir um passo a passo. Para Barbosa ” (...)  refere-se à uma abordagem eclética. Requer transformações enfatizando o contexto” (Barbosa, 2010, p. 10).  

Fonte: https://memoria.ifrn.edu.br/bitstream/handle/1044/337/AE%2010%20-%20DF.pdf?sequence=1&isAllowed=y

  Segundo Novaes (2005),  a Abordagem Triangular aponta que é importante pensar, questiona  o que é  a imagem, o uso da imagem, a imagem do cotidiano  da história da arte e da cultura na sala de aula. É necessário fazer uma leitura crítica da produção da imagem das coisas e de nós mesmos.  Não depende só do sujeito a maneira como se vê uma imagem. É necessário também interpretar a mesma. A imagem visível aguarda uma leitura invisível que é revelada a cada deslocamento que ela faz. Para  Dewey e Freire (2010),  uma boa leitura de mundo artístico ocorre a partir do contexto em que se vive. Porém isso não significa focar só no ensino cotidiano do aluno, mas contribuir para que eles consigam fazer uma leitura crítica e contextualizar a imagem multicultural, podendo identificar  e não apenas apreciar, mas também comentar a beleza das imagens em uma sociedade em desenvolvimento sociocultural cumprindo o papel político de transformação social partindo do pressuposto das imagens artística (Dewey e Freire, 2011). Sobre a prática educativa do professor do ensino básico,  a Abordagem Triangular mostra seu valor nas artes visuais. Para o professor contemporâneo/artista, pode possibilitar uma análise crítica do seu próprio fazer, quando atuam como artistas e professores de artes visuais. É também interessante fazer uma análise no processo de expressão do professor artístico e do aluno artista que experimenta. Quando é algo mecânico e sem causa poética, não passa a singularidade do trabalho artístico produzido. O trabalho artístico passa sensibilidade e emoção. A Proposta Triangular da Prof.ª Ana Mae Barbosa possui estruturantes, a seguir descritos:  a contextualização, a apreciação e a produção.  

Fonte:  PÓVOA, M. A. M., 2012

  O eixo contextualização abrange os aspectos contextuais que envolvem a produção artística como manifestação simbólica histórica e cultural. nesse eixo, observa-se o que se transforma e como se revelam as representações que os grupos fazem de si e dos outros. Ele abrange, também, a análise das relações de poder que criam certas representações, diferenciando e classificando hierarquicamente pessoas, gêneros, minorias (PEREIRA, 2013, p. 22) A contextualização da obra permite entender em que condições a mesma foi produzida, bem como as relações de poder que estão implícitas nessa produção. Já Pereira (2018) define o eixo da apreciação da seguinte maneira: O eixo de apreciação está organizado diante de aspectos que lidam com as interações entre o sujeito e os artefatos da arte. Nesse eixo são mobilizadas competências de leitura que requerem do sujeito o domínio dos códigos estruturantes e suas relações formais. na apreciação também estão entrelaçados os aspectos simbólicos da produção artística e como a pessoa que dialoga com o artefato atribui a ele determinados significados. Aqui se operam uma série de relações provocadas pela interação entre sujeito e objeto. No eixo de produção, estão envolvidos aspectos da criação artística. Nele, o sujeito torna-se autor e precisa mobilizar conhecimentos sobre as linguagens para transformar em invenções artísticas. Aqui estão envolvidos elementos de natureza formal e simbólica. O sujeito mobiliza conhecimentos tanto conceituais quanto procedimentais, inventando tecnologias, adaptando materiais, articulando ideias (PEREIRA, 2013, p. 22). Esse eixo possibilita a percepção das interações entre os componentes dos objetos artísticos, na relação que ocorre entre o sujeito e a própria obra de arte. Sobre o eixo da produção, Pereira (2103), esclarece: No eixo de produção, estão envolvidos aspectos da criação artística. Nele, o sujeito torna-se autor e precisa mobilizar conhecimentos sobre as linguagens para transformar em invenções artísticas. Aqui estão envolvidos elementos de natureza formal e simbólica. O sujeito mobiliza conhecimentos tanto conceituais quanto procedimentais, inventando tecnologias, adaptando materiais, articulando ideias (PEREIRA, 2013, p. 22).   É nesse eixo que o aluno já tem condições de produzir. Todas as etapas que ele já percorreu permitem que ele se lance na produção artística, de modo qualificado, crítico e sensível.   Eliane dos Santos de Oliveira é graduanda em Pedagogia pela Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR, campus Paranaguá.   REFERÊNCIAS: FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 27. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. IAVELBERG, R. Para gostar de aprender sala de formação de professores. Porto Alegre: Artmed, 2003. PARANÁ.  Diretrizes Curriculares para o Ensino de Artes. Disponível em http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_arte.pdf Acesso em 12 MAI. 2018. SALGADO, E. de C. V. de C.  Desenvolvimento e Inclusão Social de Pessoas com Deficiência. Universidade de Taubaté. (2013.) Dissertação de Mestrado. SANTOS, Santa Marli Pires dos. Educação, arte e jogo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez, 2007. SILVA, Luis Eron da. Reestruturação Curricular: novos mapas culturais, novas perspectivas educacionais. Porto Alegre: sulina, 1996. In://www.bdtd.unitau.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=65Acesso em 20.08.18
TROJAN, R. M .A arte e a humanização do homem: afinal de contas, para que serve a arte? In: Educar em Revista. no.12 Curitiba Jan./Dez. 1996.
 
Resenha Crítica de "A Ilha" (The Island)
dez 03, 2017

Resenha Crítica de "A Ilha" (The Island)

Um grande laboratório situado em uma plataforma marítima produz clones humanos que nada mais são que uma apólice de seguros para seus clonados e fonte de riqueza para seus produtores.
A FEMINILIDADE: UMA CONSTRUÇÃO DO SER MULHER.
ago 25, 2017

A FEMINILIDADE: UMA CONSTRUÇÃO DO SER MULHER.

A Coluna INcontros recebe nesta semana, a contribuição de Guilherme Silva dos Passos* e Ana Suy Sesarino Kuss**, sobre um tema debatido em várias áreas do conhecimento, que é o da feminilidade e a construção do ser mulher, mas o enfoque dos autores aqui é aprofundado através da Psicanálise.

Leia também

Fragmentos de um romance I
out 11, 2018

Fragmentos de um romance I

Para a nota de hoje, a primeira parte de um romance que - não faz muito - se perdeu.
Opúsculo sobre os limites de uma leitura religiosa em Daniel Faria
fev 08, 2018

Opúsculo sobre os limites de uma leitura religiosa em Daniel Faria

Algumas considerações sobre os limites de uma leitura religiosa dos escritos - e, principalmente, dos poemas - de Daniel Faria, poeta português contemporâneo, a partir das considerações e apontamentos feitos por Francisco Saraiva Fino, importante crítico e divulgador da obra fariniana.
Mitologia e Sexualidade
nov 14, 2017

Mitologia e Sexualidade

A lenda do Boto Cor de Rosa

Olá pessoal, hoje compartilharei um material que venho construindo ao longo de dois bimestre na escola que leciono Filosofia e Sociologia, E. E. Professor Nelson Pizzotti Mendes localizada em uma área de  grande vulnerabilidade social e alto índice de natalidade. A temática envolve a Educação em Sexualidade e a cultura brasileira, para tanto, o objetivo geral foi o de ampliar o debate sobre a Sexualidade e a Mitologia com discentes do Ensino Médio e difundir de maneira lúdica, artística e educativa esses aprendizados para outra unidade escolar de Educação Infantil.  Ao pesquisar um pouco sobre a diversidade cultural brasileira, notei que a lenda do boto amazônico possibilita trabalhar assuntos relacionados a sexualidade, como infecções sexualmente transmissíveis, prevenções, gravidez na adolescência e violência contra a mulher. As aulas se deram da seguinte maneira: Aula/Encontro nº 1 - O mito e a filosofia antiga Duração: 1 hora/aula Objetivos: Entender o que é o mito e reconhecer a diversidade cultural Aula/Encontro nº 2 - Sexualidade, Estereótipos e a Lenda do Boto Duração: 2 horas/aulas Objetivos: Refletir e problematizar os estereótipos, os papeis sociais e a gravidez na adolescência. Aula/Encontro nº 3 - Produção teatral: a Lenda do Boto Duração: 2 horas/aulas Objetivos: Desenvolver habilidades de criação, organização e expressão corporal e oral. Aula/Encontro nº 4 – Produção teatral e musical Duração: 6 horas/aulas Objetivos: Desenvolver habilidades expressão artística, corporal e oral. Os resultados alcançados até então foram: ¤ Análise da mito e reflexão sobre o cotidiano das/dos adolescentes em todas as salas do 1º ano E.M. ¤ Turma do 1º A: Criação do roteiro e cenário; Divisão das tarefas: cenário, atuação, narração e música. ¤ Parceria entre Creche Municipal e Escola Estadual. ¤ Criação, produção e apresentação teatral e musical. ¤ Elaboração de poesia, contos e músicas com as temáticas: sexualidade, paternidade e responsabilidade. A partir do diálogo e leitura de suas produções percebo o quanto aflorou a vontade de estarem na escola, de produzirem algo com cuidado e da consciência crítica ao relacionarem o mito amazônico ao seu cotidiano. Bibliografia AGUIAR, Neuma. Patriarcado, Sociedade e Patrimonialismo. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v15n2/v15n2a06.pdf Acesso em 09/2017 GARANHUNS, Valdeck de. Mitos e lendas brasileiras: em prosa e verso. São Paulo: Ed. Moderna, 2007. GUEDES, Nubia; MELO, Elinay. Não foi o boto sinhá: a violência contra a mulher. Revista Justificando, Disponível em: http://justificando.cartacapital.com.br/2017/02/01/nao-foi-boto-sinha-violencia-contra-mulher-ribeirinha/ Acesso em 06/2017. SALIS, Viktor. A mitologia Viva: Aprendendo com os deus a arte de viver e amar. São Paulo. Ed. Nova Alexandria, 2003. VAZ, Sonia Regina Lunardon. A lenda da Iara e do Boto: Reflexões sobre o transtorno de personalidade boderline. Disponível em: http://www.bonde.com.br/colunistas/mitos-e-sonhos/a-lenda-da-iara-e-do-boto-rosa-reflexoes-sobre-o-transtorno-de-personalidade-borderline-309379.html Acesso em 08/2017